A importunância do planejamento sucessório.

O cuidado na divisão dos bens é muito vantajosa. Mesmo quando os herdeiros não "brigam" pelos bens ou mesmo preenchem os requisitos para realização do inventário judicial em cartório, a ausência de planejamento sucessório implica em considerável perda patrimonial, além da incidência de tributos em elevados porcentagens (ITCMD, imposto sobre transmissão causa mortis e doação, IRPF, IRPJ, etc.). 

Uma das estratégias de economizar em impostos, facilitar o processo de partilha e oportuniza a divisão antecipada do patrimônio entre os futuros herdeiros, com a preservação de bens é sem dúvidas, esse planejamento, também conhecido como inventário em vida. 

Entretanto, não é possível dispor dos bens sem observar algumas regras para garantir a validade da vontade do proprietário. Explico: Nosso ordenamento jurídico determina a proteção da legítima  (art. 1845, CC/02, "são herdeiros necessários os ascendentes, descendentes e cônjuge"), respeitando a ordem de sucessão e ainda incluindo o companheiro (Informativo n. 864 STF).

Essa proteção preserva uma certa porcentagem a cada herdeiro, uma parte (quota/quinhão) de direito dos herdeiros, que não poderá ser deixada após a morte como "bem entender", porque seria nula, por força do art. 426 do CC/02. Um exemplo é um testamento determinando que todos os bens imóveis e aplicações no exterior sejam destinados a apenas um dos herdeiros ou ao cônjuge. Quer dizer, existe uma parte do patrimônio que necessariamente deve ser resguardado aos filhos e/ou cônjuge. Com relação ao companheiro, também poderá participar como herdeiro necessário, desde que preenchidos os requisitos de reconhecimento da união.

Outro exemplo comum é o desejo de que um conjunto de bens não seja dividido (empresas, imóveis rurais, etc) pelos herdeiros após a morte. Esse agrupamento será garantido se aplicadas as cautelas de todo esse planejamento sucessório. 

A prática no Brasil do planejamento sucessório ainda é pequena, pelo receio dos altos custos, o que na matemática simples mostra-se uma economia ilusória, uma vez que a redução de tributos e demais custas compensam todo essa cautela, além de trazer maior proteção ao conjunto de bens e preservar a gestão da atividade empresarial familiar, elegendo o herdeiro mais qualificado a gerencia da empresa. 

Para esclarecer ainda mais a abrangência do planejamento sucessório, são alguns exemplos: a escolha do regime de casamento dos familiares (separação total, parcial, participação final nos aquestos, comunhão universal) ou união estável; criação de holding familiar, testamentos, doações, usufrutos; seguros de vida; planos de previdência privada; enfim, atos que considerem o falecimento e a sucessão dos bens, tornando o inventário mais rápido e garantido recursos aos herdeiros. 

Concluindo, desde que elaborado adequadamente, seguindo a legislação em vigor, o planejamento sucessório concilia e tranquiliza o proprietário atual dos bens e seus futuros herdeiros de surpresas e gastos desnecessários.

Siga-nos nas redes sociais e mantenha-se informado sobre as novidades do mundo jurídico! Clique aqui!


 

Nota: As informações fornecidas são genéricas e não poderão ser considerada uma consultoria jurídica ou vir a vincular o advogado ao leitor. Recomenda-se que eventuais litígios ou casos particulares sejam analisadas por profissional habilitado e especializado, pois circunstancias peculiares de cada podem implicar em alterações as legislação aplicáveis. Em caso de reprodução total ou parcial do artigo, é obrigatória a citação da fonte, pelos direitos autorais da autora

*****Colegas advogado (a): Atuamos em regime de parceria, não respondemos questionamentos encaminhados por e-mail sobre dúvidas legais, não emitimos parecer ou dicas sobre casos específicos ou pontuais. Obrigada.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso