Para entender adicionais de periculosidade, insalubridade e penosidade, antes de mais nada é preciso saber que ele está ligado aos direitos e garantias fundamentais. Os direitos sociais, econônimos e sociais estão ligados ao aos direitos fundamentais.

1 INTRODUÇÃO

 

           Para entender adicionais de periculosidade, insalubridade e penosidade, antes de mais nada é preciso saber que ele está ligado aos direitos e garantias fundamentais. Os direitos sociais, econônimos e sociais estão ligados ao aos direitos fundamentais da segunda dimensão, tendo em vista a idéia de um Estado social. No ano de 1943 surgiram as consolidações das leis de trabalho, trazendo proteção para os trabalhadores e tentando criar relações entre empregado e empregador.

 

 

2 DESENVOLVIMENTO

          

 Periculosidade

 

          Podemos conceituar periculosidade com aquilo que vá causar perigo a vida do empregador, de maneira que possa ocorrer uma fatalidade, diferente da insalubridade, que vai gerar risco á saúde e a imunidade biológica. Na consolidação das Leis do Trabalho no artigo 193 conceitua a periculosidade da seguinte forma:

 

Art. 193: São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a: I - inflamáveis, explosivos ou energia elétrica; II - roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial.

 

                

                  O Ministério do Trabalho e emprego, emitiu uma nota regulamentar, com atividades consideradas ppericulosas, a seguir seguimos com alguns exemplos dessas atividades consideradas periculosas: Aquela com utilização de motocicleta ou motoneta exclusivamente no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela; as atividades em veículos que não necessitem de emplacamento ou que não exijam carteira nacional de habilitação para conduzi-los; as atividades em motocicleta ou motoneta em locais privados; as atividades com uso de motocicleta ou motoneta de forma eventual, assim considerado o fortuito, ou o que, sendo habitual, dá-se por tempo extremamente reduzido; as operações de testes de aparelhos de consumo do gás e seus equipamentos ou no transporte de inflamáveis líquidos e gasosos liquefeitos em caminhão-tanque; etc.

           O Tribunal superior do Trabalho na súmula 39, diz que os empregados que operam em bomba de gasolina tem direito ao adicional de periculosidade.

           No parágrafo 1 do artigo193 da CLT relata sobre o adicional para empregados com periculosidade, o adicional é de 30% sobre o salário. Existindo requisito para considerar o adicional de periculosidade, que é a necessidade de o trabalhador ficar permanente exposto a risco e desde que esse risco seja acentuado. 

          O adicional da periculosidade será aplicado apenas em cimas do salário básico e não em cima de outros adicionais. Porém se a atividade exercida for a de eletricista, o calculo do adicional será feito em cima de todas as parcelas de natureza salarial do trabalhador, de acordo com a súmula 191 do Tribunal Superior do Trabalho.

      Súmula 191 do TST:

I – O adicional de periculosidade incide apenas sobre o salário básico e não sobre este acrescido de outros adicionais.

II – O adicional de periculosidade do empregado eletricitário, contratado sob a égide da Lei nº 7.369/1985, deve ser calculado sobre a totalidade das parcelas de natureza salarial. Não é válida norma coletiva mediante a qual se determina a incidência do referido adicional sobre o salário básico.
III - A alteração da base de cálculo do adicional de periculosidade do eletricitário promovida pela Lei nº 12.740/2012 atinge somente contrato de trabalho firmado a partir de sua vigência, de modo que, nesse caso, o cálculo será realizado exclusivamente sobre o salário básico, conforme determina o § 1º do art. 193 da CLT.

 

 

 

 Insalubridade

 

           Ao buscar um conceito para insalubridade vemos que são aqueles onde os trabalhadores atuam em áreas consideradas prejudiciais a integridade física e a saúde. A própria constituição Federal com seus direitos e garantias fundamentais relata sobre os direitos e quais são as áreas consideradas insalubres.

          No artigo 7° da Constituição Federal relata que:

São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social;

XXIII- Adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei

 

           A consolidação das leis do Trabalho através de suas normas infraconstitucionais, nos dá uma definição clara e precisa do conceito de insalubridade, no seu artigo 189, vemos:

Art. 189 - Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.

 

           Assim poderemos considerar insalubres todas as atividades prejudiciais a saúde do empregado como também a sua integridade física. Também são considerados insalubres, segundo alguns doutrinadores, os elementos que acarretem alterações psicológicas, sejam decorrentes de pressões ou tensões.

         Tem alguns fatores que podem colocar em risco a saúde dostrabalhadores, como por exemplo: os físicos, como temperaturas extremamente altas ou baixas, umidade e ruídos sonoros; os químicos, como é o caso da fumaça e do vapor; e os fatores biológicos, que como exemplo mais clássico, temos os agentes infecciosos que podem causar alguma doença. Há também, como demonstrado, os fatores psicológicos, no caso, por exemplo, os tensões e pressões emocionais.

          Na CLT temos a definição sobre os percentuais que servem de calculo para o adicional de insalubridade, encontramos no artigo 192 da CLT:

 Art. 192 - O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.

 

          A legislação trabalhista decretou que o adicional de insalubridade deve ser calculado em cima do salário mínimo da região em que se encontre a relação do empregado, classificado no grau máximo, médio e mínimo. Porém existem doutrinadores que diz que o adicional deve ser calculado sobre o salário mínimo ao sobre o salário do empregado.

        Atualmente, o entendimento do Supremo é no sentido de que o adicional de insalubridade deve ser calculado sobre o salário mínimo, até que essa inconstitucionalidade seja superada por lei o por norma coletiva de trabalho. 

        

 

Referências:

 

 BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Planalto. 

 BRASIL. Súmulas. Tribunal Superior do Trabalho.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso