Analisa-se o combate ao crime de tráfico de mulheres para fins de escravização sexual, sendo verdadeira agressão ao princípio da dignidade humana e com grande repercussão social nos órgãos governamentais.

Resumo: O presente trabalho objetiva discorrer sobre o combate ao crime de tráfico de mulheres para fins de escravização sexual das mesmas, sendo verdadeira agressão ao princípio da dignidade humana e com grande repercussão social nos órgãos governamentais e Direitos Humanos. Com base em pesquisas bibliográficas e entrevista, este artigo vem demonstrar o problema que atinge mulheres de várias partes do país e do mundo, praticado mediante tráfico de pessoas, com falsas promessas de emprego no exterior. Também são apresentadas as atuais medidas adotadas pelo estado e governos federais, políticas públicas com o intuito da prevenção e os desafios da erradicação do tráfico de mulheres no país. Na conclusão, ressalta-se a importância da mobilização da sociedade, órgãos governamentais e ONGs de combate do crime “transnacional” e a garantia dos direitos fundamentais da pessoa humana.

Palavras-chave: Direitos Humanos. Trafico Internacional de Mulheres. Dignidade da pessoa Humana


INTRODUÇÃO

Assumindo relevante importância no olhar midiático, social e na agenda política de governos e organizações internacionais, este artigo científico é uma pesquisa sobre os Direitos humanos onde tem como principal objetivo analisar o crime do tráfico de mulheres para a escravidão sexual, confrontando com a quebra do respeito e a dignidade da pessoa humana.

Também analisa como o Estado se posiciona diante de um crime que fere as legislações em várias esferas do Direito citando: o Direito Penal e Constitucional e suas modificações, nos quais as leis instituídas mostram que é crime punível para este tipo de acontecimento social. No levantamento teórico são mostradas as questões que levam ao crescimento do tráfico de pessoas e por ser um crime “invisível” como falam os órgãos de polícia, as dificuldades encontradas para o combate ao tráfico que atinge milhares de mulheres, crianças e adolescentes no pais e no mundo.

Por fim, na conclusão apresenta as políticas públicas que estão sendo criadas para implementação de ações integradas com as polícias, as Secretarias e ONGs especializadas, a participação da sociedade e como o Direitos Humanos se mobiliza no combate ao tráfico humano garantindo a proteção dos direitos fundamentais nos Estados.


1. DIREITOS HUMANOS E O TRÁFICO DE PESSOAS

Segundo a ONU, os direitos humanos são direitos inerentes a todos os seres humanos, independentemente de raça, sexo, nacionalidade, etnia, religião ou qualquer outra condição. Onde estão incluídos o direito a vida e a liberdade de opinião e de expressão, o direito ao trabalho e a educação, entre outros. Todos merecem estes direitos sem discriminação.

“Os Direitos Humanos são aquelas cláusulas básicas, superiores e supremas que todo indivíduo deve possuir em face da Sociedade que está inserido. São aquelas clausulas mínima, para que o homem viva em sociedade com dignidade”. (Siqueira Jr., p.) além de serem limitações contra o forte intervencionismo estatal.

A ética dos Direitos Humanos trabalha com o intuito de aplicar a reciprocidade, onde vê no outro um ser merecedor de igual consideração e profundo respeito, com os diretos de desenvolver suas potencialidades de forma livre e plena. Direitos humanos são universais. Segundo Piovesan (2009, p.01) entende-se que:

Ao longo da história as mais graves violações aos direitos humanos tiveram como fundamento a dicotomia do "eu versus o outro", em que a diversidade era captada como elemento para aniquilar direitos. Vale dizer, a diferença era visibilizada para conceber o "outro" como um ser menor em dignidade e direitos, ou, em situações limites, um ser esvaziado mesmo de qualquer dignidade, um ser descartável, um ser supérfluo, objeto de compra e venda (como na escravidão) ou de campos de extermínio (como no nazismo), práticas estas intolerantes.

Os Direitos Humanos são universais, inalienáveis e indivisíveis existentes nas esferas civil, política, econômica, cultural e social. O direito à vida, liberdade sem discriminação, ao trabalho digno e com seus direitos e garantias assegurados, a educação e saúde são exemplos que regem as obrigações do governo perante a sociedade, baseados nos princípios fundamentais democráticos e direito e de respeito à dignidade humana. A universalidade significa que os direitos humanos pertencem a todos e são os mesmos para todos os povos. Os direitos existem sem distinção à nacionalidade, a raça, ao sexo, a religião, a classe, a idade e etc. Todos os povos têm as mesmas necessidades e direitos básicos, que necessitam ser assegurados e protegidos o tempo todo.

A inalienabilidade significa que todos os direitos pertencem a todas as pessoas a partir do nascimento. Na própria Constituição Brasileira, em seu artigo 5º, há a descrição de nossos direitos e deveres e ressaltando que nascemos com direitos e os governos devem afirmar os princípios de direitos humanos.

A interdependência significa que todos os direitos humanos estão associados; consequentemente os direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais os direitos são relacionados, complementares e interdependentes. Um direito não é mais importante do que outro não podem ser vistos de forma distintas.    

Ao contrário que muita gente pensa a escravidão ainda existe e tendo adquirido novas expressões, como a do tráfico de pessoas. No tráfico ocorre o tratamento das pessoas equivale à mercadorias para vários fins de trabalhos escravos inclusive o da exploração sexual sendo suas principais vítimas, as mulheres e crianças. De acordo com os princípios e diretrizes recomendadas pelas Nações Unidas sobre Direitos Humanos e Tráfico de Pessoas, o tráfico de seres humanos é caracterizado pelo uso da força, fraude, coerção ou abuso de poder e principalmente a lucratividade financeira mediante exploração do trabalho escravo.

O decreto nº. 5.017/04, Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, em Especial Mulheres define que:

A expressão "tráfico de pessoas" significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração. A exploração incluirá, no mínimo, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a remoção de órgãos;

Por essência o tráfico se coloca como ocorrência divergente da simples violação da legislação trabalhista; O tráfico envolve a manipulação criminal das pessoas que se deparam com uma situação de trabalho forçado, servidão ou práticas similares à escravidão. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, reconhece que a dignidade é inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo; em seus artigos III e IV, que regram que toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal, assim como ninguém será mantido em escravidão ou servidão, a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.

O tráfico de pessoas é um fenômeno em expansão não só no Brasil como também em muitos outros países, atraindo principalmente mulheres, com idades entre 19 a 29 anos e adolescentes do sexo feminino entre os 14 e 17 anos, em situação de pobreza e violência. Dentro desse contexto as formas mais comuns de aliciamento são as falsas ofertas de emprego, promessas de vida melhor (escola, conhecimento de língua estrangeira, salário e etc.) e de casamento. Essa modalidade de violência tem ocorrência nacional, seja em ambientes rurais ou urbanos e abrangência em todas as camadas sociais.

Atente-se ser o tráfico de pessoas uma das práticas mais rentáveis do mundo, juntamente com o tráfico de armas e o tráfico de drogas, chegando a movimentar mais de US$ 12 bilhões ao ano. “É uma forma moderna de escravidão, é uma das atividades mais rentáveis do crime organizado no mundo, perdendo em lucratividade apenas para o tráfico de drogas e de armas.” Diz Larissa Ramina. O Brasil direcionou esforços para o enfrentamento do tráfico de seres humanos quando as pesquisas o incluíram nas rotas internacionais e também evidenciando a existência de rotas nacionais principalmente com vítimas mulheres e crianças.


2. FATORES PARA O CRESCIMENTO DO TRÁFICO

No contexto do tráfico, especificamente as mulheres são as maiores prejudicadas e seus direitos são violados e negados frequentemente por já existir culturalmente a discriminação de gênero não só no âmbito nacional, mas em todo o mundo. Dentro desse contexto social não só as mulheres como também as crianças e adolescentes, são alvo certo para esse tipo de crime. Há um pequeno índice da ocorrência de tal crime em relação à homens.

Muitas dessas vítimas são aliciadas com falsas promessas de empregos, com altos salários e esperança de uma vida melhor. Mas o que faz pessoas adultas e algumas delas com instrução de educação acreditar na falsa ilusão? As abordagens e compreensões já construídas demonstram que o tráfico de pessoas não tem causa única, mas um conjunto de problemas sociais encontradas nas várias regiões que viraram rotas para o tráfico.

 Os fatores que contribuem para o tráfico são variados e complexos, diferindo de país para país. Uma boa intuição de por que o tráfico ocorre requer não somente a consideração de mudanças sociais e econômicas tanto globais como regionais, mas também uma análise em nível local, nos lugares onde o processo se inicia.  A desigualdade econômico-financeira da sociedade, a educação deficiente e saúde pública sem condições de atender a população, falta de investimentos ou investimentos inadequados para gerar pessoas qualificadas ao trabalho e se ter um país desenvolvido. Esses problemas são geradores de desemprego, miséria, discriminação e falta de perspectiva de uma vida com qualidade para muitas famílias em diversos países.

 Além disso, a violência doméstica e extrafamiliar constituem também fatores de vulnerabilidade, que favorecem o ingresso das mulheres, crianças e adolescentes nas redes de exploração sexual comercial e de tráfico. Segundo a ONU, “a violência contra a mulher na família representa a principal causa de lesões em mulheres entre 15 e 44 anos no mundo e compromete 14,6% do Produto Interno Bruto (PIB) da América Latina, cerca de US$ 170 bilhões. No Brasil, a violência doméstica custa ao país 10,5% do seu PIB.”

Quanto ao tráfico de mulheres particularmente, faz-se necessário enfrentar a articulação da exploração sexual; o tráfico de mulheres entre cidades e regiões, a organização criminal nacional e transnacional; a participação de policiais e a impunidade dos abusadores/ aliciadores, exploradores e traficantes. A exploração sexual, juntamente com o tráfico de drogas e armas chega a movimentar bilhões ao ano em todo o mundo.  De se notar ainda que o tráfico ocorre não somente de países em desenvolvimento para os países desenvolvidos, mas também entre os países em desenvolvimento.


3. POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O COMBATE AO TRÁFICO          

A Convenção de Palermo, criada em 2000 pelas Nações Unidas, consolida-se, três anos depois, como um instrumento jurídico internacional para combate do tráfico de pessoas e ganha a assinatura de 117 países. A Convenção de Palermo é um acordo internacional contra o Crime Organizado Transnacional, uma das práticas mais rentáveis para o crime organizado internacional é o tráfico de seres humanos. No dia 12 de março de 2004 foi promulgado no Brasil pelo decreto 5.015/04, o Protocolo à convenção das Nações Unidas contra o crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do tráfico de Pessoas, em especial Mulheres e Crianças.

Segundo o protocolo “a expressão "tráfico de pessoas" significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração. A exploração incluirá, no mínimo, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a remoção de órgãos;”

O presente Protocolo completa a Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional onde serão utilizados em conjunto com o principal objetivo combater o tráfico de pessoas, respeitando plenamente seus direitos humanos, ajudar a proteger as vítimas em atenção especial as mulheres e as crianças, além de promover a cooperação entre os Estados em evitar a prática do crime.

Nossa Constituição e legislação também foram “complementadas” para que se adequassem a realidade e a punição para os delitos cometidos nos crimes contra a dignidade Sexual do Código Penal, onde alguns artigos como o 231 e o artigo 231-A, foi complementado pela lei 12.015, de 7 de agosto de 2009 que assim estatuí: “Promover ou facilitar o deslocamento de alguém dentro do território nacional para o exercício da prostituição ou outra forma de exploração sexual: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos.

Desde 2006, foi adotada a Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas - PNETP, tornando o problema alvo de uma política de Estado. O Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, previsto pela PNETP, foi instituído em 2008 e objetiva dar concretude aos princípios, diretrizes e ações plasmados nesta Política. Dados recentes da ONU apontam a existência de 241 rotas do tráfico no país, sendo 110 de tráfico interno e 131 de tráfico internacional. As regiões Norte e Nordeste têm a maior concentração dessas rotas.

Os principais desafios são a produção de informações sobre o mesmo, e a dificuldade de mapeá-lo, ocorrendo sempre a conexão com outros crimes como o tráfico de drogas e órgãos. Além disso, muitas pessoas não são visualizadas, como é o caso das vítimas. Muitas vezes, essas pessoas deixam de denunciar porque estão sendo coagidas, e acabam ficando invisíveis.

A questão da fronteira também é outro desafio que necessita de análise. Necessário se faz traçar uma estratégia de combate específica com os outros estados, a ajuda da população é sem dúvida necessária através de denúncias e assim “desvendar” as rotas e quadrilhas de traficantes.

O Governo Federal, por meio do Ministério da Justiça, da Secretaria de Direitos Humanos, e da Secretaria de Políticas para Mulheres, e outras instituições, lançou em fevereiro do presente ano, o II Plano de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, construído com intensa participação da sociedade. Foram mais de 1.500 cidadãos de distintas instituições governamentais e não-governamentais que atuaram, por meio de consultas públicas virtuais e 57 plenárias livres realizadas no Brasil e no exterior trazendo a integração e o fortalecimento das políticas públicas, redes de atendimento e organizações para prestação de serviços. A Rede de Núcleos e Postos de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas  tem, atualmente, 13 postos de atendimento ao migrante e 16 núcleos estaduais de enfrentamento ao tráfico de pessoas, estruturados com o apoio do Ministério da Justiça. Os postos ficam em locais de grande circulação, portos, aeroportos e rodoviárias e são responsáveis pelo atendimento às vítimas. Os núcleos são responsáveis por articular política e tecnicamente nos estados e nos municípios a implementação da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Uma das metas é criar 10 novos núcleos ou postos até 2014.



Informações sobre o texto

Artigos de pesquisa científica

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso