Servidor informa que foi furtado do interior de unidade processo de auto de infração. Formamos opinião, com base nos fatos narrado, pela instauração de sindicância - para apurar e nortear novas ações da administração.

Protocolo: XXXXXXXX

Documento: Despacho XX/ XXXXX/XX.2017

Assunto: Boletim de Ocorrência n. XXXXXX

Interessado: XXXXXX

Destinatário: XXXXXXXXX

Ao XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

DOS FATOS

O Presente Processo trata do Boletim de Ocorrência n. XXXXXXXX, noticia formulada no Município de XXXXX. Tendo por Denunciante o XXXXXX, que informou o possível Furto de Documento deste XXXXXX (2º e 3º Via do Auto de Infração n. XXXXXX – Autuado: XXXXXXXX) ocorrido no âmbito daquela XXXXX.

Ao tomar conhecimento, esta Assessoria Jurídica optou por informar imediatamente a Coordenadoria de Fiscalização e Julgamento de Processo via e-mail. 

 Após, iniciou-se à apuração preliminar no intuito de instruir melhor o processo, enviando e-mail à ULE para levantar mais informações, na seguinte ordem:

  1. Houve Sinais de Arrombamento na Unidade

Informou não ter havido sinais de arrombamento. 

  1. Houve pessoas estranhas no interior da Unidade

Informou que é rotineira a entrada de pessoas estranhas. 

Aqui cabe informar, entramos em contato via telefone para tentar entender a dinâmica da Unidade.

O XXXXXXXXX informou que a Unidade sedia, também, repartição da XXXXXX.

 Assim:

  1.  Ambas as Unidades dividem um pulmão de acesso conjunto;
  2. Que a XXXXXXXX não é fechada após o expediente;
  3. Que há uma diferença em cerca de 1 h entre a abertura da XXX e a Unidade da XXXX. Assim, a Unidade da XXXX inicia o funcionamento 1 h antes da XXXXX, a qual fica de certa forma, desprotegida, podendo ser acessada tranquilamente por pessoas estranhas sem o conhecimento dos servidores deste XXXXXX;
  1. O Proprietário ou Representante teve, de qualquer modo, contato físico com o processo;

                  O Servidor informa que o Proprietário mora em São Paulo. Neste lamiré, deu ciência via telefone apenas ao contador do Autuado de que o Processo estaria na Unidade Local para notificação e, conseqüentemente, encaminhamento à PGE para inscrição na Dívida Ativa do Estado. 

  1. Quem manipulou o Processo;

                   Informa a lotação de apenas 2(dois) servidores naquela Unidade e, que o processo fica sob sua responsabilidade.

  1. Em que local o Processo ficou guardado na Unidade.

                   Informou que o processo fica arquivado em pastas A/Z, na Unidade, em Armário de Aço não trancados com chave.

Tendo estas informações como oriente, procedemos ao contato junto a Delegacia da PJC. Naquele ato conversamos com o Escrivão XXXXXXX, o qual nos informou que o Delegado irá ouvir os servidores da Unidade para formação de sua opinião sobre o caso.

Que NÃO FOI INSTAURADO INQUÉRITO POLICIAL – conforme verso das Fls. 

                 Este é o resumo dos fatos.

DA ANÁLISE

A Lei Complementar 04/90 estabelece em seu artigo 170, que a autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata, mediante sindicância ou processo disciplinar, assegurado ao acusado ampla defesa.

Assim, a Norma Cogente impõe determinar-se o destino das 2º e 3º Vias do Auto de Infração n.XXXXXX. Deste modo, entendemos ser a Sindicância o procedimento mais adequado para apuração dos graves fatos apontados pelo Servidor, além, é claro, de tentar determinar-se a localização dos Autos de Infração.

Se não bastasse a imposição legal o Procedimento Administrativo tem por conseqüência indicar e subsidiar outros órgãos do Estado no sentido da apuração da possível ocorrência ou não do crime de Extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento, o qual está previsto no artigo 314 do Código Penal Brasileiro. Veja:

314 CP: 

"Extraviar livro oficial ou qualquer documento, de que tem a guarda em razão do cargo; sonegá-lo ou inutilizá-lo, total ou parcialmente

Pena: Reclusão, de 1 a 4 anos, se o fato não constitui pena mais grave”.

Para entender, aqui temos um tipo penal, o qual exige do criminoso um perfil especial, que é o de agente público. Assim, é um crime próprio, e, também, de mão própria, pois só pode ser praticado por quem tenha a guarda do documento. Crime Formal, Permanente tendo por Sujeito Passivo o Estado.

Convém ressaltar a necessidade de observar e superar o Conflito Aparente de Normas no que diz respeito sobre a Inteligência da lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990,  a qual define os crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo. Por esta, em seu artigo 3º, I temos:

“Art. 3° Constitui crime funcional contra a ordem tributária, além dos previstos no Decreto-Lei n° 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal (Título XI, Capítulo I):

I - extraviar livro oficial, processo fiscal ou qualquer documento, de que tenha a guarda em razão da função; sonegá-lo, ou inutilizá-lo, total ou parcialmente, acarretando pagamento indevido ou inexato de tributo ou contribuição social;

Pena - reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa”.

Resumindo, o art. 314 cuida da infidelidade na custodia de livros oficiais ou documentos, confiados ratione offici. Valem como documentos públicos os traslados, certidões, cópias autênticas e fotocópias conferidas desses documentos. A objetividade jurídica está no interesse da normalidade funcional, da probidade, do prestígio, da incolumidade e do decoro da Administração Pública.

A outra vertente da apuração é saber se não houve a participação de particular no caso. Pois o ilícito apresentado só pode ser praticado de forma direta por agente público, daí serem chamados de crime funcionais, todavia, é possível que pessoa que não seja funcionário público responda por crime funcional, como co-autor ou partícipe, conforme a astúcia do art. 30, o qual define que as circunstâncias de caráter pessoal, quando elementares do crime, comunicam-se a todas as pessoas que dele participem, destarte, exige-se que o terceiro saiba da qualidade de agente público do outro.

Caso o documento tenha sido de fato retirado apenas por particular, em momento de descuido da administração, poderemos estar frente à incursão no artigo 337 do Código Penal, porque esse último é praticado por particular que tira o documento da custódia ao servidor. Estabelecido como Subtração ou inutilização de livro ou documento, veja:

“Art. 337 - Subtrair, ou inutilizar, total ou parcialmente, livro oficial, processo ou documento confiado à custódia de funcionário, em razão de ofício, ou de particular em serviço público:

Pena - reclusão, de dois a cinco anos, se o fato não constitui crime mais grave”.

Aqui temos como Sujeito ativo qualquer pessoa, assim, é o particular contra a Administração Pública e, portanto, o sujeito passivo do Delito é o Estado. Em grosseira síntese, é um Crime Comum, material, de forma livre, comissivo ou omissivo impróprio, instantâneo, unissubjetivo, plurissubsistente e que admite a tentativa.

Analisado os fatos e todo o escopo legal temos como inquestionável a necessidade da instauração de Procedimento para apuração do caso, se não bastasse, esta, também, se presta a determinar falhas e apontar melhorias no sistema de Gestão de Autos de Infração do XXXXXXXX.

É a Nossa Opinião.

CONCLUSÃO

Somos pela Instauração de Sindicância para apurar as causas e destino da 2º e 3º Via do Auto de Infração n. XXXXXX, ocorrido no âmbito da XXXXXXXXX.

Esta análise ficou adstrita a Aspectos jurídicos e Formais, o que não exclui outras áreas (XXXXXXXX) de manifestar-se sobre a Conveniência e Oportunidade do Pedido. Recaindo a estes o Juízo de Admissibilidade da Rogativa.

Este são os fatos, a fundamentação e a conclusão, salvo melhor juízo, ora submetido à douta apreciação superior.

À consideração do XXXXXXXX. Após, favor encaminhar para a XXXXXXXXX. Para decisão Final.

Sem Mais.

Respeitosamente.


Autor

  • Marcelo Galvão

    Advogado Público do Estado de Mato Grosso Com especialização em Direito Penal, Processual Pena, Direito Público, Direito Administrativo, Penal e Processual Penal Militar. Advogado da Secretaria de Estado de Agricultura de Mato Grosso e do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso. Cirurgião-Dentista especialista em Endodontia, Implantodontia, prótese sobre Implantes e Grandes Reconstruções Ósseas. Membro do Colégio Brasileiro de Implantodontia. 1º Tenente da Reserva do Exército tendo servido no Batalhão da Guarda Presidencial e Hospital das Forças Armadas.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria