Tem crianças na frente da minha casa que ficam brincando, jogando bola e gritando a noite. Nesse último sábado eles ficaram até 00:00 brincando como se fosse meio dia. Há alguma lei do ECA que proíbe de crianças ficarem na rua até essa hora? Pois elas não estavam acompanhadas de adultos. A qual órgão posso recorrer?

Respostas

43

  • 0
    C

    Consultor ! Domingo, 10 de março de 2013, 13h07min

    Crianças sao deveres dos pais do Estado e da SOCIEDADE.

    Na ausência dos pais e dos Governos, VC DEVE vigiar elas aí, inclusive organizando o campeonato de truco !!!

  • 1
    H

    Hen_BH Quarta, 13 de março de 2013, 19h24min

    Sem adentrar no mérito de qual a melhor providência a ser tomada, eu respeito, mas não concordo, com afirmações do tipo "são crianças..." Tenho visto que a linha de raciocínio geral (e aqui não estou criticando a pessoa que fez a afirmação no post) das pessoas - e equivocada a meu ver - é no sentido de que, se é criança, tudo pode e está justificado. Afinal de contas, "criança é assim mesmo..."

    O adulto é, geralmente, resultado da criança que ele foi. Se ele não encontra limites enquanto criança, dificilmente os encontrará depois de adulto.

    Não estou aqui dizendo que crianças não devam ou não tenham o direito de brincar... é lógico que isso é uma atividade saudável e que influencia sobremaneira no seu desenvolvimento físico e intelectual. Isso não discuto.

    A questão toda é que muitas acabam não encontrando limites impostos por quem deveria fazê-lo. Os pais deveriam refletir sobre uma palavra extremamente importante: empatia. Colocar-se no lugar do outro é um dos melhores exercícios que se pode praticar, e nem sempre as pessoas se dispõem a tanto.

    Basta colocarmos a situação em bases simples: se o pai e a mãe - que deixam seus filhos gritando na rua até tarde da noite, incomodando aqueles que querem (e precisam) de sossego para dormir e trabalhar no dia seguinte - forem acordados no quarto às três horas da manhã com os seus filhos gritando, brincando, jogando bola, ligando video-game, será que eles virarão para o canto e deixarão pra lá, por que "criança faz barulho mesmo e não tem jeito..."?

    A resposta me parece um tanto quanto óbvia...

    E se durante o sono do pai e da mãe os filhos não devem (e não podem) fazer barulhos e produzir incômodos, por que é que hão de poder durante o descanso do vizinho?

    Os filhos, além de um grande presente de Deus, também são uma imensa responsabilidade dada por Ele. Ou seja, trazem "embutidos" ao mesmo tempo bônus (alegria, amor, carinho) e ônus (necessidade de cuidado, de alimentação, de educação, de limites).

    Não se pode pretender receber o "presente" e querer auferir apenas os bônus, dividindo as consequências do não cumprimento dos ônus com as demais pessoas.

  • 1
    S

    Suelen Carmo Santos Quinta, 14 de março de 2013, 21h57min

    Boa noite a todos. Sei bem o que é conviver com crianças que se acham no direito de bagunçar até tarde na rua, já conversei com os pais, avós em geral com todos e nada resolver ,acabo discutindo e sendo chamada de chata . Agora mesmo passei por essa situação, minha mãe é diabética e hipertensa não consegue dormir , meu esposo levanta as 04:00 da manhã para trabalhar, tenho 2 sobrinhos pequenos, mas nada muda o fato de se ter um convívio bom com todos, respeito todos e até entendo que no final de semana é normal ficar na rua ate mais tarde pois eles não tem um lugar de lazer.
    O que posso realmente dizer é que a culpa e dos pais, minha mãe sempre trabalhou mas eu sempre respeitei todos, fui criada com a seguinte educação de respeitar o direito do outro assim como os outros respeitavam o meu. Só posso dizer que está muito difícil.

  • 2
    K

    keitte helen de lima peixoto Sexta, 22 de março de 2013, 17h59min

    Eu entendo perfeitamente. Não é implicância também fui criança e pertubei varios viznhos também :), mas meus pais não me deixavam depois das 22 horas da noite na rua. Aqui na frente da minha casa ficam várias crianças incrivel que eles começam a brincar depois das 22 horas. de manhã e de tarde não vejo essas crianças elas só aparecem esse horário e fica impossível dormir eles começam a brincar 22 e as vezes 23 horas. E ninguem da rua sabe quem são os pais. Fica dificil assim, né?

  • -1
    S

    smn Sexta, 22 de março de 2013, 19h40min

    Amigo, você é daqueles que jogava bola de gude no carpete e soltava pipas com o ventilador na sala para a pipa subir, eu posso te dar uma sugestão, foi o que eu fiz por morar na cidade do Rio de Janeiro, mudei para Teresópolis, interior do Estado do Rio, em um maravilhoso sítio.

    Aqui é uma tranquilidade, não tem tumultos, barulhos, ao não ser os cantos dos pássaros.

    Tem aquele ditado:

    O incomodado que se mude, isto claro, se você pode e se a família concorda.

    Eu já fui criança um dia, sei muito bem o que é isto!

  • 1
    H

    Hen_BH Terça, 26 de março de 2013, 15h48min

    Essa história de "incomodados que se mudem" é um daqueles ditados imbecis de senso comum, e que certamente foi inventando por alguém extremamente mal educado e acostumado a incomodar os outros, sendo que a maioria das pessoas, infelizmente, o engolem com isca e tudo! É igual a história do leite com manga e outras imbecilidades semelhantes...

    Para mim, o ditado deveria ser: "quem incomoda que seja retirado". Se alguém está incomodado, é porque tem aquele que incomoda. E se quem incomoda o faz indevidamente, com desrespeito ao direito de sossego alheio, tem de ser compelido a cessar o incômodo, por bem ou por mal! Desde que não se valha de meios ilegais (agressão) para tanto, tem sim de buscar sossego e paz dentro da sua casa e sem ter de se mudar.

    Cai de novo no que eu disse antes... se temos crianças que desrespeitam os outros, certamente é porque é a base que receberam em casa... e (salvo raras exceções) quando essas crianças forem adultos-pais, muito provavelmente replicarão essa "lógica" do desrespeito...

    Se há quem não se importe com barulhos ou algo parecido, é opção pessoal... mas daí a querer (ou sugerir) que os demais sejam obrigados a pensar da mesma forma, inclusive com mudança de endereço, é no mínimo, pra refletir...

    Já que estamos no campo dos ditos populares, há um outro que é muito apropriado ao pensamento em questão:

    "Pimenta no c... dos outros é refresco..."

  • Removida

    Esta resposta foi removida.

  • Removida

    Esta resposta foi removida.

  • 1
    M

    Muito Irritada Segunda, 14 de julho de 2014, 20h34min

    Infelizmente também estou tendo o desprazer de aumentar a lista de incomodados. Fico revoltada em ver "pais" irresponsáveis apenas aumentando o numero de CRIAS, quando não tem a menor condição de educar UM. Quem não recebe educação em casa, a RUA se encarrega de educar.

  • 1
    Isaac Ernesto Almeida Cabral

    Isaac Ernesto Almeida Cabral Quinta, 15 de janeiro de 2015, 1h13min

    Isto esta acontecendo comigo. Eu foi falar com um dos pais das crianças e falei dos prejuízos que estava tendo com a brincadeira de bola das crianças na rua ( parabeniza traze iro e dianteiro do meu carro quebrados, carro arranhado , vidro da janela quebrado, portão amassado, dificuldade para repousar ou estudar depois de um longo dia de trabalho, invasão da minha casa através do telhado e telhas quebradas para pegar a bola. ) A resposta do pai foi; ISTO É COISA DE CRIANÇA. ELES ESTÃO DE FERIAS NÃO POSSO FAZER NADA DEIXE ELES BRINCAREM A VONTADE QUE EU PAGO TODOS OS PREJUÍZOS QUE ELES POSSAM CAUSAR A VOCÊS. Eu fiquem sem ação com a resposta dele . Eu tenho que deixar os meninos transformarem minha casa em colônia de ferias de vândalos para quebrar as minhas coisas e destruir o meu patrimônio que tanto demorei para conquistar só para fazer a vontade dos menininhos inocentes? É o mundo esta perdido mesmo!

  • 1
    B

    Bruna Segunda, 17 de agosto de 2015, 17h37min

    Isso há anos acontece na minha vizinhança e trata-se sempre da mesma família. A falta de educação e empatia com os outros passa de geração para geração. Falo de crianças que ficam o tempo todo na rua, tanto de dia quanto à noite, sem nenhum tipo de supervisão de um adulto. Se isso não é negligência.dos pais, eu não sei o que seria.
    Tenho um portão amassado por jogarem pedras na minha casa, já tive telhas quebradas, fiquei várias vezes sem luz por causa de cerol de pipa, até tentativa de invasão de domicilio já aconteceu (inclusive uma vizinha teve sua janela quebrada , objetos roubados e sabemos quem foi pois encontrou um desses "anjinhos" dentro da sua casa). Isso sem contar as provocações que escutamos constantemente pra nos importunarem. Minha avó tem 80 anos de idade e é alvo de xingamento e gozação dessas crianças as poucas vezes que sai na rua.
    Se a gente reclama com os pais, eles não acreditam, à final, nunca estão olhando. Além disso, ao invés de repreenderem passam a incentivar a baderna.
    Lugar de criança com certeza não é na rua, é junto do convívio familiar. Fico pensando que tipo de valor esses adultos que acreditam que "é criança, tudo pode" ou "os incomodados que se mudem" estarão passando pra frente...

  • 1
    Antonio Luiz

    Antonio Luiz Domingo, 30 de agosto de 2015, 22h04min

    eu aluguei uma casa no bairro de campo largo onde tem uma rua com asfalto e crianças ficam sempre brincando com bolas e andam de eskeite e isso se repete sempre, eles param e depois voltam, tem sido um incomodo para mim, por que trabalho e estudo,a rua é
    um lugar público, não é lugar de lazer, já falei com eles mas não se resolve o que faço, tem alguma lei que favoreça o morador sobre esta queixa.

  • 0
    Tania Marcia Oliver

    Tania Marcia Oliver Quinta, 09 de junho de 2016, 13h12min

    Tem de chamar o concelho sim, afinal de contas é garantir o bem estar das próprias crianças, isto não é hora para crianças e adolescentes estarem na rua sem adultos por perto, é um dever do Estado protege - las visto que, os pais não estão fazendo, não falo nem pela questão dos barulhos, mas sim, do perigo em estarem a "deriva", tao vulneráveis. O conselho provavelmente ira responder que não tem obrigação de educar, pelo menos é o que respondem em minha cidade, no entanto eles tem obrigação a função de como conselheiros tutelares de proteger a criança e o adolescente, e tirar da rua também por hora avançada e por algazarra e/ou alvoroço(barulhos) pertubações e resguarda-los de um mal maior.

  • 0
    Dandara Siqueira

    Dandara Siqueira Quarta, 06 de julho de 2016, 20h06min

    Compreendo que são crianças, porém da mesma forma que elas têm total direito de brincar, nós temos total direito ao repouso, passamos o dia inteiro trabalhando ou estudando, as vezes os 2.. Temos direito de chegar em casa e poder dormir uma boa noite de sono sem os incômodos gritos de crianças as 23:00.. Não é o caso de falar com os pais, porque a menos que sejam deficientes auditivos eles escutam o barulho de seus filhos na rua. Deve-se chamar o conselho tutelar, porque o problema está nos pais que permitem este tipo de libertinagem vinda de seus filhos.

  • 0
    Naiara Valéria Moraes

    Naiara Valéria Moraes Sábado, 06 de agosto de 2016, 12h47min

    Sofro com isso também. É complicado !!!
    As crianças daqui de casa nunca em cômodou ninguém e tenho que aturar esses vizinhos.
    Já fui criança e também nunca perturbei o sossego alheio pois minha mãe me deu educação.
    Rua é para carro , a não ser que fosse rua de lazer mais também teria que ter dia e horário.
    Aí vem alguém e atropela e ainda é culpa do condutor. Isso é um absurdo.

  • 0
    Marcos Brito da Silva

    Marcos Brito da Silva Segunda, 05 de setembro de 2016, 19h45min

    Acho incrível a irresponsabilidade de alguns pais, e mães. Aqui em frente de minha casa chegam crianças da rua vizinha para jogar queimado, e futebol em frente a minha casa, não possuo garagem, e já quebraram meu retrovisor, e a grade de acabamento da porta do meu carro, nessas horas não aparece um culpado, e muito menos os pais de pelo menos um deles.
    Muito triste estes pais largarem os filhos a toda sorte de perigos, sem ao menos aparecer de vez em quando pra ver o que estão fazendo .
    Tenho certeza que quando um for atropelado, e morrer, vai aparecer um monte, querendo saber como foi, e quem foi, cheio de lágrimas nos olhos, imaginando o que farão com os 13.700 de indenização.

  • 0
    M

    Marcio Carreiro Domingo, 25 de setembro de 2016, 15h04min

    São crianças eu sei eu ja fui também,eu também ja fui triste, mas aqui no caso tem uma rua e uma utra que faz tipo um x de um lado sobe e desçe e do outro também e forma com se fosse uma pracinha e para a minha casa tem um escada bem grande ai então eles brincam de dia de noite de manhã,chovendo ou não,tem meninos e meninas pareçe que nem tem casa vc pede vc fala com os pais e nada,sabemos que eles tem que brincar,ja pedimo briquem fazem bastante barulho seus pais não estão nem ae mesmo nem moram aqui perto,mas pedimoS que não façam sujeira não joguem pedras mas não adianta,outro dia quase acertou a dona estendendo roupa no varal impossivel corrigir se os pais não impões limites ai como não tem jeito a lei é so para eles nos não temos direitos, vamos ter que mudar DAQUI PRA ROÇA TAL VEZ LA PAREÇEM QUE SÃO EDUCADOS.

  • 0
    Jack Alves

    Jack Alves Quarta, 23 de novembro de 2016, 16h48min

    Se julianna queria ver se fosse vc,eu sofro com o mesmo problema que ele,é chato desconfortante e inquietante,sempre que estou quieto no meu canto ouço a bola batendo no meu portão e horrível

Essa dúvida já foi fechada, você pode criar uma pergunta semelhante.