O artigo trata do contrato de namoro em que o casal mantém um relacionamento porém não há intenção de constituir família

          Este tipo de contrato vem ganhando força entre os casais nos últimos tempos. Atende a um perfil de pessoas com mais idade, que já construíram um patrimônio ao longo da vida.

          Com o objetivo claro de afastar a concretização de uma União Estável, já que esta produz consequências jurídicas, principalmente quanto às questões patrimoniais. É uma forma de proteger o patrimônio das pessoas envolvidas no relacionamento.

         Esse modelo surgiu após a Lei 9278/1996, que regula o §3º do art. 226 da Constituição Federal, eliminar o prazo mínimo como exigência para constituir uma União Estável, que é reconhecida como entidade familiar a convivência duradoura, pública e contínua de um homem e mulher. Agora, para que o contrato seja firmado, é necessário que o casal demonstre que não há intenção de constituir família.

         O documento poderá ser feito em Cartório de Títulos por Escritura Pública ou Instrumento Particular que será celebrado por agentes capazes, com objeto lícito, como observa a autonomia de vontade, vai descrever uma sequência de decisões do casal devendo estabelecer os objetivos, bem como os limites do relacionamento, como por exemplo:

·         Que os bens adquiridos na constância da união não se comunicam, ou seja, que esse bem adquirido será daquele que teve esforço para adquiri-lo;

·         Que o relacionamento regerá pelo regime de separação total de bens, ou seja, não haverá partilha se o casal terminar o namoro;

·         Não haverá direito à herança em caso de morte;

·         Poderá estipular indenização em caso de traição;

·         E ainda decidir sobre a guarda compartilhada de animal de estimação em caso de término do namoro.

   Muito embora seja reconhecido, é necessário ter cuidado para evitar que o contrato acabe perdendo a legitimidade diante de uma situação que configure união estável, por exemplo o casal resolve morar junto após a assinatura do contrato. Valerá a realidade da situação do casal sobre o que ficou estabelecido no documento.

    Se o namoro acabar, não há necessidade de anular o contrato assinado, basta que o casal respeite o que foi estipulado no momento da assinatura e cada um segue sua vida.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria