Por vezes o acusado argúi questões capazes de acarretar sua absolvição sumária mas se depara com decisões genéricas de recebimento da denúncia ou queixa. Tais decisões afrontam diversos Princípios Constitucionais, entre eles a dignidade da pessoa humana.

Cuida-se de artigo dando conta da declaração de nulidade, pelo Superior Tribunal de Justiça, de decisão judicial genérica que recebeu denúncia ofertada pelo Ministério Público. Citado para os fins do art. 396-A, do CPP, o réu arguiu preliminares de mérito que em tese acarretariam a rejeição da peça acusatória ou até mesmo sua absolvição sumária. No entanto o magistrado a quo deu prosseguimento ao feito sem a análise aprofundada das questões levantadas pela defesa. O Tribunal entendeu a declaração de nulidade era de rigor, dada a inexistência de fundamentação.

É importante esclarecer que nesta fase processual a denúncia será rejeitada (coisa julgada formal – art. 395, CPP) caso sejam acolhidas questões de Direito Processual ou será o réu absolvido sumariamente (coisa julgada formal e material – art. 397 CPP) caso ventilados aspecto de direito material. 

Em que pese tratar-se de decisão judicial sujeita ao comando do art. 93, IX, da Constituição Federal, é comum no dia-a-dia forense o recebimento de denúncia sem que o magistrado sequer se dê ao trabalho de analisar as alegações da defesa. Não raras vezes o despacho de recebimento é bastante sucinto, limitando-se a argumentar que “as alegações da defesa não tem o condão de ilidir, de plano, a peça acusatória”, ferindo de morte os princípios da Ampla Defesa e do Contraditório.

Na magistério de Nestor Távora, com relação à decisão que recebe a denúncia:

  “Por sua importância, não podemos nos furtar em reconhecer que se trata de autêntica decisão judicial (interlocutória simples), e por força do art. 93, inciso IX da Constituição Federal, obrigatoriamente deve ser fundamentada. Não há de se exigir uma fundamentação detalhada e profunda, afinal estamos no início do processo, e o magistrado não pode antecipar o juízo de mérito acerca da lide, uma vez que a instrução probatória ainda está por vir, contudo, demonstrar, em objetiva fundamentação, que vislumbra os requisitos do art. 41 do CPP, e a contrario sensu, do art. 395, é, em última análise, o mínimo que deve fazer para atender ao mandamento constitucional.” (Curso de Direito Processual Penal, p. 203, Ed. Juspodivm, 2013) (grifo nosso)

Em recente decisão, o Superior Tribunal de Justiça, de maneira acertada, deferiu medida liminar para anular decisão de recebeu denúncia sem sequer analisar as teses defensivas:

“Consoante jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça, a decisão denegatória de absolvição sumária deve ser devidamente fundamentada, enfrentando as teses de defesa relevantes e urgentes argüidas na resposta à acusação.” Assim, nesse contexto, resta evidenciado o periculum in mora, diante da possibilidade de constrangimento ilegal. Ante o exposto, considerando que presentes os requisitos autorizadores da concessão de medida urgente, defiro a liminar para suspender o ato processual designado para 25/05/15. Comunique-se, com urgência, a 28ª Vara Criminal de São Paulo, sede da ação penal originária, encaminhando-lhe cópia desta decisão. Publique-se (STJ, RHC 54782 SP, Rel. Min. Nefi Cordeiro, DJE 26.05.2015) (grifo nosso)

Em igual sentido, o Ministro Luis Fux, do STF, em recente julgamento, asseverou que o magistrado não deve analisar de maneira aprofundada todas as teses da defesa sob pena de indevidamente adentrar no mérito. Entretanto, ao Juiz não é dado despachar de forma genérica, alegando simplesmente a ausência de quaisquer das hipóteses do artigo 397, CPP, como fundamentação para recebimento da denúncia.

Nos dizeres do Ministro, o magistrado não deve eximir-se da incumbência de enfrentar questões processuais relevantes e urgentes, pois, a inauguração do processo penal, por representar gravame ao “status dignitatis”, deve, sim, ser motivado.[1]

Como visto, a fundamentação simplória de recebimento da exordial acusatória colide com princípios basilares estabelecidos na Constituição Federal, tais como ampla defesa, contraditório e dignidade da pessoa humana. Além do mais, submeter desnecessariamente o réu aos males de uma Ação Penal é afrontar o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, razão pela qual endossamos o entendimento do Superior Tribunal de Justiça.


[1] STF, HC 133706/SP, Rel. Min. Luiz Fux, DJE 05.04.2016


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria