O tratamento médico adequado aos necessitados se insere no rol dos deveres do Estado, porquanto responsabilidade solidária dos entes federados.

TJES: PODER PÚBLICO DEVE GARANTIR UTIN A RECÉM-NASCIDO PREMATURO EXTREMO

Diário da Justiça Eletrônico

Órgão oficial do Poder Judiciário do Espírito Santo

Sexta-Feira, 18 de Agosto de 2017

Edição nº 5519

Remessa Necessária Nº 0008433-30.2016.8.08.0035

VILA VELHA - 1ª VARA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE

REMTE JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA INFANCIA E JUVENTUDE DE VILA VELHA

PARTE N.M.P.

Defensor Público Estadual CARLOS EDUARDO RIOS DO AMARAL M2905043 - DPES

PARTE E.D.E.S.

Advogado(a) DAVID AUGUSTO DE SOUZA 18176 - ES

RELATOR DES. ROBSON LUIZ ALBANEZ

REMESSA NECESSÁRIA Nº 0008433-30.2016.8.08.0035

REMTE: JUÍZA DE DIREITO DA 1ª VARA DA INFANCIA E JUVENTUDE DE VILA VELHA

PARTE: N.M.P. (MENOR)

PARTE: E.E.S.

RELATOR: DES. ROBSON LUIZ ALBANEZ

DECISÃO MONOCRÁTICA

Trata-se de remessa necessária encaminhada pela MM. Juíza de Direito da 1ª Vara da Infância e Juventude de Vila Velha em razão da ação ordinária ajuizada pelo infante N.M.P. em face do ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

Buscou a presente actio, em suma, a condenação do Estado à obrigação de fazer consistente no custeio e fornecimento de vaga para internação em UTIN na Rede Pública de Saúde Estadual.

Na sentença, o Juízo primevo acolheu os pedidos proemiais (fls. 47/52), na forma do art. 487, I. do CPC/2015.

Não houve condenação em custas, nem honorários.

Sem recursos voluntários.

Parecer ministerial de 2º Grau às fls. 60/62, manifestando-se pela manutenção da r. sentença em todos os seus termos.

É o relatório. Decido.

De plano, tenho que a presente remessa necessária desafia decisão unipessoal do relator, à luz do artigo 932, do CPC/15 c/c a Súmula 568, do STJ.

Desde logo, adianto que incensurável a r. sentença, que bem analisou as questões controvertidas e deu correta solução ao litígio.

Acerca da possibilidade de fornecimento de tratamento aos cidadãos desprovidos de recursos financeiros, nele inclusos os exames indispensáveis ao seu diagnóstico e controle, deixo assente que a Constituição da República, no artigo 196, traz a seguinte redação:

“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

Ao interpretar o referido artigo, o mestre Alexandre de Morae leciona que: “O direito à vida e à saúde, aparecem como consequência imediata da consagração da dignidade da pessoa humana como fundamento da República Federativa do Brasil. Esse fundamento afasta a ideia de predomínio das concepções transpessoalistas de Estado e Nação, em detrimento da liberdade individual.”

A matéria teve a repercussão geral reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal que ratificou o entendimento de que os entes públicos têm a obrigação de fornecer o tratamento médico adequado àqueles necessitados, sendo esse um dos deveres do Estado. Essa é a ementa de julgado a que me refiro:

RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. DIREITO À SAÚDE. TRATAMENTO MÉDICO. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DOS ENTES FEDERADOS. REPERCUSSÃO GERAL RECONHECIDA. REAFIRMAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA.

O tratamento médico adequado aos necessitados se insere no rol dos deveres do Estado, porquanto responsabilidade solidária dos entes federados. O polo passivo pode ser composto por qualquer um deles, isoladamente, ou conjuntamente.

(RE 855178 RG, Relator(a): Min. LUIZ FUX, julgado em 05/03/2015, PROCESSO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO GERAL - MÉRITO DJe-050 DIVULG 13-03-2015 PUBLIC 16-03-2015 )

Idêntica exegese restou acolhida pelo Superior Tribunal de Justiça, consoante ementas de julgados que transcrevo:

“[...]I. Segundo consignado no acórdão recorrido, "como identificado nos autos a paciente é portadora de epilepsia desde os dez anos de idade (fl. 39), não havendo como determinar o período em que continuará sendo acometida por esta disfunção". Concluiu, ainda, que a autora "precisará fazer uso dos medicamentos necessários ao seu tratamento, de forma contínua, enquanto outro não for o seu diagnóstico". Assim, a alteração do entendimento do Tribunal de origem ensejaria, inevitavelmente, o reexame fático-probatório dos autos, procedimento vedado, pela Súmula 7 desta Corte.

II. Ao decidir a controvérsia, o Tribunal de origem considerou ser devido o fornecimento de medicamentos, de vez que "a autora ingressou em juízo requerendo o fornecimento de medicamento necessário ao seu tratamento, enquanto subsistir a necessidade, tendo em vista que é portadora de epilepsia e faz uso de uma medicação específica três vezes ao dia", e que "a Carta Constitucional assegura o direito à saúde mediante políticas públicas a serem garantidas pelo Estado". Assim, verifica-se que o Tribunal de origem decidiu a controvérsia, acerca do fornecimento de medicamentos, sob enfoque eminentemente constitucional, o que torna inviável a análise da questão, em sede de Recurso Especial, sob pena de usurpação da competência do STF. Precedentes do STJ (AgRg no AREsp 584.240/RS, Rel. Ministro BENEDITO GONÇALVES, PRIMEIRA TURMA, DJe de 03/12/2014; AgRg no REsp 1.473.025/PR, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, DJe de 03/12/2014).

III. Agravo Regimental improvido.(AgRg no REsp 1463727/RR, Rel. Ministra ASSUSETE MAGALHÃES, SEGUNDA TURMA, julgado em 23/06/2015, DJe 01/07/2015)

[...]2. É assente o entendimento de que é obrigação do Estado em propiciar ao homem o direito fundamental à saúde, de modo que todos os entes federativos têm o dever solidário de fornecer gratuitamente medicamento ou congêneres às pessoas carentes.

3. Quanto à suposta ofensa aos arts. 19-M, 19-P e 19-Q da Lei n. 8.080/90 e da tese de que o medicamento pleiteado não consta do Protocolo Clínico e Diretriz Terapêutica - PDCT, a ausência de prequestionamento das questões suscitadas impede o acesso à via especial.

Agravo regimental improvido.

(AgRg no REsp 1525024/CE, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 26/05/2015, DJe 02/06/2015)

[…] Quanto à tese de ilegitimidade passiva, este Superior Tribunal de justiça tem firmada a jurisprudência de que o funcionamento do Sistema Único de Saúde é de responsabilidade solidária da União, dos Estados e dos Municípios, de modo que qualquer um desses Entes tem legitimidade ad causam para figurar no polo passivo de demanda que objetiva a garantia do acesso a medicamentos para tratamento de problema de saúde.4. Agravo Regimental do ESTADO DO CEARÁ desprovido.(AgRg no AREsp 264.840/CE, Rel. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 26/05/2015, DJe 10/06/2015)”.

Não é o outro o entendimento desse e. Tribunal de Justiça, senão vejamos:

REMESSA NECESSÁRIA. DIREITO À SAÚDE. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DOS ENTES FEDERADOS. TRATAMENTO MÉDICO. INTERNAÇÃO HOSPITALAR POR ORIENTAÇÃO MÉDICA. REMESSA ADMITIDA, PARA MANTER INCÓLUME A SENTENÇA.

1. É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, compreendidos neste contexto obrigacional, os Entes Públicos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença, de outros agravos, bem como ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação (artigo 196, caput, da Constituição da República).

2. Em matéria de política pública de saúde, faz-se mister observar os direitos elencados no artigo 6º e artigo 196, da Constituição Federal de 1988, segundo os quais é patente a obrigatoriedade do Estado em atender integralmente a necessidade do idoso.

3. Remessa Necessária admitida para, reapreciando a causa, manter incólume a sentença reexaminada.

(TJES, Classe: Remessa Necessária, 69150047038, Relator : EWERTON SCHWAB PINTO JUNIOR, Órgão julgador: PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL , Data de Julgamento: 14/06/2016, Data da Publicação no Diário: 22/06/2016)

APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO À SAÚDE. MEDICAMENTO FORA DA LISTA SUS. IMPRESCINDIBILIDADE DO TRATAMENTO. RESERVA DO POSSÍVEL. NÃO OPONÍVEL. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. MAJORAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO.

I. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. Art. 196, CRFB.

II.Diante da prova de que os medicamentos listados pelo SUS se mostraram ineficazes no tratamento da paciente deve ser deferido o fornecimento dos medicamentos prescritos por médico do SUS, como forma de melhoria da qualidade de vida do paciente.

III. O STF possui entendimento consolidado no sentido de que a reserva do possível deve ser afastada sempre que a invocação dessa cláusula puder comprometer o núcleo básico que qualifica o mínimo existencial.(ARE 745745 AgR, Relator(a): Min. Celso de Mello, , Segunda Turma, julgado em 02/12/2014, public 19-12-2014).

IV. Impossibilidade de majoração dos honorários advocatícios, a teor do previsto no art. 85, § 11, do CPC/2015, devendo incidir o regramento vigente ao tempo da publicação da decisão, consoante o enunciado administrativo nº 7, publicado pelo Superior Tribunal de Justiça, no dia 17/3/2016

V. Recurso conhecido e NÃO PROVIDO.

(TJES, Classe: Apelação / Remessa Necessária, 35140399326, Relator : ROBSON LUIZ ALBANEZ, Órgão julgador: QUARTA CÂMARA CÍVEL , Data de Julgamento: 06/06/2016, Data da Publicação no Diário: 16/06/2016)

No caso vertente, restou comprovado através de laudos médicos (fls. 08 e seguintes) que o menor N.M.P., recém-nascido, encontrava-se “prematuro extremo”, necessitando da internação em UTIN.

Destarte, diante da comprovação da necessidade do menor impúbere aliada à responsabilidade do demandado pelo custeio do tratamento prescrito, deve ser mantido hígido o comando sentencial.

Por todo o exposto, recebo a remessa ex ofício e julgo-a improcedente, mantendo, por conseguinte, incólume a r. sentença.

Intime-se.

Diligencie-se.

Publique-se na íntegra.

Vitória/ES, 19 de julho de 2017.

DES. ROBSON LUIZ ALBANEZ

Relator

Disponibilizado em: 18-08-2017


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria