Análise dos efeitos jurídicos da Multiparentalidade no Direito de Família no Brasil, conforme a legislação, a jurisprudência e a doutrina.

A instituição familiar, no decorrer dos anos, sofreu inúmeras transformações, não mais podendo ter seu conceito limitado ao modelo convencional, qual seja: homem e mulher unidos pelo casamento, com o dever de gerar filhos, até que a morte os separe.

Em razão dessa evolução, surgiram novos modelos de famílias, mais democráticas nas relações de gênero e idade, flexíveis e menos sujeitas às regras legais de uma sociedade mais tradicional, e mais ao desejo de buscar a felicidade, priorizando a afetividade das relações. Assim como ocorreu com o reconhecimento da união estável e da união homoafetiva, a visão sobre a família evoluiu, não sendo mais baseada apenas por liames genéticos, biológicos e decorrentes do casamento civil. Por isso, a imprescindibilidade de flexibilizar a legislação, para que seja resguardada a devida proteção e cumprimento do princípio da dignidade da pessoa humana.

Devido a essa mudança da estrutura familiar, também se fez necessário ampliar o critério de paternidade ao ser reconhecido o vínculo estabelecido a partir de relação afetiva – ao invés da puramente biológica – em que são amparadas as relações formadas pelo afeto. Desse entendimento, decorre o reconhecimento da Multiparentalidade, que trata-se da possibilidade jurídica conferida ao genitor biológico e/ou do genitor afetivo de invocarem os princípios da dignidade humana e da afetividade para ver garantida a manutenção ou o estabelecimento de vínculos parentais. Dessa forma, além de constar o nome de ambos os pais biológicos no registro de nascimento do filho, incluem-se, também, o nome do pai ou mãe socioafetivo.

Cumpre ressaltar esclarecimentos sobre parentesco e filiação, trazidos por DINIZ, 2015, p. 491[1]:

“Parentesco é a relação vinculatória existente não só por pessoas que descendem uma das outras ou de um mesmo tronco comum, mas também entre um cônjuge ou companheiro e os parentes do outro, entre adotante e adotado e entre pai institucional e filho socioafetivo. Filiação é o vínculo existente entre pais e filhos. Vem a ser a relação de parentesco consanguínea em linha reta de primeiro grau entre uma pessoa e aqueles que lhe deram a vida, podendo ainda (CC, arts 1593 a 1597 e 1618 e seguintes) ser uma relação socioafetiva entre pai adotivo ou institucional e filho adotivo ou socioafetivo ou advindo de inseminação heteróloga.”.

Logo, nota-se que a família deixou de ser uma unidade de vínculo unicamente biológico, econômico, social e religioso, passando a basear-se na afetividade.

A ultiparentalidade reconhece a existência do direito à convivência familiar que a criança e o adolescente exercem, conjuntamente, da paternidade biológica com a socioafetiva, possibilitando que uma pessoa possua mais de um pai e/ou mais de uma mãe, simultaneamente, e, consequentemente, produzindo efeitos jurídicos em relação a todos eles.

Tal assunto foi tema de Repercussão Geral 622{C}[2]{C}, da Relatoria do Ministro Luiz Fux, que envolvia a análise de uma eventual “prevalência da paternidade socioafetiva em detrimento da paternidade biológica”[3]. Ao deliberar sobre o mérito da questão, o STF optou por não afirmar qualquer prevalência entre as referidas modalidades de vínculo parental, considerando a coexistência de ambas as paternidades.

A tese aprovada por maioria do plenário do Supremo Tribunal Federal tem o seguinte teor: “A paternidade socioafetiva, declarada ou não em registro público, não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante baseado na origem biológica, com os efeitos jurídicos próprios.". 

Conforme esse entendimento, a Suprema Corte consagra, efetivamente, o reconhecimento da Multiparentalidade, gerando inúmeros efeitos no Direito de Família no Brasil, desde o registro de nascimento até os direitos sucessórios, decorrendo todos os efeitos cabíveis da filiação.

A obrigação alimentar consequente do reconhecimento da Multiparentalidade é aplicada tanto ao pai biológico quanto ao pai afetivo, sendo recíproca entre pais e filhos. Portanto, todos os pais poderão prestar alimentos ao filho, bem como este poderá prestar alimentos a todos os pais. Ou seja, os pais biológicos e afetivos seriam credores e devedores de alimentos em relação ao filho, respeitando, obrigatoriamente, o binômio possibilidade/necessidade (conforme disposto no artigo 1.694, § 1º, do Código Civil).

Concernente à guarda de filho menor, deverá ser analisado cada caso, considerando sempre o princípio do melhor interesse da criança. Quando tratar-se de criança considerada suficientemente madura, os Tribunais costumam considerar a sua preferência, em consonância com o princípio supramencionado.

Sobre os direitos sucessórios, no caso de Multiparentalidade, são garantidos tanto quando estiverem relacionados aos pais biológicos quanto aos pais afetivos. Falecendo os pais afetivos, o filho seria herdeiro em concorrência com os irmãos, ainda que estes sejam unilaterais, não havendo distinção entre irmãos bilaterais e unilaterais.

Conclui-se, por conseguinte, que, embora a Multiparentalidade resulte num bônus aos filhos contemplados pela dúplice paternidade, com "benefícios em dobro”, poderá também, futuramente, tornar-se uma obrigação dobrada, se for considerada a reciprocidade de alimentos e a capacidade sucessória. Logo, cada situação deve ser estudada criteriosamente, afinal, há inúmeras teses e entendimentos sobre o assunto.

O mais relevante é que, acerca desse tema, o STF reitera seu papel no campo do direito de família, ao não ignorar a realidade e a evolução do conceito de instituição familiar, acolhendo as diferentes formas de família já existentes na prática e que não se enquadram nos modelos conservadores que constam na nossa legislação. A tese aprovada na Repercussão Geral 622 representa, portanto, um importante passo ao encontro da consagração de um direito de família efetivamente plural e democrático no Brasil.


Notas

[1] DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro – Direito de Família – Vol5. 30ª Edição. São Paulo: Saraiva, 2015.

[2]A sessão que fixou a tese foi realizada no dia 21/09/2016, em deliberação do pleno do STF. O caso que balizou a apreciação do tema foi o RE 898060/SC, no qual o Instituto Brasileiro de Direito de Família-IBDFAM atuou como Amicus Curiae.

[3] Esse trecho constava no acórdão do plenário virtual que reconheceu a repercussão geral do tema.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria