A CVC Operadora de Turismo foi condenada a pagar indenização de R$ 29.876,37 mil a comerciante que passou por constrangimentos durante viagem.

A CVC Operadora de Turismo foi condenada a pagar indenização de R$ 29.876,37 mil a comerciante que passou por constrangimentos durante viagem. A decisão é da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) e teve como relatora a desembargadora Maria Vilauba Fausto Lopes.

No voto, a desembargadora considerou que houve falha na prestação do serviço. “É flagrantemente grave a situação em análise, na qual a empresa prestadora do serviço turístico deixou sua cliente abandonada em cidade fronteiriça, sem deter conhecimento de outro idioma que não o seu, não obstante o fato de se encontrar em terras distantes, de costumes e cultura diferentes”, afirmou.
Conforme o processo (nº 0467171-78.2011.8.06.0001), a cliente contratou pacote de viagem para a Europa, com visita às cidades de Roma, Paris e Londres. O custo total do serviço foi de R$ 5.550,75, incluindo passagens, diárias de hotel, traslados, passeios e assistência de viagem.

Porém, a consumidora foi barrada na fronteira entre França e Inglaterra e não pôde seguir viagem com o grupo. O guia de turismo apenas informou que ela deveria entrar em contato com a empresa. A cliente ligou várias vezes para a CVC, sem sucesso, e precisou ficar hospedada na residência de uma funcionária do consulado brasileiro. Só conseguiu retornar ao Brasil após os pais terem desembolsado a quantia de R$ 2.014,70 em passagens.

Por esse motivo, ingressou com ação por danos morais e materiais. Na contestação, a operadora de turismo disse que atuou apenas como intermediária na prestação do serviço. Também argumentou não ter ingerência sobre a entrada de pessoas em qualquer país.

Em 2012, o Juízo da 3ª Vara Cível de Fortaleza condenou a CVC a pagar R$ 100 mil por danos morais, bem como devolver 1/3 do valor pago e não usufruído na viagem, no valor de R$ 856,97. As partes recorreram da decisão no TJCE. A CVC solicitou a anulação da sentença, e a consumidora pleiteou o pagamento de R$ 2.014,70 referente à passagem de volta ao Brasil.

Ao analisar o caso nessa quarta-feira (18/03), a 6ª Câmara Cível reduziu os danos morais para R$ 25 mil, observando o princípio da razoabilidade. Também determinou a restituição, em dobro, do valor referente à passagem de volta ao Brasil.

“O consumidor, ao contratar um pacote junto à empresa de turismo, espera nada menos do que ter o seu passeio de forma satisfatória, sem aborrecimentos ou preocupações, pois a conveniência é justamente a maior vantagem de se contratar com empresas deste naipe”, concluiu a relatora.

Fonte: TJCE.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria