A ditadura acabou há décadas, mas o Estado de São Paulo continua querendo tratar cidadãos descontentes como se fossem criminosos. As liberdades políticas consagradas na Constituição são inegociáveis e devem ser respeitadas pelas autoridades paulistas.

Reproduzo aqui a Representação contra a SSP/SP que enviei hoje ao Conselho Nacional de Justiça. O requerimento recebeu o seguinte número no órgão: 100013835716892-13292.

"A CF/88 garante de maneira ampla a liberdades de consciência, crença e opção política e filosófica, vedando expressamente qualquer tipo de repressão policial de natureza política e ideológica. O direito de manifestação também é garantido pela constituição em vigor.

Em razão do que consta expressamente na CF/88, o combate a criminalidade pela representada deve ser feito na forma da Lei, levando em conta apenas a ocorrência dos crimes tipificados no Código Penal sem qualquer tipo de consideração política e ideológica. O   crime de opinião, cuja repressão era um dos pilares do Estado ditatorial, foi banido do cenário jurídico brasileiro com a aprovação da constituição em vigor.

Apesar disto, o requerente vem acompanhando com bastante preocupação e indignação a evolução da repressão política  em São Paulo, Estado onde nasceu em 1964, sempre residiu e atua como advogado há mais de 20 anos. Recentemente descobriu que a representada decidiu estabelecer regras para a repressão às manifestações de rua e ao Black Bloc, grupo que segundo o governador teria sido infiltrado pelo PCC.

Em razão de não ter políticas sociais eficientes e para desviar a atenção da população da roubalheira no Metrô que comprometeu a atuação de seu partido político em São Paulo, Geraldo Alckimin parece ter iniciado uma verdadeira cruzada em favor da criminalização das manifestações de rua e do Black Bloc. Uma das ferramentas criadas para esta finalidade foi a Recomendação oriunda da representada que segue em anexo.

Referida Recomendação estabelece critérios que são evidentemente políticos e ideológicos para limitar a liberdade de consciência e de manifestação dos cidadãos paulistas descontentes com o governo tucano de São Paulo. A repressão política que a mesma possibilita é bastante semelhante àquela que era feita ao tempo do antigo DOPS.Para tanto basta ler com atenção a Recomendação da representada e um documento antigo produzido pelo DOPS (doc. anexo).

A CF/88 está sendo ilegalmente revogada no Estado de São Paulo por ordem da representada. Doravante os Inquéritos Policiais, que são peças fundamentais para a formação de processos judiciais, poderão ser conduzidos não na forma da Lei e para apurar crimes específicos tipificados no Código Penal e sim para reprimir pessoas em razão de suas opções político/ideológicas. Doravante, qualquer manifestação de descontentamento em relação ao governador Geraldo Alckimin poderá ser interpretada como crime de opiniãoobrigando os cidadãos paulistas descontentes a responder processos judiciais manifestamente indevidos. O resultado prático desta deliberada criminalização da política será a revogação implícita da CF/88 e das liberdades individuais consagradas na mesma.

O CNJ não tem competência para punir a representada, nem para revogar a Recomendação atacada.  Mas este órgão pode perfeitamente estudar a questão de forma a produzir uma Resolução que obrigue os Juízes do Estado de São Paulo a imediatamente arquivarem qualquer Denuncia feita em razão de um Inquérito Político-Policial produzido com base na absurda Recomendação da representada. Caso o CNJ não o faça estará declinando de sua competência regimental."

Os interessados podem acompanhar o requerimento no CNJ. Cada qual pode também formular requerimento idêntico com a finalidade de forçar o CNJ a tomar conhecimento do problema e adotar medidas para resolvê-lo. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria