Tirar os radares de nossas rodovias aumentaria a irresponsabilidade de nossos motoristas, pois a ocasião fará com que cresça consideravelmente o número de acidentes.

Uma decisão da juíza Daiana Wanderley, da 5ª Vara Federal em Brasília, determinou, em decisão liminar, que não haveria a retirada de nenhum radar das rodovias federais. Por outro lado, o presidente Jair Bolsonaro já havia anunciado que cancelaria a instalação de 8 mil radares em rodovias federais. Nesse momento, convido o leitor à seguinte reflexão: quem está certo, o presidente, que é contra os radares, ou a juíza, que tomou uma decisão alegando falta de estudo técnico para tal?

Vamos tentar entender os dois pontos de vista. Por um lado, temos o que acredito ser o pensamento da maioria da população: a sensação de raiva ou mesmo de armadilha que o radar impõe a todos os usuários de nossas vias urbanas e rodovias. Isso acontece por diversos motivos, dos quais posso destacar um: no Brasil, vários órgãos responsáveis por esses radares não o trataram como um instrumento educativo e muito menos como instrumento de controle de tráfego, que é o verdadeiro motivo de ser desses dispositivos. Aqui, o radar é tratado como um instrumento arrecadador. Por outro lado, temos a necessidade de fiscalização de nossas estradas, educação de nossos motoristas e manutenção da segurança de nossas rodovias.

Vamos entender. O radar não “nasceu” para simplesmente arrecadar. Basta olharmos quantos acidentes acontecem todos os anos por imprudências de motoristas. Se temos isso, mesmo com todo o controle eletrônico disponível, já pensou se não tivéssemos isso? Se procurarmos a secretaria de Trânsito de qualquer cidade, verificaremos sempre que um determinado trecho que recebeu a instalação de um dispositivo como o radar teve uma queda drástica no número de acidentes. Portanto, temos a primeira resposta do porquê o radar é importante.

Vou mais além. O limite de velocidade de uma rodovia não é escolhido por acaso. É feito um estudo e estipulada uma velocidade na qual se possa garantir a segurança de todos. Mais um motivo para a fiscalização: quem ultrapassa o limite de velocidade, não somente coloca-se em risco, como ameaça os demais usuários da via. Outro, que possivelmente a maioria desconheça, é o uso do radar como instrumento de controle de tráfego. Se na sua cidade há uma via longa, por exemplo, com vários semáforos sincronizados, e o limite de velocidade é de 60 km/h, se vários carros passarem a 70 km/h, haverá uma retenção maior do que o esperado em alguns dos semáforos. Por último, podemos destacar que, com o radar e por meio de liminares judiciais, é possível rastrear um carro roubado - por exemplo, saber onde ele está naquele momento, uma vez que todos os dispositivos possuem leitor de placa.

Resumindo, todos que tiveram um auto de infração lavrado devido a uma imagem gerada por um dos radares, sem dúvidas, ficaram chateados (ou até indignados) com a situação. Porém, se isso aconteceu é porque você não respeitou os limites daquela via e colocou sua vida e a de terceiros em risco. Portanto, tirar os radares de nossas rodovias aumentaria a irresponsabilidade de nossos motoristas, pois a ocasião fará com que muitos desrespeitem as normas vigentes e, com isso, aumentaria consideravelmente o número de acidentes. Queira ou não queira - e por conta de cada um de nós -, o instrumento em questão nos traz segurança, fiscalização e educação. Se você foi flagrado por um radar e doeu no seu bolso, possivelmente não voltou a cometer o mesmo erro - pelo menos é o que se espera.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso