Trata-se de parecer elaborado a pedido de cliente acerca da exigência de apresentação da AFE para reprocessamento de material hospitalar para a participação em certame licitatório para contratação de empresa de esterilização de material hospitalar.

Quanto à consulta nos levada a efeito por Vossa Senhoria, no que se refere à obrigatoriedade de Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) para empresas de reprocessamento de produtos médicos, para fim de participação em certames licitatórios, temos a expor o que se segue:

“Ab initio”, cumpre trazer aduzir que a Autorização de Funcionamento de Empresa, prevista no Art.50 da Lei n.º 6.360/76 somente é exigida para as atividades previstas em tal diploma legal, conforme se verifica:

Art. 50 - O funcionamento das empresas de que trata esta Lei dependerá de autorização do Ministério da Saúde, à vista da indicação da atividade industrial respectiva, da natureza e espécie dos produtos e da comprovação da capacidade técnica, científica e operacional, e de outras exigências dispostas em regulamentos e atos administrativos pelo mesmo Ministério.

Ocorre que o diploma legal supra não tece qualquer referencia às atividades de reprocessamento de produto médico, vez que tal atividade é regulamentada pela Resolução – RDC n.º 156 de 11 de agosto de 2006, da ANVISA, a qual dispõe sobre o registro, rotulagem e reprocessamento de produtos médicos, e dá outras providências.

A resolução em epígrafe define produto médico, bem como a atividade de reprocessamento, por meio de ser Art. 2ª, o qual traz a seguinte redação:

Art.2º Para efeitos desta Resolução são adotadas as seguintes definições:

(...)

II – Produto Médico: Produto para a saúde, tal como equipamento, aparelho, material, artigo ou sistema de uso ou aplicação médica, odontológica ou laboratorial, destinado à prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação ou anticoncepção e que não utiliza meio farmacológico, imunológico ou metabólico para realizar sua principal função em seres humanos, podendo entretanto ser auxiliado em suas funções por tais meios

III - Reprocessamento de produto médico: Processo de lim0peza e desinfecção ou esterilização a ser aplicado a produto médico, que garanta a segurança na sua utilização, incluindo controle da qualidade em todas suas etapas.

Deste modo, resta-se claro e inequívoco que a atividade de esterilização de material hospitalar é regida por tal diploma legal.

Feita tal considerações, cumpre esclarecer que há previsão para o licenciamento de empresas reprocessadoras de material médico, conforme estabelece o Art. 12 da resolução em comento.

Ocorre que tal licenciamento deve ser feito na forma da prevista na legislação vigente, a qual, conforme já mencionado, é omissa no que tange às empresas de reprocessamento de material médico.

São inequívocos os termos de tal artigo, conforme se demonstra:

Art 12. As empresas reprocessadoras devem estar licenciadas pela autoridade sanitária competente, segundo legislação vigente. (grifo nosso)

Destarte, face a total ausência de previsão legal .

Com efeito, no que tange à participação em procedimento licitatórios, cumpre aduzir que a exigência de autorização para funcionamento, prevista no Art. 28, V da Lei n.º 8.666/93 só será necessária à habilitação jurídica quando a atividade assim o exigir, conforme se verifica:

Art. 28.  A documentação relativa à habilitação jurídica, conforme o caso, consistirá em:

(...)

V - decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira em funcionamento no País, e ato de registro ou autorização para funcionamento expedido pelo órgão competente, quando a atividade assim o exigir. (grifo nosso)

Assim, face a atual ausência de regulamentação no que tange à exigência legal de emissão de Autorização de Funcionamento de Empresa para empresas que atuem com a reprocessamento de produtos médicos, tal documento não pode ser exigido como condição de habilitação em certames licitatórios.

Sem mais para o momento, renovamos nossos protestos de elevada estima e consideração.

Atenciosamente,


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0