Manter-se informado sobre as restrições e os cuidados diante da pandemia do novo coronavírus é essencial para contribuir com as medidas de prevenção contra a propagação do vírus.

Diante das medidas restritivas criadas para combater o novo coronavírus, muitas pessoas tiveram suas rotinas alteradas. O que antes era comum, como correr no parque ou até mesmo ir ao trabalho, teve de ser adaptado para a nova realidade. 

Embora as recomendações de saúde indiquem que o isolamento social é a melhor forma de evitar a propagação da doença, as restrições não podem impedir totalmente a circulação de pessoas nas ruas e avenidas da cidade. 

Dessa forma, é necessário entender o que é e o que não é ‘permitido’ fazer nesse período para garantir não só a sua saúde, mas a de todos que estão à sua volta. 

Pensando nisso, desenvolvemos um conteúdo especial para te ajudar a identificar qual a melhor forma de agir num momento como este e o que se deve fazer em cada caso. Confira!

Afinal, o que é o isolamento social?

Nos últimos meses, falou-se muito sobre a importância do isolamento social para ajudar no combate à um verdadeiro inimigo mundial: o coronavírus. 

Trata-se de uma mutação do vírus da SARS, que vem infectando milhares de pessoas desde o seu surgimento em Wuhan, na China, em dezembro de 2019, e que se transformou em uma pandemia a nível mundial. 

Ele é transmitido essencialmente pelas vias respiratórias e pelo contato físico entre as pessoas, como por exemplo através das gotículas de saliva que se expele ao tossir. Sua disseminação é rápida e pode ocorrer ao menor contato com pessoas infectadas. 

Diante desta situação, autoridades de saúde recomendaram que fosse adotado um sistema de isolamento social, garantindo que o menor número possível de pessoas fossem contaminadas. 

Para que isso fosse possível, muitas empresas optaram por aderir o home office e escolas e universidades paralisaram suas aulas ou optaram por aulas online. Todo o serviço que não fosse essencial foi temporariamente fechado com o objetivo de fazer as pessoas ficarem em suas casas para diminuir o índice de contágio. 

A recomendação é que as pessoas só saiam de casa se for estritamente necessário, como no caso de comprar alimentos ou itens básicos de sobrevivência. 

No entanto, muito se tem discutido sobre o que realmente pode ou não pode ser feito durante este período. A fim de te ajudar a identificar, reunimos algumas dicas abaixo. 

O que pode ser feito na quarentena

Seguindo as recomendações de saúde da OMS, o mais recomendado é que durante este período, se você puder, permaneça em casa. 

Atualmente, há diversas formas de continuar as atividades cotidianas sem necessariamente precisar sair de casa. Aplicativos de delivery de restaurantes e mercados, farmácias realizando o serviço de entregas de medicamentos e até mesmo apps para prática de atividade física tem ganhado força nos últimos meses. 

No entanto, há quem realmente precise sair para determinadas atividades. Para essas pessoas, recomenda-se que todas as medidas de precaução sejam tomadas, como o uso de máscaras, luvas e higienização correta das mãos. 

Dentre as atividades que podem ser realizadas com segurança, podemos destacar: 

  • Ir ao supermercado, farmácias e no caso de profissionais dos serviços essenciais: não há restrição de circulação, buscando evitar aglomerações em todos os locais mencionados;

  • Andar pelas ruas: desde que esteja utilizando máscara de proteção e, se possível, desacompanhado;

  • Utilizar o transporte público: embora não esteja restrito, em alguns estados foi determinado que para utilizar os serviços de transporte público o uso de máscara é obrigatório.

  • Praticar esportes ao ar livre: por ser considerada uma atividade não essencial, parques, academias e outros espaços de lazer foram fechados para evitar aglomerações. No entanto, não está proibida a prática em outros ambientes, desde que não haja uma concentração de pessoas no mesmo local. 

O que não pode ser feito na quarentena

Já na lista de atividades que preferencialmente não devem ser realizadas durante o período de isolamento social, podemos incluir: 

  • Viagens: embora em alguns lugares o acesso à turistas esteja restrito, há cidades que ainda estão permitindo que você viaje. No entanto, a recomendação é que se suspenda tais atividades para evitar a propagação do vírus;

  • Festas, encontros e reuniões: durante o isolamento social, não é recomendado que você promova aglomerações, portanto, eventos devem ser cancelados até que surjam novas indicações;

  • Não vá a praias e bares: locais onde a aglomeração de pessoas é comum devem ser evitados para cuidar da sua saúde e da sua família. 

  • Não vá ao hospital: lá se encontram pessoas menos vulneráveis e, além disso, é um local de alto risco de contaminação. A menos que você esteja com sintomas graves da doença como a falta de ar, o mais indicado é se isolar até que o vírus saia, evitando contato inclusive com as pessoas que moram com você. 

Em linhas gerais, qualquer atividade que envolva aglomerações devem ser evitadas, a fim de garantir a sua saúde. 

Embora seja um período difícil e que pode gerar quadros de ansiedade e até mesmo depressão, é importante manter-se ativo. Cultive novos hábitos e até mesmo revisite os antigos, como a leitura, a meditação e até mesmo a terapia (online, é claro!). 

Além disso, é essencial manter o contato com os familiares que não moram na mesma casa, principalmente se eles forem idosos, para que não se sintam sozinhos ou abandonados neste momento. 

No mais, não deixe de pagar o seu plano de saúde e seguro de vida, pois em casos de emergência essas soluções podem ser fundamentais. 

Cuide-se e faça sua parte para que, em breve, as coisas voltem a se normalizar e a vida possa continuar com menos danos possíveis!



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso