6. A ESTABILIDADE DA TUTELA ANTECIPADA

Em primeiro lugar, é preciso esclarecer que o recurso cabível para as decisões que concedem a tutela provisória é o agravo de instrumento, sendo sua aplicação definida em rol taxativo no artigo 1.015 do Novo Código de Processo Civil (DONIZETTI, 2016).

Em relação à Tutela Antecipada, o legislador objetivou também com a reforma, além da resolução da lide com mais celeridade, a estabilização dos seus efeitos em caráter antecedente. Com isso, o processo é extinto. A partir disto, foi dada autonomia à tutela antecipada, tal qual ocorre com a tutela cautelar em caráter antecedente, porém, o demandante sente seus efeitos de imediato, sem precisar esperar o trânsito em julgado (DONIZETTI, 2016).

Donizetti (2016, p. 495) explica que:

Concedida a tutela antecipada assim requerida – em caráter antecedente, por meio da petição incompleta –, a tutela pode tornar-se estável, dependendo da postura adotada pelo demandado, litisconsorte ou terceiro com legitimidade para impugnar a decisão.

Porém, de acordo com o art. 304 caput NCPC, a tutela antecipada só poderá se tornar estável se não ocorrer a interposição de recurso, no caso, o agravo de instrumento (BRASIL, 2015). Somente a não interposição do recurso torna o processo estável, sendo, portanto, extinto. Didier Júnior, Braga e Oliveira (2016, p. 617) pontuam que “o processo será extinto e a decisão antecipatória continuará produzindo efeitos, enquanto não for ajuizada ação autônoma para revisá-la, reforma-la ou invalidá-la”. Essa estabilização pode ser reversível se dentro de dois anos da ciência da decisão, for pleiteada a reforma da decisão (DONIZETTI, 2016).

Donizetti (2016, p. 496) ressalta a necessidade de ser um recurso, e não uma contestação, mas que, porém, caso seja uma contestação, o réu tem a oportunidade de ter suas alegações levadas em consideração na decisão da lide. Conforme o artigo 306, § 6 do NCPC, não há coisa julgada, há a estabilização irreversível dos efeitos da tutela. Porém, passados dois anos da decisão, o réu, possuindo novos fatos, poderá ajuizar uma ação contra o requerente da tutela antecipada (BRASIL, 2015). Os novos fatos não foram atacados “pelos limites objetivos da estabilização”, daí essa possibilidade.

Existem alguns pressupostos para a estabilização da tutela. Em primeiro lugar, é necessário que haja um requerimento de tutela antecipada antecedente, bem especificada pelo autor. Apenas nesse caso pode haver a estabilização. Outro pressuposto é a ausência de manifestação do autor pelo prosseguimento do processo para a tutela definitiva, essa manifestação deve constar na petição inicial. Os outros dois pressupostos são a existência de uma decisão concedendo a tutela antecipada e a inércia do réu (DIDIER JÚNIOR; BRAGA; OLIVEIRA, 2016).

Essa estabilização da tutela surgiu com o principal escopo de impedir o perigo da demora com a tutela de urgência, bem como, diante de um réu inerte com a concessão da tutela, proporcionar ao autor da tutela antecipada resultados de forma eficiente e rápida.


7.    A INTERLIGAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL CIVIL COM A SOCIEDADE E A NECESSIDADE DE APRIMORAR A TUTELA PROVISÓRIA

Um dos principais tópicos norteadores da ciência do Direito deve ser a sociedade. Nessa ótima, a resolução de problemas deve ser a maior meta. O Direito Processual Civil é, então, parte fundamental na pacificação e ordenamento social, devendo ser utilizado na solução de conflitos práticos, de modo a contribuir para que a sociedade se mantenha cada vez mais desenvolvida.

Nesse sentido, Passos (1984 apud SILVA, 2016, p. 277) afirma que:

O processo de posição do Direito, por conseguinte, é sempre dependente da realidade social que busca ordenar e a ela funcionalmente se vincula, objetivando emprestar-lhe segurança, mediante a predeterminação e institucionalização de modelos ou esquemas de solução de conflitos coercitivamente aplicáveis aos casos concretos.

Isso significa dizer que a aplicação do direito deve, então, ser a mais eficiente e mais voltada à solução de conflitos possível, com o objetivo de minimizar as injustiças sociais.

Portanto, a tutela antecipada, como forma de redução de tempo de tramitação processual, veio como forma de solucionar um dos principais problemas enfrentados na esfera jurídica.

Sobre a tutela antecipada, Silva (2016) versa que o fato do novo Código de Processo Civil ter tornado mais flexíveis os requisitos para que a se conceda é um passo adiante, uma vez que os requisitos do código de 1973 eram mais rígidos.

Contudo, ainda existem problemas a serem solucionados. De acordo com Silva (2016, p. 284-285), apesar de tudo, “o paradigma do CPC/73 continua presente”, o que significa que ainda existem dificuldades a serem solucionadas, que não foram suficientemente ajustadas no novo Código de Processo Civil.


8. CONCLUSÃO

Por meio deste artigo, é possível ter ciência da relevância do instrumento da tutela de urgência no Processo Civil brasileiro, Devemos sempre lembrar que as ações do dia a dia devem nortear os princípios que regem o Direito Processual Civil moderno. De tal maneira, o Direito Processual civil, seja no processo de criação de leis, seja na sua aplicação nos tribunais, deve sempre se espelhar na prática diária e estar mais próximo do momento histórico em que vivemos, como forma de facilitar e dinamizar a prática jurídica.


REFERÊNCIAS

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 2 mar. 2017.

______. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm>. Acesso em: 3 mar. 2015.

______. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm>. Acesso em: 2 mar. 2017.

______. Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Institui o Código de Processo Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5869.htm>. Acesso em: 2 mar. 2017.

DIDIER JÚNIOR, Fredie; BRAGA, Paula Sarno; OLIVEIRA, Rafael Curso de direito processual civil. 11. ed. Salvador. JusPodvim, 2016. v. 2.

DONIZETTI, Elpídio. Curso didático de direito processual civil. 19. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sergio Cruz. Comentários ao Código de Processo Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. v. 5. t. I.

SILVA, Jaqueline Mielke. A tutela provisória no novo Código de Processo Civil. 2. ed. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2016.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil. 57. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2016. v. 1.

ZAGURSKI, Adriana Timoteo dos Santos. Antecipação de tutela: uma análise do CPC de 1973 e do projeto do novo CPC. Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. 15, n. 104, set. 2012. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12220>. Acesso em: 10 mar. 2017.


Abstract: The goal of this article is to discuss the urgent provisional measure in the New Civil Procedure Code Bill, by making a summary of its requisites, fungibility, as well as a brief historic, with the purpose of making comparisons between the old Civil Procedure Code Bill and the new one.

Keywords: Urgent Provisional Measure. New Civil Procedure Code Bill. Historic. Requisites. Fungibility.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso