A vedação constitucional de acumulação de cargos e/ou empregos públicos impõe as penalidades de demissão e de cassação da aposentadoria, mediante instauração de processo administrativo disciplinar, inexistindo justificativa legal a abonar sua permanência.

Isto é o que me parece...

Primeiro - A Constituição Federal permite somente a Acumulação de dois cargos (e/ou empregos) públicos (CF, art. 37, XVI e XVII). Portanto, a ocorrência de três vínculos públicos é vedada constitucionalmente.

Segundo - A regra legal e constitucional é a não-acumulação. Logo, acumular é uma exceção.

Terceiro - Por ser uma exceção, a acumulação tolerada é exclusivamente daqueles cargos (e/ou empregos) relacionados na Constituição: dois de professor; um de professor e um técnico ou científico; e dois de profissionais de saúde, com função regulamentada.

Quarto - A Constituição não dá o conceito de Cargo (e/ou emprego) Técnico ou Científico. Mas a Jurisprudência e a Doutrina já possuem entendimento consensual, que leva em conta a exigência de formação especializada, para o exercício da atividade. Logo, a noção de atividade técnico ou científica tem a ver com a sua natureza das atribuições e não com a nomenclatura do cargo (e/ou emprego).

Quinto - A permissão constitucional não é suficiente para garantir a legalidade da acumulação. Além de os cargos (e/ou empregos) serem acumuláveis, é necessária a compatibilidade de horários.

Sexto - Inexiste limite de Jornada semanal (quantidade de horas): a compatibilidade de horários deve ser comprovada na prática (RE n. 351.905 - Segunda Turma /STF; RE n. 633.298 - AgR - Segunda Turma/STF).

Sétimo - A compatibilidade de horários é obrigatória, mas é secundária, devendo ser analisada em segundo plano. Em outras palavras, ela é uma segunda condição, aplicável quando a acumulação é permitida, dispensando verificação, quando se trata de acumulação proibida, por simples perda de tempo.

Oitavo - Resumidamente, o conceito de Acumulação Ilegal se aplica nos seguintes casos: mais de dois cargos (e/ou empregos) permitidos; se um dos cargos e/ou empregos) não tiver permissão constitucional; e se não houver compatibilidade de horários.

Nono - A penalidade para Acumulação Ilegal é a DEMISSÃO. Entretanto, para ocorrer a demissão válida, faz-se necessária a instauração do Processo Administrativo Disciplinar, na modalidade Inquérito Administrativo, para fins de respeito ao Devido Processo Legal, ao Contraditório e à Ampla Defesa (CF, art. 5, LIII, LIV e LV).

Décimo - Antes de instaurar o Processo Administrativo Disciplinar, a autoridade competente deve fazer a Notificação Prévia, oferecendo ao servidor o direito de fazer opção por um dos cargos (e/ou emprego).

Décimo Primeiro - Não ocorrendo a opção, o Processo deve ser instaurado, tramitando em rito sumário, indiciando-se o servidor e notificando-o para apresentação de Defesa.

Décimo Segundo - A legislação faculta ao Indiciado, no prazo da Defesa, fazer a opção. Nesse caso, devem ser tomadas as providências para a "exoneração a pedido", procedendo-se o arquivamento do Inquérito.

Décimo Terceiro - Inexiste justificativa plausível e juridicamente aceitável para fins de permanência em cargos (e/ou empregos) públicos, fora do permissivo constitucional.

Décimo Quarto - As justificativas são cabíveis e, por vezes, necessárias para fins de comprovação da compatibilidade de horários (quando se trata de cargos e/ou empregos permitidos).

Décimo Quinto – Por vezes, orienta-se não responder a Notificação Prévia, nos casos de Acumulação Ilegal irrefutável, como tática para ganhar tempo, mas não mecanismo suficiente para livrar o servidor definitivamente da abertura do Inquérito e de uma eventual demissão.

Décimo Sexto - Eventualmente, consegue-se anulação judicial de demissão por acumulação ilegal. Mas por erros formais cometidos durante o processo. Isso não impede a instauração de novo Inquérito, uma vez que se trata de matéria imprescritível.

Décimo Sétimo - A acumulação ilegal se estende à inatividade, no âmbito do Regime Próprio de Previdência Social, punível com a cassação da aposentadoria.

Décimo Oitavo - Vínculos precários de qualquer natureza (contrato temporário e contratos nulos) e cargos comissionados são inacumuláveis, pois a permissão constitucional é expressa para cargos e/ou empregos, de provimento efetivo.

Décimo Nono – a denominação emprego é própria das empresas públicas, aplicável aos demais entes estatais, quando adotam o regime jurídico da CLT. Pelas regras da CLT, a acumulação ilegal motiva a demissão por justa causa

Vigésimo: Finalmente, em regra, aos detentores de mandatos eletivos é obrigatório o afastamento do cargo, emprego ou função, exceto o Vereador, quando o horário for compatível. E, no caso de Prefeito, embora o afastamento seja exigido, é garantido o direito de optar pela remuneração do cargo, emprego ou função. Essa opção é estendida também ao vereador, quando for o caso (CF, art. 38).

. ... salvo melhor juízo!



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso