A demasiada simplificação do Direito vem prejudicando os discentes, devemos amar o Direito como ele é.

    O Direito como ele é


    O mundo jurídico tem sido cada vez mais voraz e cruel com os entrantes no mercado de trabalho, e seria isso de fato algo ruim? Em um país em que atuam mais de 1 milhão de advogados, só sobreviverá à selva quem melhor se adaptar ao cenário, como revelou Charles Darwin. Em meio à luta diária dos graduados e jovens advogados, estão os acadêmicos de direito que habitam em um universo alheio e paralelo à ‘realidade’, esses cercados de resumos, sínteses, esquematizados, compilados e a ‘praga do século’: a internet. Objetos que em tese deveriam ajudar os alunos, deslindam demasiadamente o direito de modo à deturpá-lo. Lênio Streck em artigo publicado, brilhantemente assevera que “o grosso da coisa (sala de aula) é mesmo internet e quejandos epistêmicos. Além, é claro, “daqueles livros”.”. Essa simplificação desmedida leva os acadêmicos a crerem que o dia-a-dia jurídico seja copiosamente ‘fácil’ da mesma forma que atingem a média com os macetes e dicas na academia. A facilidade tem gerado um certo incômodo, digno de preocupação, pois dela decorre a mediocridade, algo que parece estarmos adotando como normal em meio às Faculdades de Direito.

“Olha! um 7, acho que dá para passar nessa disciplina.” Eis a frase que mais ouço pelos corredores das Faculdades de Direito. Atingir a média na cadeira de Introdução à Ciência do Direito possivelmente seja o máximo para aquele acadêmico que contenta-se em ler apenas o resumo da Teoria Pura de Direito ou a resenha do resumo da consagrada obra de Hans Kelsen. Cabe relembrar o saudoso professor Clóvis de Barros Filho onde em sala de aula argumenta com seus alunos que “se você não fizer a experiência da leitura de um texto difícil, agora, acredite, você terá perdido, a chance, a chance… e você dirá: “Mas eu não me interesso por questões filosóficas.” Não! É só uma questão de brio!”. O conhecimento não deve ser nivelado por baixo, não pode! Outrossim o ensino jurídico esteja débil no contexto brasileiro, muito pelo fato de que uma gama considerável de ensinadores do direito aos poucos embasam-se no “grosso da coisa” para lecionarem, utilizam-se de metáforas, analogias e alegorias para transmitirem algo simples como explicar as características da Constituição Federal de 1988, promulgada, escrita, dogmática, rígida e analítica: PEDRA! Genial, no entanto cabe a reflexão, os professores precisam se valer desse método ou os discentes que necessitam dele, de todo modo é outro macete para facilitar a memorizar mais um conteúdo sem o compreender de fato (ok, dá pra passar) com isso é preciso sorte para que o oponente jogue tesoura invés de papel.

Verdade seja dita, estudantes de direito, em geral, encantam-se com o incrível poder de persuasão de Harvey Specter, personagem da série Suits, bem como a magnífica oratória de Annalise Keating em How To Get Away With Murder, e logo se imaginam como renomados juristas, expoentes do mundo jurídico com publicações de artigos, livros, etc.. No entanto, olvidam-se do caminho percorrido para que o sucesso chegue (isso se  ele chegar), evidente é o empenho necessário que devemos empregar para fugir da mediocridade que assola os discentes, quem dirá o que será preciso para chegar ao topo. O direito não é algo fácil, nem deve ser, não há como tentar simplificar o complexo. Cabe a nós, acadêmicos de direito, termos gosto pelo difícil, pela leitura, ou seja, pelo Direito. Escolhemos essa bela profissão, não fomos obrigados, cabe a nós  ama-lá, nos encantemos pelo Direito como ele é, Nietzsche chamaria isso de amor-fati “Minha fórmula para a grandeza no homem é amor fati: nada querer diferente, seja para trás, seja para frente, seja em toda a eternidade. Não apenas suportar o necessário, menos ainda ocultá-lo (...) mas amá-lo.” Logo,  que adoremos a dificuldade imposta a nós no mundo jurídico, que encaremos a voracidade com alegria, que leiamos Kelsen ou Kant com satisfação, não podemos nos conformar com a visível simplificação do Direito, pois diferentemente de Chorão nosso escritório não será na praia.



Informações sobre o texto

A justificativa do artigo de opinião decorre da percepção de mediocridade que vem sendo instalada entre os acadêmicos de direito, por isso cabe a reflexão sobre essa deturpação do ensino.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria