TEXTO SOBRE A INTERFERÊNCIA DOS COSTUMES NO ORDENAMENTO JURÍDICO.

                  

                  Em um primeiro momento vamos conceituar o que vem a ser os “costumes” e contextualizar sob o enfoque de uma fonte informal do Direito, para que possamos valorar a importância deste elemento como indicativo de controle na sociedade. “Costumes”, são normas de comportamento que as pessoas obedecem de maneira uniforme e constante, com a convicção de sua obrigatoriedade jurídica. Desta forma, os costumes não podem criar normas incriminadoras nem penas, podendo, entretanto a depender do contexto, beneficiar o agente.

                   As normas de uma sociedade são criadas observando-se os costumes, de maneira que possam orientar um convívio harmônico e saudável, observando-se as condutas e incriminando aquelas que em um primeiro momento são consideradas imoral segundo os costumes e evoluindo para o ilegal, após sua tipificação legal. A “conduta” se traduz como o comportamento humano voluntário, dirigido a uma finalidade.

                   No enfoque histórico da análise dos costumes de uma sociedade, podemos observar que com o passar dos tempos, algumas condutas, que em determinado momento eram abominadas com base nos costumes e em uma serie de valores para a época inaceitáveis, começam a integrar os costumes deixando até mesmo de haver reprovação social existente anteriormente. Esta pseudo evolução nem sempre é benéfica do ponto de vista sociocultural. O processo repetitivo de determinada prática acaba tornando-se um costume e isso torna-se um tanto quanto perigoso, quando uma sociedade não consegue conter práticas contrárias ao ordenamento jurídico.

          

No Brasil, temos o chamado “jeitinho brasileiro”, que se origina em uma convicção de que o brasileiro sempre encontra uma forma de resolver a situação. O problema é quando essa forma é contrária ao regramento, aos bons costumes, à ética e a moral, nesta conjuntura uma determinada ratificação de uma conduta poderá passar do inaceitável, para algo totalmente banal. A banalização de valores sociais primários é o que leva a aceitação destas atitudes contrarias aos bons costumes. Daí surge no cenário atual, a necessidade de haver uma restruturação organizacional voltada a priorizar e acima de tudo valorizar condutas que com o passar dos tempos estão sendo esquecidas, com a finalidade de preservar costumes que efetivamente contribuem para a evolução de uma sociedade.

Neste sentido, se a análise for feita de maneira mais aprofundada, teríamos os valores como a base dos costumes sociais, que por uma evolução desencadearia a criação de normas destinadas a disciplinar o convívio harmônico de uma sociedade. Seria uma espécie de regramento em stricto sensu. A exemplo de condutas que deixaram de ser consideradas ilegais, podemos citar o Adultério; nosso Código Penal de 1940, tipificava esta conduta, que para a época era reprovável e que deixou de ser considerada crime nos dias atuais. A ratificação de determinada conduta, de maneira uniforme e constante consiste nos costumes de determinado grupo ou sociedade, podemos concluir que mesmo condutas que em um primeiro momento são inaceitáveis, a depender de sua constância, esta poderá se tornar algo aceitável em uma sociedade.  

Enaltecer os valores fundamentais inerentes à formação de um ser humano que viva conforme o regramento de sua sociedade, sem infringir nenhuma norma, consiste em uma meio eficaz de controle social. Por sua vez, o respeito à instituição familiar, à ética, à moral, são pilares que reiteradamente evoluem para a criação de costumes, que gerarão condutas voltadas à obedecerem o ordenamento jurídico como um todo.

(PIRES, Heib. Acadêmico 9º período de Direito)


Autor


Informações sobre o texto

O texto é uma breve análise da importância e da influência dos costumes no Direito.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0