Para alguns, os veículos novos não podem transitar sem placas nos finais de semana e feriados, visto que nesses dias não há expediente administrativo nos órgãos de trânsito.

Na vigência do revogado Código Nacional de Trânsito - CNT, o trânsito de veículos novos, antes do registro e licenciamento, portanto, sem placas de identificação, era disciplinado pela Res-CONTRAN n. 612/83, a qual estabelecia o seguinte:

"Art. 4° - Antes do registro e licenciamento, o veículo novo que portar a Nota Fiscal de compra e venda ou a transferência, conforme exigir a legislação aplicável, poderá transitar sem ‘Autorização Especial’:

I - do pátio da fábrica, da Indústria encarroçadora ou concessionário, ao órgão de trânsito, durante as horas de expediente da repartição nos dois dias úteis seguintes à expedição da Nota Fiscal;

II – do pátio da fábrica, da Indústria encarroçadora ou concessionário, ao local onde vai ser embarcado como carga, por qualquer meio de transporte;

III – do local de descarga, às concessionárias ou indústria encarroçadora;

IV – de um estabelecimento a outro estabelecimento da mesma montadora, encarroçadora ou concessionária, ou pessoa jurídica interligada."

Veja-se que a referida Resolução estabelecia, de forma inequívoca (no inciso I do art. 4°), que o trânsito do veículo era permitido apenas durante as horas de expediente da repartição nos dias úteis seguintes à expedição da Nota Fiscal. Nos demais casos, não havia prazo estabelecido.

No entanto, em janeiro de 1998, a Res-CONTRAN n. 612/83 foi revogada pela Resolução n. 4/98, a qual diz basicamente a mesma coisa, nos seguintes termos:

"Considerando que o veículo novo terá que ser registrado e licenciado no Município de domicílio ou residência do adquirente;

Considerando que o concessionário ou revendedor autorizado pela indústria fabricante do veículo, poderá ser o primeiro adquirente;

Considerando a conveniência de ordem econômica para o adquirente nos deslocamentos do veículo;

RESOLVE:

Art. 1º. Permitir o transporte de cargas e pessoas em veículos novos, antes do registro e licenciamento, adquiridos por pessoas físicas e jurídicas, por entidades públicas e privadas e os destinados aos concessionários para comercialização, desde que portem a ‘Autorização Especial’ segundo o modelo constante do anexo I.

§ 1º. A permissão estende-se aos veículos inacabados (chassis), do pátio do fabricante ou do concessionário até o local da indústria encarroçadora.

§ 2º. A ‘AutorizaçãoEespecial’ válida apenas para o deslocamento para o município de destino, será expedida para o veículo que portar os equipamentos obrigatórios previstos pelo CONTRAN (adequado ao tipo de veículo), com base na Nota Fiscal de Compra e Venda; com validade de (15) quinze dias transcorridos da data da emissão, prorrogável por igual período por motivo de força maior.

§ 3º. A Autorização Especial será impressa em (3) três vias, das quais, a primeira e a segunda serão coladas respectivamente, no vidro dianteiro (pára-brisa), e no vidro traseiro, e a terceira arquivada na repartição de trânsito expedidora.

Art. 2º. Os veículos adquiridos por autônomos e por empresas que prestam transportes de cargas e de passageiros, poderão efetuar serviços remunerados para os quais estão autorizados, atendida a legislação específica, as exigências dos poderes concedentes e das autoridades com jurisdição sobre as vias públicas.

Art. 3º. Os veículos consignados aos concessionários, para comercialização, e os veículos adquiridos por pessoas físicas, entidades privadas e públicas, a serem licenciados nas categorias "PARTICULAR e OFICIAL", somente poderão transportar suas cargas e pessoas que tenham vínculo empregatício com os mesmos.

Art. 4º. Antes do registro e licenciamento, o veículo novo, nacional ou importado que portar a Nota Fiscal de compra e venda ou documento alfandegário poderá transitar:

I - do pátio da Fábrica; da Industria Encarroçadora ou concessionária; do posto Alfandegário; ao Órgão de Trânsito do Município de destino, nos dois úteis seguintes a expedição da Nota Fiscal ou documento Alfandegário correspondente;

II - do pátio da fábrica, da industria encarroçadora ou concessionária, ao local onde vai ser embarcado como carga, por qualquer meio de transporte;

III - do local de descarga às concessionárias ou industrias encarroçadora;

IV - de um a outro estabelecimento da mesma montadora, encarroçadora ou concessionária ou pessoa jurídica interligada.

Art. 5º. Pela inobservância desta Resolução, fica o condutor sujeito à penalidade constante do Artigo 230, inciso V, do Código de Trânsito Brasileiro.

Art. 6º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogada a Resolução nº 612/83."

Em fevereiro de 1998, o CONTRAN baixou a Resolução n. 20/98, a fim de disciplinar o uso de capacete de segurança por condutores e passageiros de motocicletas, motonetas e ciclomotores, e, absurdamente, não se sabe o porquê, resolveu alterar, por meio do art. 3°, da referida Resolução (que, aliás, nada tem a ver com o assunto em questão), o prazo constante do inciso I, do art. 4°, acima transcrito, de dois dias úteis para cinco dias consecutivos.

Com isso, mencionado dispositivo passou a ter a seguintes redação:

"I - do pátio da fábrica: da Indústria encarroçadora ou concessionária; do posto Alfandegário; ao órgão de trânsito do município de destino, nos cinco dias consecutivos a expedição da Nota Fiscal ou documento Alfandegário correspondente;"

Diante dessa alteração, pode-se concluir que o CONTRAN acabou autorizando, ao contrário do que fez no passado, o trânsito de veículos novos, sem as placas de identificação, inclusive nos finais de semana e feriados.

Curiosamente, a exemplo do que ocorreu na vigência do CNT, para os casos dos incisos II a IV (do art 4° supra) não há prazo algum, o que quer dizer que, nestes casos, o veículo pode transitar, sem placas, por tempo indeterminado, o que, data venia, é um absurdo.

Como não poderia deixar de ser, em relação ao inciso I, surgiram posicionamentos divergentes entre autoridades e agentes de trânsito, ou seja, para alguns os veículos novos não podem transitar sem as respectivas placas nos finais de semana e feriados, visto que nesses dias não há expediente administrativo nos órgãos de trânsito. Para outros, porém, em razão da alteração supracitada, tal regra não mais deve prevalecer.

Na prática, quem corre o risco de sofrer as conseqüências dessa divergência é o condutor sincero, que, ao ser abordado, procura dizer a verdade ao agente de trânsito.

Com efeito, se, durante uma abordagem policial, o condutor (sincero) de um veículo novo, sem placas, alegar ao agente de trânsito que acabou de retirá-lo da concessionária e que está, por exemplo, levando-o ao posto de serviços para lavá-lo, ou a uma loja para instalar o som, etc. (num final de semana ou feriado), apresentando-lhe a respectiva Nota Fiscal de compra e venda, correrá o risco de ser autuado e ter o veículo removido ao depósito, com fulcro no art. 230, V, do CTB, mesmo que a NF estiver dentro do prazo de cinco dias...

Por outro lado, se, na mesma situação, o condutor declarar (falsamente) que está viajando com o veículo para qualquer outro município, a fim de lá registrá-lo e licenciá-lo, certamente sairá impune, visto que, na prática, o agente não tem como verificar se a versão apresentada é falsa ou verdadeira.

É justamente por esse motivo que, muito embora os fabricantes, concessionárias e revendas de veículos tenham o dever de conhecer e informar seus clientes sobre o trânsito de veículos novos, sem placas (e muitos não informam nada), por uma questão de bom senso, defendemos a tese de que os condutores que estiverem portando apenas a Nota Fiscal de compra e venda do veículo, dentro do prazo de cinco dias consecutivos, contados de sua expedição, mesmo nos finais de semana e feriados, independentemente da versão apresentada, não devem ser autuados, até que o CONTRAN resolva disciplinar melhor o assunto.

Se todos são iguais perante a lei, conforme prevê o art. 5° da Constituição Federal de 1988, por que alguns podem conduzir veículos novos, antes do registro e licenciamento, portanto, sem as placas de identificação, inclusive transportando carga ou passageiros de forma remunerada, em qualquer dia (e horário) da semana, apenas com a Autorização Especial (cf. art. 2° da Res-CONTRAN n. 4/98), e outros não podem utilizar o veículo para qualquer outro fim, pois, se o fizerem, dependendo do agente que os abordar, correm o risco de serem autuados? Por que punir os que dizem a verdade enquanto os que mentem e enganam o agente de trânsito, por conhecerem "brechas" na legislação, ficam impunes? Por que deixar a critério do agente de trânsito a possibilidade de autuar ou não um condutor, tendo como parâmetro, em algumas situações, apenas a versão apresentada por ele, condutor?

Para evitar que isso ocorra, o CONTRAN deveria, a nosso ver, revogar a Resolução n. 4/98, bem como a Resolução n. 793/94, que dispõe sobre o uso de placas de "FABRICANTE", a fim de permitir, por meio de nova Resolução, a utilização dessas placas, além dos casos já previstos (na Resolução 793/94), em veículos novos, nos casos elencados nos incisos II a IV do art. 4° da Resolução n. 4/98. Com isso, tais veículos seriam facilmente identificados e, em caso de infrações de trânsito ou até de ilícitos penais, seus condutores poderiam ser devidamente identificados e responsabilizados.

Com tal medida, o DENATRAN não mais precisaria ficar expedindo portarias, para autorizar o trânsito de veículos novos, sem placas, como as de ns. 7/2001 e 34/2005, que tratam, respectivamente, da compra de veículo por meio eletrônico e do trânsito de veículos destinados à exportação.

A nova Resolução deveria proibir terminantemente a saída de veículos novos, sem placas, dos pátios de fabricantes, concessionárias e revendas de veículos, salvo se transportados ou rebocados por veículos próprios para essa finalidade, ou, quando destinados ao registro e licenciamento em outro município, mediante a apresentação prévia da Autorização Especial supracitada, com prazo de cinco dias úteis, e não corridos. Isso, para evitar o trânsito de veículos sem placas, nos finais de semana e feriados, para qualquer outro fim que não o de comparecer ao órgão de trânsito do município de destino, onde será registrado e emplacado.

Como se sabe, o agente não precisa perguntar ao condutor se o veículo está ou não licenciado. Esta informação é comprovada mediante a simples apresentação do Certificado de Licenciamento Anual (CLA) ou, na falta, por meio da respectiva Central de Operações. Da mesma forma, o agente não tem que perguntar ao condutor para onde ele se dirige com o veículo, esperando que ele diga a verdade. Esta informação deve constar da mencionada Autorização Especial, cuja expedição deveria preceder a saída do veículo do local de revenda, conforme sugerido acima.

Para finalizar, não é demais lembrar que, ao menos em São Paulo, há o serviço de emplacamento domiciliar, previsto na Portaria do DETRAN n. 1.650/2003, art. 31, o que possibilita a saída de veículos novos, de concessionárias e revendas, devidamente emplacados. Portanto, smj, não há motivos plausíveis para que o veículo saia desses locais sem placas...


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

DIAS, Gilberto Antonio Faria. O trânsito de veículos novos, antes do registro e licenciamento. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 10, n. 875, 25 nov. 2005. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/7635>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Comentários

16

  • 0

    Gilberto Antonio Faria Dias

    Prezado senhor Gabriel, boa noite! De acordo com o artigo 4º, inciso I, da Resolução CONTRAN n. 4/98, com as alterações da Resolução n. 698/2017 (disponível em: http://www.denatran.gov.br/images/Resolucoes/Resolucao0041998.pdf ):
    " Art. 4º. Antes do registro e licenciamento, o veículo novo, nacional ou importado que portar a nota fiscal de compra e venda ou documento alfandegário poderá transitar: I - do pátio da fábrica, da indústria encarroçadora ou concessionária e do Posto Alfandegário, ao órgão de trânsito do município de destino, nos quinze dias consecutivos à data do carimbo de saída do veículo, constante da nota fiscal ou documento alfandegário correspondente; (...)".
    Logo, o prazo será contado a data do carimbo de saída do veículo da concessionária. Todavia, importa lembrar que esse prazo é destinado apenas ao deslocamento do veículo da concessionária ao órgão de trânsito do município de destino, onde será emplacado, e não para outras finalidades (passeios etc.). Logo, atualmente, aquele que estiver transitando com o veículo para qualquer outro fim (que não apenas para registro e licenciamento), poderá ser autuado no art. 230, V, do Código de Trânsito Brasileiro - CTB. Espero ter esclarecido...

  • 0

    Gabriel Novaes

    boa noite, comprei um carro diretamente na concessionaria no dia 04/12 porem ate hoje (08/01) nao retirei ainda o carro da concessionaria devido a um problema com a documentacao. Porem a nota fiscal ja foi emitida, na data de 04/12 e como consta no CTB o prazo para o emplacamento e de 15 dias prorrogaveis por mais 15, ou seja, e possivel o recebimento de uma multa pelo nao emplacamento sendo que ainda nao retirei o carro? o prazo comeca a correr a partir da data da nota fiscal ou da retirada do veiculo da concessionaria com o carimbo?

  • 0

    Gilberto Antonio Faria Dias

    Tendo em vista que o caput do art. 132 e respectivo § 1º (antigo parágrafo único) permaneceram inalterados, entendo que o CONTRAN precisa rever o texto da Resolução n. 4/98 (alterada pela Resolução n. 487/2014), APENAS quanto ao veículo de CARGA, referido no § 2º, incluído pela Lei n. 13.103/2015. Quanto aos demais veículos, prevalecem as regras expostas na resolução acima mencionada, com posterior alteração.
    Att,
    Gilberto Antonio Faria Dias

  • 0

    Roberto Gaspar Fernandes

    Como fica o transporte de veiculos 0KM, com base na alteração da LEI Nº 13.103, DE 2 DE MARÇO DE 2015. no artigo Art. 8o A Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar com as seguintes alterações:

    “Art. 132. ......................................................................

    § 1o ...............................................................................

    § 2o Antes do registro e licenciamento, o veículo de carga novo, nacional ou importado, portando a nota fiscal de compra e venda ou documento alfandegário, deverá transitar embarcado do pátio da fábrica ou do posto alfandegário ao Município de destino.” (NR)

    não pode mais circular rodando, somente se estiver embarcado,

Veja todos os comentários

Livraria