Este artigo busca traçar um panorama geral do que vêm a ser esses dois princípios quando aplicados ao processo penal, buscando de maneira sucinta abordar suas principais características.

Esses dois institutos do processo penal geralmente caminham de maneira bastante próxima, não à toa que o art. 5º, LV, da Constituição Federal preceitua que “aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes”, e coloca os dois princípios tal próximos. Essa aproximação pode até mesmo ser confundida com similaridade, principalmente no processo civil, contudo os desdobramentos de cada direito têm consequências particulares.

            O contraditório se constitui contemporaneamente com o fito de garantir a igualdade processual ou par conditio. Isso significa que a todas a partes é garantido o acesso às provas produzidas pela parte contrária a fim de se manifestar de maneira contrária. Essa nova visão da doutrina foi trazida por Elio Fazzalari e inclui o par conditio ao conceito já consolidado de que as partes devem contribuir para o livre convencimento do juiz. Para que o contraditório seja efetivo, as partes devem ser comunicadas dos atos processuais (o que pode se dar por citação, intimação e notificação), e assim decidirem a melhor maneira de se manifestar. Conforme fala Renato Brasileiro de Lima, “Seriam dois, portanto, os elementos do contraditório: a) direito à informação; b) direito de participação. O contraditório seria, assim, a necessária informação às partes e a possível reação a atos desfavoráveis[1].”  Dada a importância desse direito, o STF editou a Súmula 707, a qual dispõe: “Constitui nulidade a falta de intimação do denunciado para oferecer contrarrazões ao recurso interposto da rejeição da denúncia, não a suprindo a nomeação de defensor dativo.” O contraditório se faz tão importante para o bom andamento do processo penal que o art. 155 do Código Penal veda a fundamentação de sentença do magistrado pautada unicamente em elementos colhidos durante a investigação, ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas. Isso ocorre porque o ordenamento jurídico não garante o contraditório durante o inquérito policial por não se tratar de uma das fases do processo, mas somente de um ato pré-processual administrativo.

            Nota-se que o contraditório é de suma importância para a garantia da ampla defesa, porém não é sua única forma de manifestação. O contraditório é direito concedido a ambas as partes do processo: acusador e acusado. O mesmo não ocorre com a ampla defesa, que é direito apenas do acusado. Logo podemos ter contraditório sem ampla defesa e ampla defesa sem contraditório. Essa distinção implica que “é possível violar-se o contraditório, sem que se lesione o direito de defesa. Não se pode esquecer que o princípio do contraditório não diz respeito apenas à defesa ou aos direitos do réu. O princípio deve aplicar-se em relação a ambas as partes, além de também ser observado pelo próprio juiz. Deixar de comunicar um determinado ato processual ao acusador, ou impedir-lhe a reação à determinada prova ou alegação da defesa, embora não represente violação do direito de defesa, certamente violará o princípio do contraditório. O contraditório manifesta-se em relação a ambas as partes, já a defesa diz respeito apenas ao réu”.[2]

Não custa notar que o princípio da ampla defesa se revela sob duas formas. Uma se refere especificamente ao interesse do réu em defender-se das acusações às quais é submetido, quando o princípio assume a feição de um direito; e a outra, que se relaciona diretamente com o princípio da publicidade, possuindo caráter fiscalizador da existência do devido processo legal, e que por isso pode ser entendido como uma garantia.

            O princípio da ampla defesa, pelo fato de configurar-se ferramenta de manutenção da máxima do Estado de Direito de que a liberdade é a regra e a prisão é exceção, permite ao réu a relativização do direito à igualdade por meio de alguns privilégios processuais quando comparados com as prerrogativas acusatórias, entre os quais se destaca a manutenção da inocência em caso de dúvida (in dubio pro reo).

  Pode-se então perceber que ao acusado deve ser concedida as mais amplas possibilidades processuais quando houver a possibilidade de violação grave ao direito constitucional da livre locomoção, daí que se pode esperar que o Estado Juiz garanta ao réu o maior número de recursos para provar sua inocência. Não à toa, conforme entendimento de parte da doutrina, tal amplitude de prerrogativas ao acusado pode garantir, por exemplo, o uso de provas ilícitas, excepcionalmente, se assim for necessário para que se prove a sua inocência. Além disso, são assegurados ao réu privilégios que não são partilhados com a acusação, a saber: proibição da reformatio in pejus, o in dubio pro reo.

O princípio da ampla defesa possui como um de seus corolários a existência de defesa técnica. Tal significa dizer que, ao acusado em processo penal é assegurado o direito e ter sua defesa realizada por advogado devidamente constituído junto à Ordem dos Advogados do Brasil ou por Defensor Público devidamente aprovado em concurso público. Tal prerrogativa é absolutamente exigível, conforme maioria da doutrina3, sob pena de contaminar o procedimento penal com nulidade. No entanto, não se espera que a exigência da defesa técnica seja satisfeita somente pela mera presença de advogado do réu nos atos de instrução processual. A defesa técnica para que seja assim considerada deve portar algumas características fundamentais. Segundo Renato Brasileiro de Lima4, a defesa técnica deve ser plena e efetiva, pois do que adianta, prossegue o autor, a presença física do defensor, se não contesta, não arrola testemunhas ou não elabora quesitos? Ao atuar assim, pode-se considerar que há advogado, mas que não alcança o que se pode considerar defesa técnica, e isso pode configurar, conforme entendimento do Supremo tribunal Federal, nulidade absoluta, conforme se comprove que tal passividade demonstrada pelo patrono ao exercer a defesa técnica possa ter prejudicado o réu.


[1] LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de Direito Processual Penal. Salvador-Bahia: JusPODIVM, 2017, p.25.

[2] BADARÓ, Gustavo Henrique. Correlação entre acusação e sentença. 2ª ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009, p. 37.

3 LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de Direito Processual Penal. Salvador-Bahia: JusPODIVM, 2017, p. 56.

4 Idem, p 58.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0