Este texto foi publicado no Jus no endereço https://jus.com.br/artigos/23839
Para ver outras publicações como esta, acesse https://jus.com.br

Exposição e análise crítica da teoria eclética de Enrico Liebman: a necessária releitura das condições da ação

Exposição e análise crítica da teoria eclética de Enrico Liebman: a necessária releitura das condições da ação

Publicado em . Elaborado em .

O problema da verificação das condições da ação é relativo ao mérito da causa; afinal, como é lição da Teoria Geral do Processo, o provimento judicial que reconhece a inexistência de direito que reclame tutela jurisdicional é decisivo do mérito. Mas na Teoria Eclética de Liebman, tal diferenciação é impossível.

Resumo: O presente artigo tem por finalidade estudar os principais aspectos da Teoria Eclética da ação, de Enrico Liebman, demonstrando as múltiplas incongruências teóricas que contém e analisando os inconvenientes de sua adoção pelo vigente Código de Processo Civil. Far-se-ão, também, propostas tendentes à promoção de uma reformulação da referida teoria, de forma a adequá-la aos imperativos da Ciência Processual, bem como sugestões de modificações no regramento legal da matéria, especialmente no que concerne à produção de coisa julgada material. A base de tal reformulação é a exclusão das condições da ação como categoria processual autônoma e sua inclusão no mérito.

Palavras-chave: Direito de ação. Teoria Eclética de Liebman. Condições da ação.


1 INTRODUÇÃO

O tema da natureza jurídica do direito de ação é, sem dúvida, um dos mais fascinantes e tormentosos da ciência processual. Em mais de cento e cinquenta anos de estudos, pouquíssimo consenso doutrinário se formou sobre o assunto: para além da virtual unanimidade da tese da autonomia da ação em relação ao direito material, em praticamente nada concordam os processualistas. Nem mesmo a concepção da ação abstratamanteve-se reinante no meio científico por muito tempo;se os ataques das teorias concretas do direito de ação não foram suficientes para abalar-lhe os fundamentos, a notável difusão da Teoria Eclética de Liebman promoveu, no mínimo, a revisão do rigor de suas proposições.

A adoção desta última corrente dogmática pelo Código de Processo Civil de 1973, ainda que tenha sobrevivido às reformas que se seguiram, não foi capaz de dirimir as controvérsias que circundam o tema.Diversas vozes no âmbito doutrinário têm, ainda, a ousadia de levantar-se contra o ensinamento hegemônico e apontar-lhe as falhas – que, diga-se de passagem, não são poucas.

A teoria de Liebman encanta por sua complexidade, mas não consegue fornecer respostas satisfatórias aos questionamentos que lhe são feitos; a sedutora ideia de impor condições à ação não se sustenta e leva a conclusões absurdas, que desafiam a própria lógica do ordenamento jurídico.Uma análise mais detida sobre o tema leva à inevitável conclusão de que a manutenção das condições da ação como categoria jurídica independente é, no mínimo, desprovida de fundamentação científica.A melhor atitude seria, certamente, eliminá-las do Direito pátrio, situando-as no campodo mérito, como ficará demonstrado nas páginas que se seguem.


2 ASPECTOS GERAIS DA TEORIA ECLÉTICA

Inicialmente, faz-se necessário compreender que a Teoria Eclética relaciona-se intimamente ao estágio de evolução do Direito Processual da época de sua elaboração.Liebman desenvolveu suas teses em uma atmosfera de transição entre as fases autonomista e instrumentalista do desenvolvimento histórico da ciência do processo, momento em que se passava a entender o Direito Processualde acordo com os resultados práticos por ele produzidos no campo dos direitos materiais (CINTRA; DINAMARCO; GRINOVER, 2012, p. 52). Superava-se, nesse período, a noção de completa separação e independência entre os ramos processual e substancial, dominante até meados do século XX, com a introdução da ideia de que o processo e os institutos a ele correlatos possuem natureza instrumental, isto é, de realização e concretização do direito material.

A Teoria Eclética é uma clara demonstração das tendências desse momento histórico. Mesmo reconhecendo o caráter autônomo e (relativamente) abstrato[1] do direito de ação, Liebman postulou a necessidade de que tal direito dialogasse, de alguma forma, com a esfera material. Suas teses, em verdade, representam a inclinação da doutrina processualista de sua época em direção à relativa aproximação entre os planos processual e substancial. Afinal, como bem anota Carreira Alvim (1997, p. 120), toda a formulação teórica das condições da ação tem por fundamento a noção de que o processo se desenvolve a partir de um caso concreto e, portanto, deve ser compreendido com base neste, e não de forma completamente isolada.

Feitas essas considerações iniciais, impende ressaltar que Liebman identifica, a princípio, um direito constitucional de provocar a atuação do Estado-juiz para tutelar os direitos e interesses jurídicos garantidos pelo ordenamento positivo. A Constituição Italiana, que lhe serviu de modelo de estudo, positiva essa possibilidade em seu art. 24, de conteúdo bastante semelhante ao do inciso XXXV do art. 5° de nossa Constituição Federal. Não é isso, entretanto, que Liebman entende por ação. Enquanto o direito constitucional de convocar o Poder Judiciário a agir é, a priori,praticamente ilimitado e incondicionado, o direito à ação processual, sobre o qual o processualista italiano desenvolveu toda a sua teoria, tem conteúdo bastante diverso.Para além da simples provocação dirigida ao Estado-juiz, a ação de Liebman consubstancia-se no direito ao pronunciamento de mérito(LIEBMAN, 1985, p. 151).

A ação processual, por conseguinte, seria uma espécie de expansão conceitual do direito constitucional de requisitar a tutela jurisdicional, consistindo no direito à manifestação estatal quanto à procedência ou não do pedido realizado pelo autor. Note-se que tanto a sentença de mérito que lhe conceda a tutela jurisdicional solicitada como a que a denegue satisfazem perfeitamente o direito de ação; a procedência do pedido lhe é indiferente. Aproxima-se Liebman, nesse particular, das teorias abstratas, desvinculando o exercício da ação daexistência do direito material.

A ação processual não gozaria, contudo, do mesmo status de incondicional que é atribuído ao direito constitucional de agir, sendo por Liebman compreendida como um direito condicionado elimitado[2].

O jurista italiano entende que tal direito dirige-se ao Estado, e não à contraparte na relação jurídica material. Essa concepção, na verdade, não é de sua autoria; já Theodor Muther, na segunda metade do século XIX, argumentava que o direito de açãotinha como destinatário primeiro o Estado-juiz. O curioso é que, mesmo reconhecendo a natureza de direito subjetivo público à ação processual, Liebman compreende que o Estado não se encontra vinculado à prestação jurisdicional, sob o fundamento de que o ente estatal também possui interesse na resolução do conflito de interesses que lhe é trazido à análise (LIEBMAN, 1985, p. 152). Ou seja, ainda que o particular tenha direito à manifestação estatal, Liebman não consegue visualizar o correspondente dever do Estado-juiz, em virtude do interesse deste último na solução pacífica das disputas entre os membros da sociedade[3].

Quanto à estrutura da ação processual, a Teoria Eclética não introduziu grandes inovações no meio científico, limitando-se à assimilação das teses que já imperavam na doutrina processualista desde o começo do século do XX. Para Liebman (1985, p. 151), três são os elementos que formam a ação: os sujeitos, ou seja, as partes que integram a lide; o pedido, correspondente à tutela jurídica solicitada ao Judiciário para atender às necessidades do direito material alegado pelo autor; e a causa de pedir, composta pelo conjunto de situações fáticas e jurídicas que embasam as arguições do ajuizador da demanda e justificam a titularidade do direito que afirma possuir. Reconhece-se, na hodierna ciência processual, o fracionamento da causa de pedir em duas (CINTRA; DINAMARCO; GRINOVER, 2012, p. 292): a remota, relacionada à relação jurídica base que envolve os sujeitos do processo (uma relação contratual, por exemplo), e a imediata, que consiste nas circunstâncias fáticas que indicam violação ou ameaça ao direito do autor (de forma exemplificativa, o inadimplemento da prestação combinada no contrato).

Essa classificação tripartite, bem comoa divisão das causas de pedir, remonta ao trabalho de Giuseppe Chiovenda (2002, p. 51 e s.), que anos antes já postulava que a ação formava-se a partir dos sujeitos, do objeto (o “pedido” de Liebman) e da causa da ação (a “causa de pedir”, por óbvio). A Teoria Eclética, dessa forma, apenas fez pequenas adaptações terminológicas às proposições de Chiovenda, sem introduzir algo realmente novo.

Os aspectos gerais explicitados neste tópico são, sem dúvida, relevantes para a melhor compreensão das teses de Enrico Liebman. Todavia, o ponto central da corrente dogmática por ele inaugurada é, sem dúvida, o das condições da ação, tema sobre o qual se debruçarão os itens seguintes.


3 AS CONDIÇÕES DA AÇÃO

A Teoria Eclética, à primeira vista, apresenta-se como uma doutrina puramente abstrata do direito de ação, não vinculandosua existência a um pronunciamento de mérito favorável, que reconheça o direito material alegado pelo autor.É justamente no ponto das condições da ação, entretanto, que Liebman distancia-se das correntes abstratas tradicionais e aproxima-se, de certa forma, do pensamento concretista. O direito de ação, em sua construção científica, não decorre somente da capacidade jurídica (DIDIER JÚNIOR, 2006, p. 174), sem se relacionar de forma alguma com o plano material; pelo contrário, a própria existência da ação condiciona-se ao atendimento de certos requisitos a serem verificados na esfera do Direito Substancial[4].A esses “requisitos constitutivos” (LIEBMAN, 1985, p. 162) dá-se o nome de condições da ação.

Merece o adjetivo de eclética a referida teoria. A aproximação entre os planos processual e material por ela promovidatorna-se nítida; como bem anota o professor Luiz Guilherme Marinoni (2012, p. 175), ao instituir as condições da ação Liebman colocou-se “na metade do caminho daqueles que, de um lado, entendem que a ação depende do efetivo reconhecimento do direito material, e daqueles outros que sustentam que a ação é um direito de agir totalmente abstrato”.Ainda que não se filie ao concretismo puro (defendido principalmente por Adolf Wach e Giuseppe Chiovenda), Liebman vincula a existência da ação ao atendimento das condições;o ajuizador de uma demanda judicial que não satisfizer as condições impostas por Liebman é, na ótica da Teoria Eclética, carente de ação.Mais além, diz-se que a ação processual, nos casos de carência, sequer existiu.

Para Cândido Rangel Dinamarco (2006, p. 306), a instituição das condições da ação tem por objetivo a otimização da atividade processual, obstando que demandas judiciais sem qualquer possibilidade de êxito se desenvolvam e cheguem ao momento do julgamento de mérito.Consequentemente, quando colocado diante de uma solicitação de tutela jurisdicional que não possua mínimas condições de viabilidade,deverá o Estado-juiz extinguir preliminarmente o feito e declarar carecedor de ação aquele que ajuizou a demanda. Tem razão Fredie Didier Júnior (p. 20)[5] quando afirma que a decisão que reconhece o não cumprimento das condições da ação é, basicamente, um julgamento antecipado da lide, o que, em tese, pouparia tempo e recursos do Judiciário.

Extremamente controverso é o pensamento de Liebman no que tangeà natureza jurídica do pronunciamento judicial que declara a carência de ação. Note-se que, para o processualista italiano, jurisdição, ação e processo são conceitos umbilicalmente atrelados, de modo que nenhum deles pode sequer existir – muito menos se manifestar na prática – sem os demais. Não é possível, portanto, que haja jurisdição, tampouco processo, sem ação. E, conforme exposto nos parágrafos anteriores, a não ocorrência das condições da ação leva à inexistência desta última; sendo a ação inexistente, deste modo, não há que se falar em jurisdição e processo. Na Teoria Eclética, a decisão que declara a carência de ação, por conseguinte, não possui natureza jurisdicional e nem ocorre no âmbito de um processo. Liebman só enxerga jurisdição na sentença que decide o mérito da causa (MARINONI, 2012, p. 175)[6], sem definir com clareza o caráter das atividades judiciais que a precedem.

A própria verificação da ocorrência das condições da ação, por parte do julgador, é um dos temas mais mal explicados da Teoria Eclética. Isso porque, segundo osensinamentos de Liebman, as referidas condições poderiam ser aferidas pelo juiz a qualquer momento, e não necessariamente em uma análise preliminar, de cognição superficial, em face das alegações do autor. O jurista italiano, aliás, prega que as condições da ação devem ser analisadas de acordo com a realidade dos fatos, exigindo, conforme o caso, instrução probatória.Embora à primeira vista possa parecer inofensiva, essa concepção conduz a conclusões absurdas, que desafiam toda a lógica do sistema jurídico[7].

É imperioso destacar que três eram as condições da ação quando da formulação original de Liebman: a legitimidade das partes, o interesse de agir e a possibilidade jurídica do pedido. Entretanto, com a superveniente permissão legal para a realização do divórcio no Direito Italiano[8], o referido autor decidiu extinguir a possibilidade jurídica como categoria autônoma e incluí-la no conceito de interesse. O Código de Processo Civil de 1973, porém, adotou todas as três condições, mencionando sua não ocorrência como causa de extinção do processo sem julgamento de mérito,conforme a dicção do art. 267, VI, razão pela qual abordar-se-á cada uma delas em tópicos separados.

3.1 A legitimidade das partes

A legitimidade das partes, também chamada de legitimidade ad causam, tem como regra conceitual geral a identidade entre os titulares da relação jurídica material levada à análise do Judiciário e os sujeitos integrantes da relação jurídica processual (BUENO, 2012, p. 408), nos dois polos – ativo e passivo – que a compõem. Carreira Alvim (1997, p. 122), com acerto, defende que a característica principal da legitimidade é, justamente, a bilateralidade subjetiva, isto é, o necessário envolvimento dedois polos de interesses tanto no plano substancial como no processual.Deve-se, portanto, investigar não só se o autor é quem possui a legitimidade para agir, mas também se o réu é quem ocupa a posição oposta na relação jurídica.É justificável, à luz dessas considerações, falar-se em duas espécies de legitimidade ad causam: a legitimidade ativa, isto é, a que diz respeito ao autor, e a passiva, relacionada ao réu.

Perceba-se que a perfeita identidade entre os titulares das relações jurídicas de direito material e processual, conquanto seja a regra geral, não é de forma alguma absoluta; o ordenamento jurídico admite, em situações específicas, que os sujeitos da ação sejam diversos daqueles envolvidos na relação substancial.São os casos de legitimação extraordinária, admitida pelo art. 6° do Código de Processo Civil, em que se atribui a uma pessoa ou entidade a legitimidade para defender, em nome próprio, direito pertencente a outrem. É digno de menção o assunto; enfrentá-la com maior profundidade, todavia, escaparia aos escopos do presente artigo.

O fundamento que rege a legitimidade das partes é bastante lógico; é necessário saber, desde logo, se as pessoas sobre as quais o pronunciamento jurisdicional produzirá seus efeitos são, realmente, aquelas que integram a situação fático-jurídica descrita pelo autor na causa de pedir. Além de um imperativo de justiça, tal exigência é ínsita aos próprios pilares que sustentam o Direito: uma sentença favorávelao autor não legitimado levaria à fruição, por parte dele, de direito que não lhe pertencia; de forma análoga, a decisão judicial que condenasse o réu sem legitimidade passiva representaria uma inconstitucional intervenção estatal na sua posição jurídica. Nenhuma dessas situações seria, em qualquer hipótese, desejável.

Em suma, a legitimidade ad causam é, nas palavras de seu idealizador, a “pertinência subjetiva da ação” (LIEBMAN, 1985, p. 159).

3.2 O interesse de agir

Conhecido igualmente por interesse processual, o interesse de agir consubstancia-se na necessidade da tutela jurisdicional solicitada ao Estado-juiz para trazer alguma vantagemà situação jurídica do autor, propiciando, como bem assinala Cândido Rangel Dinamarco (2006, p. 309), “uma melhora em sua situação na vida comum”.

Podem ser extraídos, do parágrafo anterior, os dois componentes básicos do interesse de agir, conforme a doutrina dominante: o interesse-necessidade e o interesse-utilidade.

O primeiro refere-se à impossibilidade de empregar método diverso da atuação do Estado-juiz para sanar a situação antijurídica afirmada pelo ajuizador da demanda. Na precisa lição de Fredie Didier Júnior (2006, p. 190), a jurisdição deve ser vista como ultima ratio no âmbito da resolução dos conflitos, de modo que somente lhe sejam levadas as causas que requeiram, de forma imprescindível, sua manifestação.Existindo, portanto, outro meio (que não a jurisdição estatal)capazde solucionar a lesão (ou ameaça) ao direito alegado pelo autor, a tutela jurisdicional não será, a priori, necessária.

O interesse-utilidade, por sua vez, concerne à idoneidade da jurisdição estatal para conferir efetiva tutela jurídica ao direito material de que o autor diz ser titular; traduz, dessa forma, a possibilidade de a atuação do Estado-juiz promover uma real melhora na situação do ajuizador da demanda, colocando-o em uma posição vantajosa (BUENO, 2012, p. 411).

Liebman ainda contempla, embora sem desenvolver muito o tema, um terceiro componente do interesse processual: o interesse-adequação, que se refere à relação de fomento entre o provimento jurisdicional solicitado e a proteção do direito material do autor. O processualista italiano acreditava que “seria uma inutilidade proceder ao exame do pedido para conhecer (ou negar) o provimento postulado, [...] quando [este] fosse em si mesmo inadequado ou inidôneo a remover a lesão” (LIEBMAN, 1985, p. 155, supressão e acréscimo nossos).

Saliente-se também que o interesse processual possui natureza nitidamente instrumental em relação ao direito material para o qual se pede proteção. Explique-se: tendo por objeto uma tutela jurisdicional, o interesse de agir não se confunde, de forma alguma, com o interesse substancial do autor. Essas duas espécies de interesse, na verdade, recaem sobre situações jurídicas completamente distintas: a primeira, sobre uma relação de Direito Processual, em que se solicita determinada atuação do Estado-juiz; a segunda, sobre o plano do Direito Material, ou seja, sobre a fruição de determinado bem da vida que foi lesionado ou ameaçado de lesão.

O credor de um devedor inadimplente, por exemplo, tem o interesse material de ver seu crédito devidamente pago, para que possa desfrutar dos benefícios que desse pagamento advêm; seu interesse processual, por outro lado, deriva da necessidade de requerer ao Estado-juiz a concessão de uma específica tutela jurisdicional para colocá-lo (o credor) em uma situação mais vantajosa que a anterior.

É lícito concluir, portanto, que o “interesse de agir é [...] um interesse [...] secundário e instrumental em relação ao interesse substancial primário” (LIEBMAN, 1985, p. 155, supressões nossas), independente do plano material e possuidor de um objeto diverso daquele do interesse substancial.

3.3 A possibilidade jurídica do pedido

Esta condição da ação consiste na não vedação, por parte do ordenamento jurídico, da tutela jurisdicional solicitada pelo autor. Vale dizer: a possibilidade jurídica do pedido não se consubstancia na existência, no Direito Positivo, de um dispositivo que autorize a concessão de determinada tutela, mas sim na inexistência de uma cláusula que a proíba (DIDIER JÚNIOR, 2006, p. 178).

A expressão “do pedido” soa assaz limitadora; isso porque, diante do estudo (empreendido, como visto, pelo próprio Liebman) dos elementos que constituem a ação, fica claro que tantoo pedido em si quanto a causa de pedir podem resultar na impossibilidade jurídica do provimento jurisdicional requisitado (BUENO, 2012, p. 413). É o caso, por exemplo, do credor que ingressa em juízo para cobrar uma dívida de jogo: seu pedido (qual seja, a condenação do devedor ao pagamento), abstratamente considerado, não é vedado pelo Direito; a situação fático-jurídica que o fundamenta, entretanto, torna impossível ao Estado-juiz a concessão da tutela desejada pela autor.Dessa forma, o termo “pedido”, constante da formulação original de Liebman, deve ser interpretado extensivamente, de maneira a abranger, também, a causa de pedir. Tal conclusão é inevitável; pensamento diverso atacaria frontalmente os pilares da condição da ação em estudo.

Veja-se o que o processualista italiano entende por possibilidade jurídica do pedido, na exposição constante de seu famoso Manual(LIEBMAN, 1985, p. 161): “o terceiro requisito da ação é representado pela admissibilidade em abstrato do provimento pedido, isto é, pelo fato de incluir-se entre aqueles que a autoridade judiciária pode emitir, não sendo expressamente proibido”.Esse enunciado confirma as afirmações feitas no parágrafo anterior; afinal, sendo o pedido amparado por uma causa de pedir juridicamente impossível, não poderá a “autoridade judiciária” conceder a tutela jurisdicional solicitada pelo autor.


4 CRÍTICA À TEORIA ECLÉTICA E ÀS CONDIÇÕES DA AÇÃO

Conquanto tenha sido aceita pela maior parte da doutrina e adotada pelo Código de Processo Civil, a Teoria Eclética não logrou a aceitação unânime dos estudiosos da Ciência Processual, sendo alvo de inúmeras críticas. Ainda que seduza à primeira vista, seus postulados não resistem a um exame mais criterioso e aprofundado; a plena aceitação de suas propostas leva a conclusões que, no mínimo, desafiam a lógica jurídica.

É possível, considerando-se apenas a aplicação prática da referida teoria no cotidiano forense, que se façam algumas adaptações à construção original de Liebman, bem como ao tratamento legal da matéria, de modo a torná-la aceitável. Cientificamente, porém, é bastante complicado – quiçá impossível – defender a existência da Teoria Eclética; o melhor seria extingui-la definitivamente, prosseguindo na árida busca por alguma corrente dogmática que explique de forma satisfatória a natureza jurídica do direito de ação.

A primeira crítica que pode ser dirigida à teoria em questão toma por base uma contradição interna na exposição de Liebman, isto é, a defesa de uma ideia que discrepadaquilo que o próprio autor afirma. Como se disse no tópico 2, supra, o processualista italiano define a ação processual como um direito subjetivo público,dirigido ao Estado, portanto, para logo em seguida dizer que este último não se encontra vinculado a tal direito.

O problema é que um direito subjetivo, por sua própria constituição ontológica, tem por base a exigibilidade de determinada prestação ou abstenção; o direito que não é dotado de atributividade, isto é, da possibilidade de seu titular exigir a prestação ou abstenção a que se vinculou a contraparte, não é direito subjetivo. A concepção de um direito subjetivo sem um dever correspondente a ser cumprido pelo outro sujeito da relação jurídica repugna os fundamentos da Teoria Geral do Direito. Liebman até poderia, se fosse o caso, defender a tese de que o direito de ação possui natureza sui generis, dirigindo-se ao Estado sem vinculá-lo; seu pensamento, assim, seria pelo menos internamentecoerente. Entretanto, dizer que a ação processualconsiste num direito subjetivo e que, ao mesmo tempo, seu destinatário não está a ele obrigado, é um sensível contrassenso.

Ademais, a própria ideia da não vinculação estatal à prestação jurisdicional(uma vez provocada a jurisdição, é claro), sob o frágil argumento de que o Estado-juiz também possui direto interesse na pacificação social, é de difícil sustentação.Como bem salienta o professor Moacyr Amaral Santos (2011, p. 192), não há incompatibilidade alguma entre o interesse estatal na resolução pacífica dos conflitos e seu dever de manifestar-se quando invocado.

Ada Pellegrini Grinover, Antônio Carlos Cintra e Cândido Rangel Dinamarco (2012, p. 315), em defesa de Liebman, afirmam que se o Estado estivesse vinculado ao direito de ação ter-se-ia, nos casos de ação penal pública (promovida pelo Ministério Público), direito do Estado contra o próprio Estado. Não lhes assiste razão; o destinatário do direito da ação éna verdadeo Estado-juiz, ente não personificado (DIDIER JÚNIOR; GOMES JÚNIOR; WAMBIER, 2007, p. 560), enquanto seu titular, no caso da ação penal pública, é o Ministério Público – entidade completamente diferente, que sequer integra, propriamente, a estrutura do Poder Judiciário[9].

O próximo ponto problemático da Teoria Eclética é o que se refere à natureza jurídica da decisão judicial que reconhece a carência de ação. Para Liebman, conforme a exposição do tópico 3, supra, só há verdadeiro exercício da jurisdição na sentença que se debruça sobre o mérito da causa, afirmando a procedência ou não do pedido do autor; a que declara a inocorrência das condições da ação, dessa forma, não é jurisdição – e, como necessária consequência, não foi proferida no âmbito de um processo.

Tem-se, portanto, uma verdadeira vexata quaestio diante da decisão judicial que verifica a carência de ação: apesar de ter havido provocação do Judiciário, não se poderia dizer que o ajuizador da demanda exerceu direito de ação, posto que ausentes suas condições; jurisdição, igualmente, não teria ocorrido, já que para Liebman só é jurisdicional a sentença que decide o mérito da causa; além disso, tais atividades não teriam se desenvolvido em um processo, mas sim em algo (?) de caráter diverso. Explicar a natureza jurídica de todos esses atos, como se percebe, seria uma tarefa demasiadamente difícil, exigindo uma completa reformulação de toda a Teoria Geral do Processo.

Liebman, entretanto, não o faz; diante de todos esses aspectos polêmicos de sua proposta científica, o processualista italiano silencia.Não nos fornece respostas sobre qual é a atividade estatal desempenhada quando da verificação das condições da ação, já que jurisdição não é, tampouco explica o que provoca a atuação do Estado-juiz nos casos de carência de ação, uma vez que esta última, nessas situações, sequer existiu. Ademais, também fica sem resposta a qualificação que deve ser atribuída ao conjunto de atos que culminou com a sentença terminativa que declara o ajuizador da demanda carente de ação, pois processo não pode ser.

O silêncio de Liebman é, na verdade, extremamente eloquente: expressa, em suma, que não há resposta plausível para tais questionamentos.

Ressalte-se, comodito no tópico 3, supra, que a noção de não enxergar processo, ação e jurisdição nos casos de carência de ação é, dentro do sistema da Teoria Eclética, coerente; entretanto, como restou demonstrado nos parágrafos acima, tal concepção é insustentável diante dos imperativos da Ciência Processual.

Outro aspecto controverso da Teoria Eclética é o que concerne à profundidade da cognição judicial a ser desempenhada pelo juiz no momento da verificação da ocorrência das condições da ação. Para Liebman, estas devem ser aferidas pelo juiz em face do conjunto fático-probatório, e não somente diante das alegações do autor, o que leva à conclusão de que até mesmo depois de toda a fase de instrução e produção de provas o ajuizador da demanda poderá ser declarado carente de ação. O princípio da economia processual, que norteia as condições da ação, perde sentido em uma situação assim. Além disso, perceba-se que a efetiva prova da real ocorrência das referidas condições, isto é, que o autor verdadeiramente reúne todas elas, implica, necessariamente, a prolação de uma sentença de mérito que lhe seja favorável.

Bastante elucidativo é o seguinte exemplo: se o autor é mesmo credor e o réu devedor na relação jurídica material (legitimidade ad causam), se a dívida genuinamenteexiste, é exigívele não há outro meio de obter seu pagamento (interesse de agir) e se o pedido feito não é proibido pelo Direito (possibilidade jurídica do pedido), o Estado-juiz terá de decidir a lide em favor do autor.Os professores Ovídio Baptista da Silva e Fábio Gomes (2009, p. 107 e s.) bem afirmam que não conseguem imaginar como, diante de um caso em que o autor verdadeiramente comprove que atendeu todas as condições da ação, o juiz possa prolatar uma sentença de improcedência. A prova das condições é uma questão de mérito, que leva à detalhadainvestigaçãoda relação jurídica material levada à análise do Judiciário. Voltando ao caso do credor que ingressa em juízo com uma ação de cobrança: se fosse provado que a dívida por ele exigida já se encontrava prescrita, o autor, na ótica de Liebman, receberia uma decisão que o reconhecesse carente de ação (por impossibilidade jurídica do pedido/falta de interesse de agir), e não uma sentença de improcedência.

Aceitando-se sem ressalvas os postulados da Teoria Eclética, portanto, todas as decisões judicias denegatórias poderiam ser reduzidas a meros pronunciamentos de carência de ação. Afinal, após a instrução probatória, sempre que restasse provado que o pedido do autor é improcedente, seria possível encaixar a fundamentação da improcedência na falta de alguma das condições da ação. Isso porque, de certa forma, todos os casos de sentenças denegatórias podem ser enquadradas como reconhecedoras da impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que não é juridicamente possível conceder tutela jurisdicional ao direito material do autor que, segundo as provas, não tem razão.

Em resposta a essa grande incongruência dos ensinamentos de Liebman a doutrina nacional desenvolveu a chamada Teoria da Asserção, segundo a qual as condições da ação devem ser aferidas em face do que o autor afirmou na petição inicial – e não a partir do que restou provado nos autos, como queria o processualista italiano. Essa corrente dogmática ganhou grande apoio no meio científico e nos pretórios pátrios, que a adotam plenamente. O próprio Superior Tribunal de Justiça já consolidou sua aplicabilidade, ao estabelecer que “como se sabe, aplica-se a teoria da asserção em relação às condições da ação”[10].De fato, no âmbito do Direito Positivo e do cotidiano forense, a Teoria da Asserção é a melhor opção para atender ao comando do art. 267, VI, do Código de Processo Civil.

Isso porque, de acordo com o caput do art. 268, a decisão que reconhecer a carência de ação não produz coisa julgada material – e este é, sem dúvida, um dos dispositivos mais ilógicos de toda a legislação processual.Afinal, o espeque teórico das condições da ação de Liebman é, justamente, a promoção da economia processual, o impedimento a que ações sem quaisquer chances de êxito tomem tempo e recursos do Estado-juiz. O legislador brasileiro encontrou uma forma bastante peculiar de fazer isso: permitindo que o autor, declarado carente de ação por decisão judicial, ajuíze a mesma demanda – partes, pedido e causa de pedir idênticos – quantas vezes quiser. Dizer que tal solução foi incoerentesoa quase como um elogio.

Adotando a Teoria Eclética inteiramente, isto é, aferindo as condições da ação em face das provas produzidas, chegar-se-ia à inevitável conclusão de que jamais se produziria coisa julgada material nas decisões de improcedência do pedido do autor. Isso porque a prova das condições da ação – exigida por Liebman – diz respeito ao mérito da causa; portanto, se o juiz lhe negasse a tutela jurisdicional (já que tal decisão poderia ser reduzida à declaração de ausência de uma das condições da ação, no mínimo à impossibilidade jurídica do pedido, como se argumentou acima)seu pronunciamento não produziria coisa julgada material. O caos jurídico reinaria; a criatividade do legislador pátrio, somada às incongruências de uma teoria extremamente falha, seria capaz de destruir quase todo o sistema jurídico brasileiro. A Teoria da Asserção, dessa forma, é a melhor saída, a nível prático, para solucionar esse enorme problema[11].

Cientificamente, entretanto, nem mesmo essa corrente dogmática é capaz de solucionar os vícios da Teoria Eclética.Na verdade, não há diferença ontológica alguma entre o pronunciamento judicial que declare a inocorrência das condições da ação e o que julgue improcedente o pedido do autor. Cumpre, novamente, trazer à baila o entendimento de Fredie Didier Júnior (p. 20)[12], segundo o qual o reconhecimento da carência de ação é, basicamente, um julgamento antecipado do conflito, evidenciando, antes da sentença de mérito, que o autor não possui direito material a ser tutelado. Em outras palavras, diz-se ao ajuizador da demanda que ele não é titular de uma pretensão material juridicamente protegida, apta a chamar sobre si a proteção do Estado-juiz.Constatar a ilegitimidade ativa do autor (isto é, o fato de que ele não é titular da relação jurídica material deduzida em juízo), por exemplo, é exatamente a mesma coisa de constatar que ele não possui, naquele caso, direito substancial algum a ser tutelado.O mesmo se diga da impossibilidade jurídica do pedido ou da falta de interesse processual.

O problema da verificação das condições da ação, como se vê, é relativo ao mérito da causa; afinal, como é lição comezinhada Teoria Geral do Processo, o provimento judicial que reconhece a inexistência de direito que reclame tutela jurisdicional é decisivo do mérito.

Fica difícil, assim,diferenciar condições da ação e mérito da causa; na Teoria Eclética de Liebman tal diferenciação é literalmente impossível, já que o processualista italiano exige a efetiva prova das condições – e isso, como visto, culmina na própria resolução da lide. O único meio possível de diferenciar condições e mérito, portanto, é fornecido pela Teoria da Asserção; as condições seriam dados do plano material aferidos diante das afirmações do autor, enquanto o mérito consistiria no conjunto dos mesmos dados, só que verificados diante das provas produzidas. Distinguir condições e mérito através de um critério tão frágil é totalmente desarrazoado; a relação entre esses dois conceitos seria marcada, no mínimo, por um enorme grau de indefinição, haja vista que se aquilo que foi afirmado pelo autor – referente às condições da ação – fosse posteriormente provado, ter-se-ia a transmutação das condições emmérito após a instrução probatória. Se, todavia, o autor não fosse capaz de provar o que disse, as condições da ação permaneceriam apenas em estado potencial, abstrato, baseadas somente nas (falsas) alegações do ajuizador da demanda. Perceba-se o imbróglio jurídico criado por essa concepção.

Melhor seria, portanto, extinguir as referidas condições como categoria processual autônoma, eliminando-as do ordenamento pátrio. Essa tese é reforçada pelo fato de que todas elas são conceitos que, necessariamente, pertencem ao Direito Material. É no plano substancial que se descobrem os titulares da relação jurídica, que se verifica se o direito material alegado pelo autor é suscetível de ser tutelado pelo Estado-juiz e que se averigua a possibilidade de o provimento jurisdicional conduzir o ajuizador a uma posição jurídica mais vantajosa que a anterior. Todos esses dados, repita-se, não pertencem à esfera processual, mas sim à material – e é em face desta que eles adquirem sentido; são, portanto, questões de mérito.


5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

As condições da ação, diante do que foi exposto, não merecem subsistir como categoria processual autônoma; elas são, claramente, problemas de mérito.Sua existência, como restou demonstrado, conduz a irrespondíveis questionamentos, como os que se referem à natureza do provimento judicial que reconhece a carência de ação e ao caráter do conjunto de atos ocorridos entre o ajuizamento da demanda e a sentença terminativa. Os equívocos cometidos pelo legislador pátrio somam-se às inconsistências científicas da Teoria Eclética e criam um quadro verdadeiramente vergonhoso no Direito Processual. O direito de agir é, em sua essência, incondicional; não há como admitir que se possa declarar, depois de impetrada uma ação, que o seu sujeito ativo é dela carecedor – menos ainda quando os elementos que impuseram essa carência são, como explicitado, referentes ao mérito da causa.

As referidas condições, portanto, devem ser urgentemente eliminadas do ordenamento jurídico brasileiro, de forma a conferir um pouco mais de coerência e lógica ao nosso sistema processual.


REFERÊNCIAS

ALVIM, José Eduardo Carreira. Elementos de teoria geral do processo. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de direito processual civil: teoria geral do direito processual civil.6. ed. São Paulo: Saraiva, 2012 (v. 1).

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil: as relações processuais e a relação ordinária de cognição. 3. ed. Campinas: Bookseller, 2002. (v.1).

CINTRA, Antônio Carlos Araújo; DINAMARCO, Cândido Rangel; GRINOVER, Ada Pellegrini. Teoria geral do processo. 28. ed. São Paulo: Malheiros, 2012.

DIDIER JÚNIOR, Fredie. Curso de direito processual civil: teoria geral do processo e processo de conhecimento. 6. ed. Salvador: JusPODIVM, 2006. (v. 1).

______. Um réquiem às condições da ação: estudo analítico sobre a existência do instituto. Disponível em: < http://www.juspodivm.com.br/i/a/%7B090C3970-2C5E-423E-9D19-26ECDDC04872%7D_028.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2012.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de direito processual civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2006 (v. 2).

GOMES, Fábio: SILVA, Ovídio Baptista da.Teoria geral do processo civil. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

LIEBMAN, Enrico Tullio. Manual de direito processual civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1985 (v. 1).

MARINONI, Luiz Guilherme. Curso de processo civil: teoria geral do processo. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012 (v.1).

NOGUEIRA, Henrique Pedrosa. Sobre o direito fundamental à jurisdição. In: DIDIER JÚNIOR, Fredie; GOMES JÚNIOR, Luiz Manoel; WAMBIER, Luiz Rodrigues. Constituição e processo. Salvador: JusPODIVM, 2007. p. 547-571.

SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil.28. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.


EXPLANATION AND CRITICAL ANALYSIS OF ENRICO LIEBMAN’S ECLECTIC THEORY: THE NECESSARY REVIEW OF THE IDEA OF THE PLEADING REQUIREMENTS

ABSTRACT: This article aims to study the main aspects of Enrico Liebman’s Eclectic Theory of the right of action, showing its multiple theoretical inconsistencies and analyzing the shortcomings of its reception by the current Civil Procedure Code. There will be also made suggestions with the purpose to reformulate the mentioned theory in order to adapt it to the demands of the Procedural Science, as well as recommendations to modify the legal aspects of the subject – especially in the topic of the res judicata. The basis for such reformulation is the exclusion of the pleading requirements as an independent procedural category, as they must be included in the substantial plan.

Keywords: Right of action. Liebman’s Eclectic Theory. Pleading requirements.


Notas

[1] O termo “abstrato”, no âmbito estudo das teorias informativas do direito de ação, refere-se à não vinculação da existência da ação a um pronunciamento de mérito favorável ao autor da demanda.

[2] Retornar-se-á ao tema no tópico 3, infra.

[3] As (necessárias!) críticas a esse peculiar posicionamento científico serão feitas no tópico 4, infra.

[4] As condições da ação, segundo a argumentação que se desenvolverá no tópico 4, infra, pertencem ao plano do Direito Material.

[5] Documento on-line, não datado.

[6] Considerando-se apenas o sistema interno da Teoria Eclética, tal tese é plenamente aceitável; afinal, se a ação não existe quando ausentes suas condições e se só há jurisdição quando há ação, é correto afirmar que a decisão que declara a carência de ação não tem caráter jurisdicional. Entretanto, a análise sistemática dessa proposição de Liebman, isto é, diante de todo o sistema jurídico, não é sustentável, conforme se demonstrará no tópico 4, infra.

[7] Voltar-se-á ao tema no tópico 4, infra, momento em que serão feitas as devidas críticas à Teoria Eclética.

[8] O divórcio, proibido na Itália à época da construção da Teoria Eclética, era o exemplo utilizado por Liebman para ilustrar a impossibilidade jurídica do pedido. Sua posterior legalização levou o mestre da Universidade de Parma a rever a pretérita construção das condições da ação.

[9] O mesmo raciocínio pode ser aplicado, de forma analógica, aos casos em que autarquia federal ou ente federativo figure como sujeito ativo da relação processual.

[10] SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Resp.595.188/RS. T4. Min. Antônio Carlos Ferreira. j. 22/11/2011.

[11] Contudo, ainda assim é necessário que a lei processual seja modificada para atribuir a força da coisa julgada à decisão que declare a carência de ação; afinal, mesmo que as condições sejam verificadas em face do que o autor afirmar na petição inicial, o autor que for reconhecido carente poderá provocar o Estado-juiz – com a mesma ação, saliente-se – indefinidamente, contrariando absolutamente tudo o que se entende por economia processual.

[12] Documento on-line, não datado.


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

MOTTA, Thiago de Lucena. Exposição e análise crítica da teoria eclética de Enrico Liebman: a necessária releitura das condições da ação. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 18, n. 3530, 1 mar. 2013. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/23839. Acesso em: 28 maio 2020.