Este texto foi publicado no Jus no endereço https://jus.com.br/artigos/94757
Para ver outras publicações como esta, acesse https://jus.com.br

O denunciante está preso em sua psique

O denunciante está preso em sua psique

Publicado em .

Diz o empreendedor José Isaac Peres que os medos são as grades da nossa prisão. Quanto maior, mais penoso se torna o sofrimento..[1] Até porque, devo/poderia escrever os capítulos mais importantes da [minha] história nos momentos mais difíceis de [minha] vida.. Todavia, consoante se nota no título, não haverá qualquer esboço hoje (ou há?), também pois, parafraseando o médico citado em nota de rodapé, tenho uma dívida de tempo comigo: portanto, impagável.[2] Ainda mais quando as outras pessoas negam suas doenças, são irresponsáveis na proteção da emoção e têm medo de olhar para dentro de si.[3]

Sou gregário, mas, hoje (e já há algum tempo), não me encontro no grupo, não consigo sozinho impugnar pensamentos perturbadores, talqualmente: será que eu deveria ter sido omisso como outros colegas agentes públicos escolheram lá trás?

Escolhi e estive disposto a correr riscos[4] como agente público (e denunciante), mas a dívida (também a de diálogo, que aumenta) e o medo são meus destruidores. Trocas de palavras me aliviariam. Vivo (ainda), porém, aquele famoso momento do estigma, neutralização, acovardamento, isolamento de diálogo etc.,[5] porquanto reconheço o quanto temem aqueles que me orientaram, verbal ou tacitamente, a escolher o caminho da omissão. Omissão, NÃO!

Não são pessoas exóticas as omissas, nem as que mercadejam com a toga. Elas, as pessoas que se julgam normais', também produzem uma série de bobagens mentais, uma série de pensamentos asfixiantes, e que controlam o seu prazer de viver em alguns momentos da sua psique..[6]

Assim, a ação de escrever, um pouco que seja, ajuda-me também.[7]


[1] PERES, José Isaac. Live de Inauguração do MultiSer - Centro de Gestão da Emoção. In: Augusto Cury, 11 nov. 2021. (1 h 0 min 05 s). Disponível em: https://youtu.be/yV6jZo_RTeg. Acesso em: 11 nov. 2021.

[2] CURY, Augusto. Live de Inauguração do MultiSer - Centro de Gestão da Emoção. In: Augusto Cury, 11 nov. 2021. (1 h 0 min 05 s). Disponível em: https://youtu.be/yV6jZo_RTeg. Acesso em: 11 nov. 2021.

[3] CURY, Augusto. Live de Inauguração do MultiSer - Centro de Gestão da Emoção. In: Augusto Cury, 11 nov. 2021. (1 h 0 min 05 s). Disponível em: https://youtu.be/yV6jZo_RTeg. Acesso em: 11 nov. 2021.

[4]  ZANETTI, Marcus. Personalidade borderline | Podcast Entrementes. In: Drauzio Varella, 06 nov. 2020. (41 min 44 s). Disponível em: https://youtu.be/DquTFNBjz74. Acesso em: 08 nov. 2021.

[5] Ver que em compliance muito se fala disso na fase da estigmatização do denunciante.

[6] CURY, Augusto. Quais são as armadilhas da mente? - A Mente Mente | Augusto Cury. In: Augusto Cury, 11 nov. 2021. (5 min 49 s). Disponível em: https://youtu.be/cV173leFj0E. Acesso em: 12 nov. 2021.

[7] TORQUATO JUNIOR, Marco Antonio Abud. AULA AO VIVO | Tratamento online para a depressão - última turma do ano. In: Saúde da Mente, 09 nov. 2021. (1 h 59 min 02 s). Disponível em: https://youtu.be/niFBOXTzBrs. Acesso em: 11 nov. 2021.


Autor

  • Elton Rockenbach Baron

    Bacharelando em Direito, Empregado Público Estadual e aspirante a Promotor de Justiça.

    Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos. J. C.

    A vida tem sentido quando a investimos na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Eis meu escopo: despender esforços pela construção contínua da justiça social, a transformação, com justiça, da realidade social, máxime quando os beneficiados são idosos, deficientes, crianças e adolescentes. O desafio vem sendo o esmero na renhida luta em busca do bem comum, não dando tréguas àqueles que se desviam dos ditames constitucionais e legais, com os olhos voltados à concretização da Justiça, sobretudo contra crimes hediondos, crimes políticos e o abandono e maus tratos a animais. Contate-me sobre os supracitados temas: [email protected]

    “Não é o crítico que importa nem aquele que mostra como o homem forte tropeça, ou onde o realizador das proezas poderia ter feito melhor. O crédito pertence ao homem que se encontra na arena, com o rosto manchado de poeira, suor e sangue; que luta com valentia; que erra e tenta de novo e de novo; […] que conhece os grandes entusiasmos e as grandes devoções; que se sacrifica por uma causa nobre; que ao menos conhece, no final, o triunfo de uma grande realização; e que, na pior das hipóteses, se fracassar, pelo menos fracassou ousando grandes coisas; e por isso o seu lugar não pode ser junto àquelas almas tímidas e frias que não conhecem nem vitórias nem derrotas.” (Theodore Roosevelt)

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.