O texto aborda a dificuldade dos seres humanos em conviver com pessoas que possuem opiniões diferentes sobre temas que envolvem questões morais.

 

Pensar também nas relações entre os indivíduos no sistema atual; é pensar em uma sociedade que enaltece a competitividade, as relações baseadas na rivalidade, no qual predomina o ‘forte’ que elimina a concorrência e a individualidade, deixando de lado valores atribuídos à cooperação entre os sujeitos – PEDRO GOERGEN.

Os seres humanos costumam, muitas vezes, terem opiniões diferentes sobre o mesmo assunto. Essas opiniões podem ser pautadas por experiências próprias, ou marcadas pelo meio em que vivem e a partir de suas influências.

O assunto abordado nesse texto não será o porquê as pessoas possuem opiniões diferentes, mas sim como as pessoas lidam com aqueles que possuem uma opinião diversa da sua.

O modo de lidar com o indivíduo possuidor de opinião diferente não segue um padrão, porém, uma característica pode ser identificada. No momento em que as opiniões diversas são a respeito de um assunto considerado “bobo” ou sem muita importância (se o técnico de um time é bom ou não, se o melhor sabor de pizza é o de calabresa ou bacon), as pessoas costumam ter muito mais tolerância com a opinião contrária a delas, não dando muito importância para o assunto.

No entanto, quando as diferentes opiniões possuem como assunto abordado temas que envolvem valores morais (como aborto, orientação sexual, pena de morte) essa tolerância não é a mesma.

Isso ocorre pelo fato de as pessoas que preferem pizza de calabresa não sentirem nenhum desconforto em fazer amizade com aquelas pessoas que preferem a pizza de bacon, essa diferença não influencia no modo de ver o outro. Não existe um extremista a favor da pizza de calabresa e anti-bacon. Já quando uma pessoa a favor do aborto encontra uma que possui opinião contrária, sendo, portanto, contra o aborto, ocorre um embate que, na maioria das vezes, se torna irremediável. Impossibilitando assim, o convívio entre as duas.

As pessoas acabam por evitar a convivência com quem possui opiniões diferentes a respeito de temas sérios. Acham perfeitamente aceitável ser amigo, ou até companheiro de quem possui uma opinião diversa com respeito à comida, porém conviver com uma pessoa que defende de maneira ferrenha a pena de morte, ou que é totalmente contrária, não é algo de fácil aceitação.

Valores morais acabam influenciando o modo de viver dos indivíduos. A partir do pensamento moral as pessoas escolhem seus grupos de amigos, seus companheiros em potencial, até mesmo local onde pretendem viver e construir suas vidas.
O cuidado que deve sempre ser tomado é com relação aos posicionamentos extremistas. Os valores morais muitas vezes são vistos como imutáveis, passando a ideia de que uma vez a favor ou contra algo, então sempre a favor ou contra algo. Enquanto os valores morais forem vistos como inalteráveis os seres humanos vão continuar evitando o diálogo, acreditando não adiantar nada discutir um assunto polêmico com alguém de opinião contrária por crer que o outro nunca irá mudar seu entendimento.

A questão não está em mudar a opinião do outro, mas sim respeitar. Aceitar que as pessoas pensam de forma diferente sobre o mesmo assunto é o primeiro passo para o entendimento. Enquanto isso não ocorrer, continuará esse pensamento de que é melhor evitar a convivência do que buscar o entendimento.

Os dilemas morais transcendem a todo instante a vida das pessoas, apresentando-se de diversas maneiras, esperando uma solução urgente muitas vezes. Entretanto, quando começamos a refletir sobre eles, e não apenas buscamos sanar tal flagelo, passamos a habilitar a esfera moral ou ética das discussões.

visibilidade das diferentes opiniões sempre foi vista como motivo de desavenças, porém, na atualidade, essa visibilidade é essencial para que as diferenças de opiniões sejam conhecidas e assim, respeitadas.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0