Direito do Trabalho, Descontos, Caixa

Turma admite norma que autoriza desconto nos salários de caixas por cheques devolvidos

Os empregados de uma rede de supermercados de Santa Catarina podem sofrer descontos nos salários em decorrência de cheques devolvidos, caso não observem as normas internas para pagamento de compras de clientes. O procedimento da A. Angeloni & Cia. Ltda. foi considerado legal pela Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho, por haver previsão contratual e norma coletiva que autoriza o desconto. Ao julgar ação do Ministério Público do Trabalho, o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC) determinou que a empresa se abstivesse de efetuar os descontos sem antes tentar a obtenção dos créditos mediante cobrança judicial dos próprios clientes. A multa pelo não cumprimento era de R$ 10 mil por desconto irregular. A empregadora recorreu ao TST alegando que o procedimento se respaldava em regulamento interno relativo ao recebimento de valores, de conhecimento de todos os operadores de caixa, treinados para isso. A norma coletiva da categoria, por sua vez, prevê como única condição para a realização dos descontos a inobservância pelo trabalhador dessas regras. Assim, a decisão regional teria afrontado a norma constitucional do inciso XXVI do artigo 7º, ao negar reconhecimento às convenções coletivas. A rede destacou ainda que a maioria dos cheques não compensados apresentam valores pequenos, o que tornaria inviável a utilização de cobrança judicial, pois as despesas processuais excederiam a importância contida a ser cobrada. TST De acordo com o ministro Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, relator do recurso no TST, não se trata, no caso, de transferência do risco da atividade econômica do empregador para o empregado, como entendeu o Tribunal Regional. "Trata-se de responsabilização do empregado em virtude de ter agido com culpa no exercício de suas funções, o que ocasionou prejuízo ao empregador", assinalou. O relator explicou que as regras do caput e parágrafo 1º do artigo 462 da CLT e o entendimento jurisprudencial do TST (Precedentes Normativos 14 e 61 e Orientação Jurisprudencial 251 da SDI-1) estabelecem como requisitos para realização de descontos na remuneração, especialmente quanto ao recebimento de cheques sem cobertura, apenas "o ajuste prévio entre as partes, seja individual ou coletivo, e o descumprimento de normas internas da empresa - circunstâncias verificadas no caso concreto". Ressaltou também que a Constituição da República  consagra expressamente o reconhecimento e a validade das convenções e acordos coletivos de trabalho. "Não se pode admitir que decisão judicial imponha ao empregador a obrigação de postular previamente em juízo os seus créditos, para apenas posteriormente efetuar os descontos salariais pertinentes ao recebimento de cheques devolvidos ou outros documentos  - tíquetes sem validade, cartões de crédito ou débito sem assinatura, por exemplo -, quando o empregado, no exercício de suas funções, atua com culpa ao não observar as regras contidas em norma interna da empresa quanto ao recebimento de valores", afirmou o ministro. A decisão foi unânime no sentido de dar provimento ao recurso da empresa nesse ponto. (Lourdes Tavares/CF) Processo: RR-447000-21.2007.5.12.0035 O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).


Autor

  • CARDACCI E MORAIS- ADVOCACIA

    A Cardacci e Morais - Advocacia possui a Consultoria e Assessoramento Preventivos (Relações Trabalhistas). Estamos seguros, dentro da nossa área de especialização, ao oferecer a departamentos de recursos humanos das empresas de todos os segmentos, orientação prática em consultoria. Interpretação de textos legais, convenções e acordos coletivos de trabalho; Adoção de medidas práticas e simples sobre regimentos internos; Contratos de trabalho e aditamentos;<br>Contratos terceirizados; Regulamentos internos de empresas; Folha de salários; Encargos sociais e previdenciários,<br>Demais atividade pertinente a Jornada de Trabalho como: Remuneração, Prevenção de Riscos a acidente de trabalho tomando medidas e<br>providencias para sua redução dentre outras situações. Exercemos constante orientação, participando eficazmente no sentido de solucionar: Conflitos trabalhistas; Negociações sindicais; Análise e contestação de pautas reivindicatórias dos sindicatos obreiros; Adoção de medidas apropriadas antes,<br>durante e após greve; Acompanhamento, participando na celebração de acordos e convenções coletivas de trabalho; Acompanhamento e defesas nos processos de Dissídios Coletivos de Trabalho; Participação em mesas redondas perante as autoridades do Ministério do Trabalho; Assessoramento indispensável às empresas no relacionamento com o sindicato dos trabalhadores. Defesas Processuais Trabalhistas. Patrocinamos empresas, em defesa de seus interesses, perante a Justiça do Trabalho, nas causas que lhes forem contrárias promovidas por: Empregados; Ex empregados; Autônomos; Representantes comerciais; Prestadores de serviços terceirizados.

    Textos publicados pela autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria