O artigo traz as causas geradoras da indignidade, além de analisar a Ação Declaratória de Indignidade e a Reabilitação/Perdão do Indigno.

INTRODUÇÃO

Conforme as palavras de Maria Helena Diniz, trata-se a indignidade de “Instituo bem próximo da incapacidade sucessória, é o da exclusão do herdeiro ou do legatário incurso em falta grave contra o autor da herança e pessoas de sua família, que o impede de receber o acervo hereditário, dado a que se tornou indigno.

Pois bem, pode se auferir que a Indignidade se trata de uma sanção civil, que priva o direito a receber a herança, para aquele que cometer atos criminosos, ofensivos ou reprováveis que estão elencados no Art. 1.814 do Código Civil.

A indignidade pode alcançar qualquer modalidade de sucessor, tanto os legítimos quanto os testamentários, herdeiros ou mesmo legatários.


Desenvolvimento

Causas da exclusão por indignidade

 As causas que dão ensejo a exclusão sucessória por indignidade estão expressas taxativamente no Art. 1.814 do Código Civil, sendo elas atentados contra à vida, à honra e à liberdade;

I Atos Contra a Vida:

Quando o sucessor for autor, coautor ou partícipe de um homicídio doloso, em sua forma tentada ou consumada, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente. Neste caso,  o dolo é essencial na causa da exclusão, não se estendendo aos casos de homicídio culposo, por imprudência, imperícia ou negligência. Válido lembrar que não é necessário que haja ação condenatória acerca do homicídio tentado ou consumado, basta fazer prova de homicídio no cível.

Alguns autores entendem que a instigação ao suicídio deveria equiparar-se a homicídio, para efeitos da indignidade, porém, essa conduta ainda não está prevista em lei. 

II Crimes contra a honra

Aqui pune-se duas modalidades de conduta, a primeira é que o sucessor seja condenado em crimes contra a honra do autor da herança, seu cônjuge ou companheiro, ou praticar calúnia em juízo contra o autor da herança. Na primeira conduta é necessária a condenação do sucessor pela prática de Calúnia, Injúria ou Difamação, e aqui, diferente dos atos contra a vida, é necessário a Sentença Condenatória.

Outrossim, referindo-se à pratica de calúnia em juízo, exige a lei civil que a imputação do crime tenha sido proferida em juízo, e esta por si só já gera a exclusão da herança. Aqui não há necessidade de ação condenatória.  

III Atos contra a liberdade

E, por fim, a lei traz as hipóteses de atos contra a liberdade que podem dar ensejo à exclusão da sucessão. Ocorre quando o sucessor inibir ou obstar, por violência ou fraude, que o autor da herança decida livremente como irá dispor de seus bens, como ato de última vontade.

O dispositivo tem por objetivo respeitar o princípio de que temos o pleno direito de decidirmos quais regras sucessórias queremos usar, preservando, assim, a liberdade de testar do autor da herança. Não se caracteriza tão somente pelo impedimento da feitura do instrumento ou quando se altera o que está pronto. Engloba também aquele que, por abuso de confiança do testador, exercer pressão sobre ele, iludi-lo, fazer maliciosamente crer em fatos não reais, ou ainda quando oculta, vicia, inutiliza ou falsifica o escrito feito pelo autor da herança acerca da disposição futura de seus bens.

Procedimento que opera para a Exclusão

A indignidade prevista na lei não se opera automaticamente. Para que ela ocorra é necessária a propositura de ação por rito Ordinário, proposta por quem tenha interesse na sucessão e na exclusão do indigno, e é  proposta contra quem praticou ato que seja causa de Indignidade, sendo imprescindível o pronunciamento da indignidade por sentença proferida, pode também ser autor da ação o Ministério Público, por se tratar de interesse social e público de evitar que o herdeiro indigno receba vantagens, beneficiando-se dos bens deixados pela vítima.

O referente procedimento está elencado no art. 1.815 do Código Civil, o prazo para a propositura de Ação Declaratória de Indignidade é de quatro anos contados da abertura da sucessão, ou seja da morte do Hereditando, portanto, tal ação não pode ser proposta em vida deste, outrossim,  a ação deve ser proposta em vida do Indigno.

A sentença condenatória tem como intuito considerar morto o herdeiro Indigno desde a data da abertura da sucessão. Importante elucidar que a sentença pune somente o réu, seus efeitos assim não o ultrapassam.

Se o Indigno falecer antes do trânsito em julgado da declaração de sua indignidade, o seu direito hereditário passará a seus sucessores, isto porque, antes do trânsito em julgado, o Indigno era pessoa plenamente capaz e tinha plena vocação hereditária.

Efeitos da Indignidade

Com o trânsito em julgado da Ação declaratória de Indignidade, essa produz diversos efeitos. Dispõe o Art.1.816 do primeiro efeito:

I São pessoais os efeitos da execução, sendo assim os descendentes do excluído da herança o sucedem, como se ele estivesse morto na data da abertura da sucessão, esse efeito tem correlação com o princípio de que a pena não pode atingir além da pessoa do delinquente, logo os herdeiros não podem ser punidos pela Indignidade do excluído.

A situação do Indigno equipara-se a do premorto, assim os bens que deixam de herdar são transferidos a seus descendentes, devido ao caráter personalíssimo da pena que deve atingir somente o Indigno.

II O segundo efeito é o de retroagir (ex tunc), ocorro que, da data da propositura da ação até o seu transito em julgado, o excluído da sucessão ele ainda está na posse dos bens do acervo hereditário, devido ao efeito a sentença retroage à data do falecimento do autor da herança, ou seja da data da abertura da sentença, considerando assim o Indigno, como se morto estivesse na data da abertura da sucessão.

Equipara-se aqui o Indigno como se possuidor de má-fé fosse, visto que ele ignora a indignidade cometida contra o autor da herança. Como consequência o excluído é obrigado a restituir os frutos e rendimentos obtidos com a posse que não que lhe é devida, no entanto, tem direito a receber indenização pelas benfeitorias feitas para assegurar a conservação do bem.

III Devido ao fato de o Indigno ser considerado morto na data da sucessão, esse não terá direito ao Usufruto e à Administração dos bens herdados por seus sucessores, isso é uma exceção à regra de que os pais titulares do poder familiar são por lei usufrutuários e administradores dos bens dos filhos menores.

Este efeito tem a pretensão de que o herdeiro excluído da sucessão não tire proveito, mesmo que indiretamente, dos bens do Hereditando, já que cometeu ato de indignidade e, por isso, não tem direito a se beneficiar da herança.

Reabilitação do Indigno

Dispõe o Art.1.818:  “Aquele que incorreu em atos que determinem a exclusão da herança será admitido a suceder, se o ofendido o tiver expressamente reabilitado em testamento, ou em outro ato autêntico.

Parágrafo único. Não havendo reabilitação expressa, o indigno, contemplado em testamento do ofendido, quando o testador, ao testar, já conhecia a causa da indignidade, pode suceder no limite da disposição testamentária.”.

Nesse sentido, o perdão é ato solene, visto que só é válido se for feito por meio de testamento ou ato autêntico, ou seja, qualquer declaração, por instrumento particular ou púbico autenticado por escrivão, não havendo a necessidade de o ato ser lavrado somente para a reabilitação, podendo ser feita em ata de casamento, por exemplo, ou mesmo sendo o ato autêntico com objetivos diversos como doação e pacto antenupcial, podendo o autor da herança inserir aqui o seu perdão.

Trata-se de ato personalíssimo do autor da Herança, sendo ele o único detentor do direito ao perdão, o perdão tácito tem sido admitido, porém, ele só é válido na via testamentária, quando o autor da herança após ter o conhecimento do ato de indignidade, incluir o indigno na herança. No entanto, se o testamento for revogado, o perdão revoga-se junto a ele.

Ocorrendo o perdão, não se é admitida mais ação de exclusão, no entanto,  se já houver sentaneça de exclusão, somente outra ação pode devolver ao excluído sua capacidade sucessória, não bastando mais somente o perdão do autor da herança.

Assim, concedido o perdão ou havendo sentença que devolve ao excluído seus poderes sucessores, o excluído tem direito à sua herança originária, se essa não mais existir, tem o direito de receber seu valor atualizado.


Conclusão

As questões versadas no presente artigo estão elencadas no Capítulo V do Código Civil, dispostas ao longo dos Arts.1.814 ao 1.818.

Nota-se que atos indignos praticados por um herdeiro contra o Testamenteiro, seu ascendente, descendente e em alguns casos cônjuge e companheiro podem gerar a exclusão da herança.

Porém, para que a Indignidade produza seus efeitos, é necessária ação de Declaração de Indignidade, no mesmo passo em que o Perdão pode ser dado pelo autor da herança por meio de declaração autêntica ou em testamento.

A legislação pretende, dessa forma, punir aquele que cometeu ato de Indignidade, proibindo, assim, que ele se beneficie da herança.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- Venosa, Sílvio de Salvo, Direito Civil: direito das sucessões/ Silvio de Salvo Venosa. – 9ed. –São Paulo: Atlas, 2009 (Coleção direito civil; v.7)

- Helena, Maria Diniz, Curso de Direito Civil Brasileiro, volume 6: direito das sucessões/ Maria Helena Diniz.- 24.ed. – São Paulo: Saraiva 2010

- Gonçalves, Carlos Roberto, Direito civil brasileiro : direito ds sucessões v.8/ Carlos Roberto Gonçalves, -9, ed- São Paulo: Saraiva, 2015.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria