“Na guarda compartilhada, a cidade considerada base de moradia dos filhos será aquela que melhor atender aos interesses dos filhos.”

Por Ricardo Jorge Gueiros Cavalcante Júnior

Segundo o IBGE, nos últimos dez anos, o número de divórcios aumentou 160%. Com ele, aumentaram também as disputas patrimoniais e as disputas pela guarda dos filhos menores. O legislador, então, fez introduzir no ordenamento jurídico brasileiro a LEI Nº 13.058 de 2014, que introduz a guarda compartilhada.

É certo que é complexa a definição de guarda de menor impúbere, pois é fato que, para a formação da personalidade da criança, esta deve conviver com ambos os genitores de forma igualitária para que ambos participem integralmente de sua educação. Seguindo esta lógica, o legislador fez constar no ordenamento jurídico a lei 13.058 de 2014, também conhecida como lei da guarda compartilhada, a qual alterou os artigos 1.583, 1.584, 1.585 e 1.634 da lei 10.406 Código Civil Brasileiro.

Uma vez consagrado o instituto da guarda compartilhada, o legislador fez constar no parágrafo 3º do artigo 1.583 do Código Civil brasileiro os seguintes dizeres:

“Na guarda compartilhada, a cidade considerada base de moradia dos filhos será aquela que melhor atender aos interesses dos filhos.”

Isto posto, evidenciado está que a residência de um dos genitores será a moradia fixa da criança, suplantando a ideia de que a criança deve residir um período com o pai e outro período com a mãe. A lei 13.058/2014, lei da guarda compartilhada, também alterou o parágrafo 3° do artigo 1.584 do código civil brasileiro, que passou a vigorar com a seguinte redação:

“Para estabelecer as atribuições do pai e da mãe e os períodos de convivência sob guarda compartilhada, o juiz, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, poderá basear-se em orientação técnico-profissional ou de equipe interdisciplinar, que deverá visar à divisão equilibrada do tempo com o pai e com a mãe.”

Mais uma vez, o transcrito acima nos leva a concluir que o fato de existir a guarda compartilhada não quer dizer que o período de convivência da criança com o pai e a mãe será equivalente, pois o instituto da guarda compartilhada busca sempre o bem-estar do menor. Logo, se a convivência materna proporcionar maior bem-estar à criança, esta terá maior tempo com a mesma e vice-versa.

Feitas estas considerações, inequívoca está a vontade do legislador ao definir que, na guarda compartilhada, sempre irá predominar o interesse da criança, bem como que a mesma possa conviver com sua genitora e seu genitor. Contudo, conforme já foi dito, deve ter determinada sua moradia, que será na casa de um dos genitores e não de ambos, para que sirva de referência para a criança.

O consagrado lente Paulo Lôbo, em sua obra “Direito Civil: Famílias” (4ª ed., São Paulo: Saraiva, 2011, p. 200), antes mesmo da promulgação da lei 13.058 de 2014, já lecionava a respeito do instituto da guarda compartilhada, lê-se:

“(…) A guarda compartilhada assegura a preservação da coparentalidade e corresponsavilidade em relação ao filho, que tem direito de conviver e ser formado por ambos os pais com igualdade de condições.

Na guarda compartilhada é definida a residência de um dos pais, onde viverá ou permanecerá. Essa providência é importante, para garantir-lhe a referência de um lar, para suas relações de vida, ainda que tenha liberdade de frequentar a do outro; ou mesmo de viver alternadamente em uma e outra. A experiência tem demonstrado que a perda de referência da residência, para si mesmo e para os outros, compromete a estabilidade emocional do filho. O que se espera dos pais é a responsabilidade em encontrar o ponto de equilíbrio entre o direito-dever de convivência e a relação de pertencimento a um lugar, que integra a vida de toda pessoa humana; ou dom juiz, quando os pais não se entenderem.

Aguarda compartilhada tem por finalidade essencial a igualdade na decisão em relação ao filho ou corresponsabilidade, em todas as situações existenciais e patrimoniais. (…).”

Deve ser dito que, por ser extremamente ofensiva à criança, a guarda alternada é repudiada com veemência pela majoritária doutrina e pela jurisprudência dominante e não pode ser confundida com a guarda compartilhada. Mônica Guazzelli, advogada e mestre em Direito de família, em seu artigo “A Nova Lei da Guarda Compartilhada”, publicado na Revista Nacional de Direito de Família e Sucessões nº 4 – Jan/Fev de 2015 (http://www.editoramagister.com/), bem diferencia a guarda compartilhada da guarda alternada, lê-se:

“Para que seja possível tratar da matéria proposta, é preciso conceituar guarda compartilhada. Guarda significa vigilância, defesa, proteção, zelo, e o direito indica que essa função pode ser desdobrada sob o ponto de vista fático (físico) e jurídico.

Cumpre, desde logo, afastar do conceito a ideia de guarda alternada, muitas vezes ainda confundida com aquela. Na guarda alternada, os pais terão a guarda (fática e jurídica) da criança/adolescente alternadamente, isto é, o filho fica sob a custódia de um dos pais por determinado período e depois sob a custódia do outro, o que representa uma guarda exclusiva, mas alternada. Essa possibilidade é deveras criticada por não dar uma solidez maior à formação da criança, que poderia ficar confusa com essa alternância, sobretudo imaginando-se a provável alternância de rotinas e costumes de cada uma das entidades familiares.

Na compartilhada, a guarda jurídica é de ambos os genitores, podendo a guarda física ser alternada. Todavia, isso não significa que a criança terá de residir com um e com o outro genitor, podendo morar apenas com um deles, onde será sua residência habitual, mas convivendo com o outro de forma ampla e mais assídua do que o “direito de visitas” geralmente estabelece. (…)”

Já a jurisprudência comunga com o entendimento doutrinário também sustentado nestas singelas lições, como pode ser lido abaixo:

“47065469 – APELAÇÃO CÍVEL ¬ GUARDA DE FILHO MENOR ¬ ALTERNÂNCIA DO TEMPO E DO ESPAÇO FÍSICO – IMPOSSIBILIDADE ¬ RECURSO PROVIDO. 1. Aguarda compartilhada não se confunde com a alternada. Pela primeira, entende¬se o compartilhamento da responsabilidade de ambos os pais para com o filho, implicando na contribuição justa na educação, formação, saúde moral e espiritual da criança, em caso de ruptura da sociedade conjugal. 2. Com efeito, o instituto é plenamente aceito na doutrina e jurisprudência pátria e deve ser visto como um ideal a ser buscado quando do rompimento do vínculo matrimonial. 3. Já a guarda alternadacaracteriza¬se quando há tão somente revezamento no tempo e espaço físico com a criança, onde em um momento o menor está com o pai e em outro na companhia da mãe. E é justamente desta forma que se apresenta a sentença vergastada. 4. Ocorre que a alternância da guarda não vem sendo aceita pelos tribunais, sobretudo por que causa enormes prejuízos aos filhos do ponto de vista referencial e de formação, tendo em vista que suprime referências básicas sobre a moradia, hábitos alimentares e outros, comprometendo a estabilidade emocional e física. 5. Apelo conhecido e provido. (TJCE; AC 0055285¬21.2009.8.06.0001; Quinta Câmara Cível; Rel. Des. Carlos Alberto Mendes Forte; DJCE 04/06/2012; Pág. 46) (http://www.editoramagister.com/).

TJMG-223680) FAMÍLIA – APELAÇÃO – AÇÃO DE ALTERAÇÃO DE GUARDA – CERCEAMENTO DE DEFESA – INOCORRÊNCIA – GUARDA COMPARTILHADA – AUSÊNCIA DE ACORDO ENTRE OS PAIS – INVIABILIDADE – PERMANÊNCIA ALTERNADA DO MENOR COM SEUS GENITORES – GUARDA ALTERNADA – IMPOSSIBILIDADE. Não há cogitar de cerceamento de defesa quando a prova cuja produção foi requerida pela parte é irrelevante para o deslinde da quaestio, cabendo ao magistrado indeferir a realização de diligências inúteis e/ou protelatórias. Na guarda compartilhada, os pais regem, em conjunto, a vida da prole, tomando as decisões necessárias à sua educação e criação, razão pela qual não pode ser imposta judicialmente, já que seu funcionamento depende diretamente da convivência harmônica entre os genitores. A alternância da posse física do menor entre os genitores, sendo aquele submetido ora aos cuidados do pai, ora da mãe, configura guarda alternada, repudiada pela doutrina e pela jurisprudência. (Apelação Cível nº 1460806-78.2008.8.13.0525, 3ª Câmara Cível do TJMG, Rel. Dídimo Inocêncio de Paula. j. 25.02.2010, unânime, Publ. 16.03.2010).

94384829 – APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO DE FAMÍLIA. GUARDA E REGULAMENTAÇÃO DE VISITA. PEDIDO DE “GUARDA ALTERNADA”. INCOVENIÊNCIA. PRINCÍPIO DO MELHOR INTERESSE DAS CRIANÇAS. GUARDA COMPARTILHADA. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE HARMONIA E RESPEITO ENTRE OS PAIS. ALIMENTOS. FIXAÇÃO. PROPORCIONALIDADE. Capacidade do alimentante e necessidade do alimentado a guarda em que os pais alternam períodos exclusivos de poder parental sobre o filho, por tempo preestabelecido, mediante, inclusive, revezamento de lares, sem qualquer cooperação ou co-responsabilidade, consiste, em verdade, em ‘guarda alternada’, indesejável e inconveniente, à luz do princípio do melhor interesse da criança. A guarda compartilhada é a medida mais adequada para proteger os interesses da menor somente nas hipóteses em que os pais apresentam boa convivência, marcada por harmonia e respeito. Para a fixação de alimentos, o magistrado deve avaliar os requisitos estabelecidos pela Lei, considerando-se a proporcionalidade entre a necessidade do alimentando e a possibilidade de pagamento pelo requerido a fim de estabilizar as micro relações sociais. (TJMG; APCV 1.0056.09.208739-6/002; Rel. Des. Fernando Caldeira Brant; Julg. 19/12/2013; DJEMG 09/01/2014) (http://www.plenum.com.br/).”

Dando mais ênfase ao caso concreto, se vê que a formação cultural existente na sociedade brasileira não corrobora com o instituto da guarda compartilhada, uma vez que de forma equivocada, porém bem real, alguns genitores usam a criança um contra o outro, muitas vezes cometendo até crime de alienação parental, previsto na lei nº 12.318/2010. Também se vê com frequência que alguns genitores almejam a conquista da guarda compartilhada para se esquivar de pagar os alimentos, porém é claro que a guarda compartilhada não se presta para este fim. Via de regra, a justiça vem adotando como moradia do filho a residência da genitora, obrigando, deste modo, o genitor a pensionar o menor.

Outro problema bastante complexo que está presente no instituto da guarda compartilhada é quando os genitores residem em cidades e/ou estados diferentes. Nestes casos, o menor tem de estar matriculado em escola regular, portanto, jamais poderá passar igual período de tempo com ambos os genitores. Daí então, deve o juiz, caso os genitores não entrem em acordo, o que seria mais viável, definir o período de tempo que o menor passaria com cada um dos genitores e as despesas com a locomoção da criança. Neste caso específico, a guarda compartilhada prepondera apenas na teoria, pois na prática, o que se vê é a guarda unilateral.

Concluo dizendo que, no contexto social brasileiro, a guarda compartilhada jamais será exercida plenamente, sendo mera utopia. Por isso, advogo no sentido de que, nas ações de divórcio onde não haja acordo quanto à guarda dos filhos, seja definida pelo juiz a guarda unilateral da criança, sempre observando o bem-estar desta. Ao genitor não que detém a guarda, seja-lhe conferido o mais amplo direito de visita, desde que em horários convenientes, e também o direito de passar finais de semanas e datas comemorativas de forma alternada, com base em pareceres psicossociais, caso não haja acordo entre os genitores. Tudo isso pensando no bem-estar do menor, que está sendo formado quando ao seu caráter, personalidade e educação; e para harmonizar a convivência maternal e paternal da criança, trazendo para ela a ideia de ente familiar.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    Luiz Henrique

    Tenho a guarda compartilhada, mas ame do meu filho si mudo da cidade e não disse nada fiquei sabendo por segundos,
    Era pra min fica com ele em minhas folgas mas como ele está no Goiás e eu em Brasília fica complicado, o que devo fazer ?