Para que um divórcio celebrado no exterior produza seus efeitos jurídicos no Brasil, deve, obrigatoriamente, informar às autoridades brasileiras, a fim de regularizar seu estado civil perante os órgãos e evitar problemas futuros.

O art. 15 da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro), estabelecem os requisitos formais que deverão ser observados para que a sentenças estrangeiras possam ser homologadas no Brasil.

Art. 15. Será executada no Brasil a sentença proferida no estrangeiro, que reúna os seguintes requisitos:

a) haver sido proferida por juiz competente;

b) terem sido as partes citadas ou haver-se legalmente verificado à revelia;

c) ter passado em julgado e estar revestida das formalidades necessárias para a execução no lugar em que foi proferida;

d) estar traduzida por intérprete autorizado;

Assim, para proceder à homologação da sentença, a parte interessada deve:

1. Constituir advogado no Brasil e providenciar a seguinte documentação:

a) Procuração reconhecida pela autoridade consular, para a constituição de advogado;

b) Original ou cópia autenticada da sentença estrangeira de divórcio com a data do seu trânsito em julgado;

c) Atestado de alteração de nome, se houver, quando essa informação não vier expressa na sentença;

d) Certidão de trânsito em julgado, mas pode vir expressa, o que é comum, dentro da própria sentença de divórcio;

e) Certidão de casamento;

f) carta de anuência assinada pelo ex-cônjuge. esta deve ser de preferência em idioma português

2.Apostilar todos os documentos justo a autoridades apostilante no país emissor do documento. O apostilamento nada mais que um reconhecimento de autenticidade realizado por autoridades competentes do país onde o documento foi emitido. O apostilamento é necessário para que o documento seja considerado válido em outros países. as regras do apostilamento foram definidas pela "Convenção da Apostila" da Haia. Em 14/08/2016 o Brasil tornou-se parte da "Convenção da Apostila".

3.Providenciar a tradução juramentada desses documentos no Brasil, através de Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais , vide http://atprio.com.br/.

Com toda a documentação em mãos, há duas vias a serem escolhidas: homologação perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou por homologação direta em Cartório de Registro Civil brasileiro.

Para realizar diretamente no Cartório é necessário que o divórcio seja consensual puro,ou seja, consiste exclusivamente na dissolução do matrimônio. Caso tenha disposição sobre guarda de filhos, alimentos, partilha de bens e/ou seja litigiosos, o chamado divórcio qualificado, a homologação será pelo STJ.

Nesse caso a homologação será proposta contra o ex-cônjuge e este será citado pelo STJ para responder à ação. Caso o ex-cônjuge esteja em local desconhecido, essa informação deverá ser comprovada para que se proceda a citação por edital pela justiça brasileira.

Após a homologação pelo STJ, a decisão deverá ser registrada em Cartório de Registro Civil que emitirá uma certidão de divórcio brasileira.

Em outro giro, caso o casamento não foi registrado no consulado, pode simultaneamente requerer o registro da certidão de casamento quanto a averbação de divórcio.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria