CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os ativistas do movimento de acesso à justiça que, apesar de não estarem ligados por nenhuma organização ou entidade comum, estão uniformizados, na busca de construir um sistema jurídico e procedimental mais humano, permanecem estudando, pesquisando e promovendo novos meios de acessibilidade da justiça,

As conquistas contabilizadas pelo movimento de acesso à justiça, na construção de uma ordem social justa e cidadã, não podem ser, de forma alguma, menosprezadas. Entretanto, face à dinâmica do processo social, novos direitos surgem a todo instante, além do que muitos daqueles proclamados pela modernidade ainda estão sem efetivação.

Somente a normatização de procedimentos, a criação de espaços ‘alternativos’ para a resolução de conflitos, o incremento de escritórios de assessoria jurídica popular, entre tantas outras conquistas, não superam, apesar de minorá-las, as abissais limitações econômicas, culturais e psicológicas a que está subjugada a grande maioria da população.

A peleja pelo efetivo acesso aos direitos Humanos ultrapassa, e muito, o âmbito do jurídico. Somente uma atuação conjunta e progressiva, pautada pela pluralidade e pela lógica, poderá enfrentar, e quem sabe vencer, os desafios cada vez maiores e mais difíceis que se colocam ao exercício da cidadania na ‘pós-modernidade’.


REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Luiz Alberto David. COSTA FILHO, Waldir Macieira da.O Estatuto da Pessoa Com Deficiência - Epcd (Lei 13.146, De 06.07.2015): Algumas Novidades. Disponível em: http://www.mp.pa.gov.br/upload/noticia/O%20ESTATUTO%20DA%20PESSOA%20COM%20DEFICIENCIA%20-%20EPCD.pdf. Acesso em 25 de agosto de 2017.

ARAÚJO, Thicianna da Costa Porto. Acesso à Justiça e Efetividade do Processo. Disponível em: http://revistatema.facisa.edu.br/index.php/revistatema/article/view/17. Acesso em: 26 de abril de 2017.

BEDIN, Gabriel de Lima. SPENGLER, Fabiana Marion. O Direito de Acesso à Justiça e as Constituições Brasileiras: Aspectos Históricos. Disponível em: http://revistaeletronicardfd.unibrasil.com.br/index.php/rdfd/article/viewFile/512/373. Acesso em: 28 de abril de 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em 20 de maio de 2018.

CAPELLETTI, Mauro. GARTH, Bryant. Acesso à Justiça.1ª edição, Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1998.

CAVALCANTE, Tatiana Maria Náufel. Cidadania e Acesso à Justiça. Disponível em:

http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/32195-38277-1-PB.pdf. Acesso em: 28 de abril de 2018.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Direito, Justiça, Sociedade. Disponível em: http://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista18/revista18_58.pdf. Acesso em: 26 de abril de 2017.

FALCÃO, Hellen. Saiba Mais - Processo Judicial Eletrônico. Vídeo disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=jSeEIkO4Htw. Acesso em 19 de maio de 2018.

NERY JÚNIOR, Nelson. Princípios do Processo Civil na Constituição Federal. 5ª ed., São Paulo, Revista dos Tribunais, 1999.

OLIVEIRA, Nirlene da Consolação. Linguagem jurídica e acesso à justiça. Disponível em: http://revistapensar.com.br/direito/pasta_upload/artigos/a121.pdf. Acesso em: 01 de maio de 2018.

SADEK, Maria Teresa Aina. Acesso à justiça: porta de entrada para a inclusão social. Disponível em: http://books.scielo.org/id/ff2x7/pdf/livianu-9788579820137-15.pdf. Acesso em: 26 de abril de 2018.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil: Teoria Geral do Direito Processual Civil e Processo de Conhecimento. Volume I, 55.ªed.  Rio de Janeiro: Forense, 2014.

VECCHIO, Giorgio del. Igualdade e Desigualdade Perante a Justiça. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/66495/69105. Acesso em: 26 de abril de 2018.

WATANABE, Kazuo. Acesso à Justiça e sociedade Moderna, in Participação e processo, São Paulo, Ed. RT, 1988.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso