Caro leitor (a), o direito ao recebimento de um crédito, é incontestável e jamais deve ser dificultado ou mesmo ter uma inversão de valores. Existe porém, atitudes diversas ao método de cobrança correto e o objetivo deste artigo será te alertar para não i

Comentários do autor em vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=A7Selj7xFVU

Caro leitor (a), o direito ao recebimento de um crédito, é incontestável e jamais deve ser dificultado ou mesmo ter uma inversão de valores. Existe porém, atitudes diversas ao método de cobrança correto e o objetivo deste artigo será te alertar para não incorrer nestes erros e com isso ter prejuízos ao seu próprio bolso ou a sua empresa.

Isto porque, nenhum direito pode se sobrepor ao outro, costumamos sempre dizer que seu direito termina quando o meu começa e por isso não podemos justificar um direito para cometer uma atitude indevida.

E justamente esta é a reflexão que deve ser feita em razão da reflexão sobre o tema de hoje, onde o direito a cobrança de um crédito jamais deve ser exercido de forma a submeter o devedor ao vexame ou abuso.

Em nosso ordenamento jurídico, existe o que nomeamos de abuso de direito, que é justamente quando tomamos atitudes ilegais que não justificam o exercício de uma razão.

Portanto, sua empresa ou até mesmo você, jamais deve submeter um devedor a uma atitude prejudicial, ainda que o mesmo esteja lhe devendo.

Podemos citar algumas menções como os fins não justificam os meios ou até mesmo o ditado citado acima, sobre quando começa e termina nossos direitos.

Vale ressaltar, que uma cobrança realizada de forma indevida, ainda que não te faça perder o crédito, pode gerar para o devedor outros direitos, como o de ser ressarcido em razão dos danos sofridos. Isto mesmo, você pode acabar tendo que indenizar o devedor!

A situação pode parecer um tanto quanto diferente, mas para fácil entendimento, podemos exemplificar trazendo exemplos de cobranças abusivas e vexatórias. Vamos a elas:

  • Enviar correspondência a qualquer endereço do devedor com aviso externo (dando ciência a terceiros) de que existe um débito em aberto, ou mesmo provém de uma empresa de recuperação de crédito. (a situação é agravada quando é enviado a endereço de parentes ou trabalho quando o devedor não fornece este local como contato)
  • Ligações realizadas fora do horário comercial, ou mesmo dentro do horário comercial de forma desproporcional; (aqui podemos citar aquelas ligações que ocorrem inúmeras vezes ao dia para tratar do mesmo assunto A DÍVIDA, mesmo quando o devedor informa que não poderá quitar no momento ou mesmo está tentando obter os valores do crédito)
  • Recados deixados no trabalho ou com parentes; (aqui merece o destaque que caso o devedor jamais tenha deixado como meio de contato sua empresa ou o telefone de algum parente, as ligações para estes lugares jamais deveriam acontecer, porém caso ocorram, jamais deve-se dar o recado a terceiros de que o assunto da ligação trata de cobrança de dívida, e caso a ligação seja realizada por empresa recuperadora de crédito, recomenda-se inclusive que não seja deixado recado em nome da empresa, uma vez que terceiros poderão facilmente identificar a natureza da ligação);
  • Utilizar de coação para obtenção do crédito (aqui podem surgir inúmeros exemplos que podem configurar coação para obtenção de crédito, como ameaças e em certos casos dependendo da prestação de serviços e do contrato pactuado, simplesmente interromper o mesmo);

Neste ponto, você deve estar se perguntando. Mas então como cobrar e obter o meu crédito?

Nosso ordenamento jurídico justamente impede as práticas narradas acima, pois a própria lei fornece meios corretos para que o detentor do crédito exerça seu direito de cobrança, como se valer de notificação judicial, extrajudicial e até mesmo ingressar com ação judicial de cobrança.

Assim sendo, espero atingir o objetivo do artigo buscando alertar para que você não acabe, ainda que com o direito incontestável de cobrança, incorrendo em erro e tendo prejuízos em relação a uma cobrança feita de forma indevida.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso