Este artigo busca explicar com base na Constituição, no Código Civil e Penal um entendimento jurídico sobre os nascituros onde evidencio e trago a ideia de que a visão jurídica deve ser única, e tem o dever de caminhar no mesmo sentido de entendimento.

Resumo:

Este artigo busca explicar com base na Constituição, no Código Civil e Penal um entendimento jurídico sobre os nascituros onde evidencio e trago a idéia de que a visão jurídica deve ser única, e tem o dever de caminhar no mesmo sentido de entendimento sobre a questão dos direitos dos nascituros quanto aos questionamentos sobre o nascimento e a concepção. Trazendo doutrinas que se contradizem e apontando no âmbito jurídico a defesa de um pensamento único e sistêmico que nos traga  uma resposta coesa dentro de fundamentos jurídicos e de fácil compreensão.

Introdução:

   A discussão jurídica parece nunca chegar em um consenso quanto a Natureza Jurídica do Nascituro.

   O entendimento jurídico aponta para nortes diferentes sob uma mesma questão onde o prisma dos olhares se cruzam em uma mesma tangente onde o nascer da verdade  não é  absoluto, são pontos de vista que precisam ser lapidados e moldados para que não haja conflito de entendimento do que está na lei e o que o entendimento permite julgar.

Desenvolvimento:

   Existem várias correntes doutrinarias, que podemos resumir em três, segundo Almeida(1990);

         Natalista, que por sua vez considera o inicio da personalidade quando existe o nascimento com vida, dentro do artigo 2º do Código Civil Brasileiro;

   Personalidade Condicional, também conhecida e exemplificada como Concepcionista Condicionada, que determina que a personalidade começa com a com cepção, com a condição do feto nascer com vida.

   Concepcionista, Clóvis Bevilacqua defende a tese de que o nascituro tem personalidade com a concepção e independe se o nascimento é com vida ou não. Considera que muitos direitos são absolutos e incondicionais que contrapõe o antes de nascer com, o nascer com vida   

  Sob a luz do Art. 2º do Código Civil Brasileiro que diz: A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; porém a lei se contradiz quando garante o nascituro direitos desde a concepção e existencia aos quais vou explicitar durante esse artigo.

    Voltamos a Constituição Federal que em seu Art. 3º diz: Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:  IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras, todos os direitos e garantias fundamentais.

   Quando buscamos o significado da palavra idade, os diversos dicionários remetem ao mesmo resultado: Tempo de vida, cada um dos períodos que se dividem a vida do homem, unidade de medida geocronológica da vida. Assim buscando a palavra VIDA em sua essência temos: Conjunto de propriedades, atividades e funções (replicação, mutação, reprodução, entre outras) que caracterizam e distinguem um organismo vivo de um morto, tempo de existência de algo ou de funcionamento de uma coisa, elemento essencial para que algo subsista e funcione.  

   Vamos aprofundar no significado da palavra EMBRIÃO; Ser vivo nas primeiras fases de desenvolvimento, antes da eclosão ou do nascimento, Ser humano nas primeiras fases de desenvolvimento, que compreendem as oito primeiras semanas de vida intra-uterina.

  A Constituição Federal em seu Art. 3º garante a todos os direitos e garantias fundamentais que podemos dizer serem aplicáveis inclusive ao embrião que está no útero da mãe, antes mesmo de sua concepção esse embrião é reconhecido como ser vivo independente de sua idade se na segunda ou oitava semana de vida intra-uterina no Art. 3º não a discriminação  de origem, raça ,cor, idade e quaisquer outros.

   O Art. 5º diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade;  Mais uma vez constituição preserva os direitos dos nascituros dando-lhes os direito a inviolabilidade do direito a vida, o artigo não fala após o nascimento, não restando duvidas que nesse momento reconhece a vida antes do nascimento.

   Quando vamos ao Art. 6º que diz: São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição, mais uma vez a constituição dá garantias ao nascituro o protegendo desde a maternidade onde ele ainda não nasceu, onde a mãe precisa de uma alimentação diferenciada e cuidados diferenciados por estar em estado de gestação que está explicito no Art. 8º e § 2o .

Art. 8o  É assegurado a todas as mulheres o acesso aos programas e às políticas de saúde da mulher e de planejamento reprodutivo e, às gestantes, nutrição adequada, atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao puerpério e atendimento pré-natal, perinatal e pós-natal integral no âmbito do Sistema Único de Saúde.  

 § 2o  Os profissionais de saúde de referência da gestante garantirão sua vinculação, no último trimestre da gestação, ao estabelecimento em que será realizado o parto, garantido o direito de opção da mulher. 

“Antes do nascimento e no momento do nascimento todas as garantias e direitos fundamentais serão dadas a mãe e ao nascituro”.

Está previsto no direito penal que o aborto está no hall de crimes contra a vida estão especificados nos artigos a seguir:

 Art. 124 Provocar aborto em si mesma, ou consentir que outrem lho provoque, com pena de detenção, de uma a três anos.

 Art. 125 Provocar aborto, sem consentimento da gestante, com pena de reclusão, de três a dez  anos.

 Art.126 Provocar aborto com o consentimento da gestante, com pena de reclusão, de um a quatro anos.

Parágrafo único. Aplica-se a pena do artigo anterior, se a gestante não é maior de quatorze anos, ou é alienada ou débil mental, ou se o consentimento é obtido mediante fraude, grave ameaça ou violência.

 Art. 127 - As penas cominadas nos dois artigos anteriores são aumentadas de um terço, se, em conseqüência do aborto ou dos meios empregados para provocá-lo, a gestante sofre lesão corporal de natureza grave; e são duplicadas, se, por qualquer dessas causas, lhe sobrevém a morte.

  O Código Penal da garantias e proteção ao embrião quanto a vida antes da concepção. Como podemos ainda assim possuir entendimento diferente quanto a Natureza Jurídica do Nascituro?  Haja vistas que em todos os amplos sentidos ele está protegido antes de sua concepção gozando de direitos e garantias legais.

   Um caso muito famoso foi o do apresentador Rafinha Bastos que perdeu na Justiça o processo movido por Wanessa Camargo, o marido dela Marcus Buaiz, e o filho, José Marcus que na época ainda não havia nascido, o processo se deu por causa de uma piada feita por Rafinha Bastos enquanto Wanessa estava grávida do primeiro filho.

  O episódio entre Rafinha e Wanessa aconteceu durante o programa “CQC”, quando o humorista fez uma piada ao vivo falando que “comeria ela e o bebê”.     O processo correu na 18ª Vara Cível da Justiça de São Paulo desde então. Em 2012, Rafinha foi condenado a pagar 30 salários mínimos, sendo dez para cada autor da ação (pai, mãe e filho). Ele recorreu da decisão, que foi negada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

  Podemos perceber que o Juiz acatou o processo em nome das três partes da Mãe, do Pai e do filho que ainda não havia nascido, e julgou condenando ao réu pagar 10 salários mínimos para cada um dos autores do processo.

Conclusão:

  Diante do exposto na Constituição, no Código Civil, no Código Penal, nas  correntes doutrinárias e nas jurisprudências conclui-se que a natureza jurídica do nascituro independe do mesmo nascer com vida para que possa  gozar de direitos e garantias fundamentais, além dos direitos civis que lhe competem. Estando a mãe resguardada pela constituição e legislação para que possa garantir ao nascituro que seus direitos sejam respeitados antes do nascimento e após o nascimento. Podendo assim a mãe impetrar ou requerer que os direitos do nascituro sejam resguardados mesmo quando ainda não nascido embasada na Constituição, no Código Civil e no Código Penal Brasileiro. Não é necessário que o nascituro tenha nascido com vida para haver os direitos e as garantias para com ele,  essas garantias e direitos estão ligados a existência antes do nascimento com vida ou com morte.

Referências:

Clóvis Bevilacqua, Almeida (1990),Constituição Federal do Brasil, Código Civil Brasileiro, Código Penal Brasileiro, Extra.Globo, Veja.Abril, Google Noticias.



Informações sobre o texto

Texto elaborado a partir de um trabalho acadêmico na Faculdade Pitágoras.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0