Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. FRANCO SARAIVA
    17/06/2010 23:15

    Minha esposa é formada em Direito, mas, por não ter passado na OAB, fica em dúvida sempre que perguntam sua profissão. Por exemplo: Sou formado em Administração de Empresas e não preciso ser aprovado por nenhum conselho regional para afirmar que minha profissão é administrador! No caso de minha esposa, ela pode afirmar ser Advogada mesmo sem ter a carteirinha da ordem?
  2. Clint
    19/06/2010 23:39

    Caro Franco Saraiva,

    Sugiro a você dá uma olhada no rol de profissões regulamentadas pelo Ministério do Trabalho.

    Valeu!
  3. Fafa
    19/06/2010 23:56

    Ela é bacharel em Direito. Estranho não é mesmo? Mas, só é reconhecido como advogado quando o bacharel em direito passa na prova da OAB e recebe a carteira de advogado.
  4. FRANCO SARAIVA
    20/06/2010 19:46

    Obrigado Clint!... Acessei o site do ministério do trabalho, mas, não encontrei nem o rol nem algum assunto ligado à profissões. Acho que não estou procurando da forma correta. Vc pode me indicar um caminho mais específico? Não consegui nem no Google.

    Mesmo assim, valeu pela dica!
  5. FRANCO SARAIVA
    20/06/2010 20:29

    Obrigado Fafa! Infelizmente, apesar dela ter estudado por 5 anos e ter se formado há 11 anos, para adquirir uma profissão diferente de "DO LAR", terá que se atualizar e se submeter aos caprichos da OAB a fim de conquistar apenas o direito de utilizar o título que lhe cabe por sua dedicação universitária, mesmo não querendo exercer a profissão de advogada.
  6. Adv/AM - Souza
    20/06/2010 20:46

    Olá Franco,


    Conforme disposto na LEI Nº 8.906, DE 4 DE JULHO DE 1994 - Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB):


    Art. 3º O exercício da atividade de advocacia no território brasileiro e a denominação de advogado são privativos dos inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)


    Portanto, um bacharel em direito que ainda não logrou êxito no Exame da Ordem, apenas é um "bacharel em direito".
  7. claudinei de assis
    23/06/2010 00:10

    Caro franco, concordo com vc no q diz respeito a ordem vejo como um preconceito e deveria ser inconstitucional pois nem uma outra formaçção se exige tanto tenho varios amigos formados q nao conseguem passar no exame e trabalham em grandes escritorios de advogados chega a ser um absurdo algo tem Q ser feito.PERGUNTA SE O EXAME DA ORDEM É GRATUITO A HORA QUE FOR A PRÓPRIA OAB DAUM JEITO DE ACABAR.
  8. FRANCO SARAIVA
    23/06/2010 06:13

    Eh meu amigo Claudinei!... Vc tocou no ponto chave! A cocaína tbm é assim, os traficantes (grupo poderoso) ganham muito dinheiro explorando os que dependem dela para coexistir em sociedade. Se fosse gratuita, continuariam dependendo dela, porém, não seria interessante ao traficante que por sua vez não mais obrigaria seu uso... Não sou viciado em droga nenhuma, mas, fico triste por minha esposa, seus amigos e tantos outros que se formaram em Direito que são obrigados a pagar por uma dependência imposta por um "grupo poderoso" para coexistir em sociedade... A diferença é que o tal exame é legalizado!
  9. Joao Celso Neto/Brasíla-DF
    23/06/2010 09:57 | editado

    Se sua esposa não pretende advogar, não vai fazer muita diferença.

    Eu me formei em engenharia e não exerço (nem sou registrado no Crea). Outro colega de turma de engenharia é matemático puro e jamais exerceu a profissão (nem se registrou no Crea).

    O grande ator Sérgio Brito é médico, sem CRM. Paulo Autran era baharel de Direito sem OAB, Paulo José é formado em arquitetura e muitos outros são psicólogos, dentistas e não exercem a profissão.
  10. Dr. ELIAS SILVA
    23/06/2010 10:04

    Quando perguntarem de novo, diga a ela para responder, PURA E SIMPLESMENTE, Bacharel em Direito.

    Para bom entendedor, basta..

    SEM CONHECER, más já torço por ela..
  11. Ariosto Moreira
    28/06/2010 19:36

    Como sugestão, encaminho o site do Movimento Nacional dos Bacharéis em Direito do Brasil.
    este exame da OAB é uma vergonha, não sei o que faz o Senado Federal que não dorruba logo? a CF/88, dá o Direito ao trabalho e a OAB tira, quem tem mais poder?
    http://www.mnbd-brasil.com.br/
  12. Isac - Curitiba/PR
    09/07/2010 13:27

    Discordo de quem é contra o exame da OAB, pois é somente assim, com o exame, que se evita a entrada de maus profrissionais no mercado, pois o advogado, assim como o médico, lida com a vida das pessoas, outro fator relevante é que houve uma avalanche de abertura de cursos jurídicos - dos mais duvidosos - em todo o país com afirmação de que em dois anos a pessoa já seria bacharel em direito, isso é um absurdo, bons profissionais exigem boa formação e não somente isso, mas também preparo e dedicação.

    O exame da ordem não é um bicho de sete cabeças e nem difícil, quem está acostumado a peticionar, ou seja, quem, desde o início da faculdade procurou um estágio e se dedicou com afinco em aprender a profissão, passa sem dificuldades no exame da ordem. A primeira fase é letra de lei pura, basta ler cada um dos códigos duas semanas antes da prova que passa sem dificuldade. A segunda fase então é moleza, pode até fazer consulta a doutrina, isso não acontece nos concursos públicos por aí (magistrado, procurador, promotor).

    Reafirmo, sou veementemente contra os movimentos que pretendem abolir o exame da Ordem dos Advogados do Brasil e, igualmente, sou completamente a favor que exames nos mesmos moldes sejam aplicados a todas as categorias profissionais, evitando-se os maus profissionais - aqueles que sequer aparecem na faculdade, quando não compram o diploma, que nunca abriram um livro, que nunca estudaram.

    Isac Provenzi
  13. Rodrigo Martins ... rpmartins@gmail.com
    10/07/2010 18:54

    estagiarium ad infinitum
  14. Joao Celso Neto/Brasíla-DF
    10/07/2010 21:33 | editado

    Gente, essa pergunta já foi respondida.

    Bacharel de Direito é uma graduação universitária que permite muito mais do que ser Advogado.

    Nenhum juiz é Advogado (não pode ser). Aliás, nenhum serventuário da Justiça é Advogado (também não pode ser). Se eram, têm que dar baixa na OAB - incompatibilidade. Militares que se formam em Direito, idem.

    Bachareis em Direito podem ser Delegados de Polícia, por exemplo, além de se candidatarem a inúmeros cargos públicos que apenas exigem o grau superior, qualquer que seja.

    Não vejo razão para tanto alarde. Não passou no EO? não pode, pela legislação atualmente vigente - nem precisa mudar a CF -, ser Advogado, inscrever-se na OAB. Sai para outra.

    Já me referi antes que quantos Médicos, Arquitetos, Engenheiros sequer se inscrevem nos respectivos Conselhos Regionais. Muito menos exercem a profissão. O que dizer de quem nem chegou a ser Advogado, por exemplo.

    O que poucos atentam é que NÃO existem faculdades de "Advocacia", ninguém recebe diploma de "Advogado".

    Quando uma pessoa conclui o curso de Medicina, por exemplo, NÃO se tornou com seu diploma um Cirurgião, tendo que fazer uma residência médica na qual pode nem ser aprovado. Vai ter que estudar mais, se quiser ser Cirurgião. E se quiser se especializar, aí é qua situação complica e demora. Não sei de nenhum Cirurgião Plástico ou Torácico (cirurgia cardiovascular) ou Pediátrico que possa exercer essa profissão (especialização) menos de uns 5 anos após se graduar em Medicina.

    A situação me parece bem similar. Um Bacharel em Direito não precisa ser Advogado para trabalhar e ter uma profissão.
  15. Sebastião Leolino de Carvalho
    19/07/2010 11:29

    Este tema é muito polêmico, infelizmente para àqueles que pretendem advogar só há um forma, estudar e passar no exame da OAB e posteriormente se credenciar na instituição. Outra alternativa é fazer uso desta habilitação de bacharel, prestando concursos públicos, para exercer as profissões que independem do exame na OAB. Se empenhar, trabalho não faltará!!!
  16. Paulo
    21/07/2010 11:04

    Futura colega,

    Ressalto que advogados são apenas aqueles efetivamente inscritos junto ao quadro de advogados da OAB, não bastando apenas a aprovação no exame da ordem, sendo este um dos requisitos à inscrição definitiva.

    Aproveito para salientar que a aprovação na prova não é nenhum mostro gigantesco. Horas diárias de estudo e a realização de provas anteriores são bons caminhos para a preparação.

    Boa sorte e não desista
  17. Carolina Cruz
    21/07/2010 14:17 | editado

    Tem um ponto disso tudo que não foi abordado, mas foi o que mais me chamou a atenção. Qual é a função que sua esposa desempenha, Franco? Se ela de fato for dona de casa, qual é o problema em dizer isso às pessoas? Eu não considero a profissão de dona de casa degradante. Era degradante quando as mulheres não tinham opção e eram obrigadas a se contentar com cuidar da casa e dos filhos. Porém, se essa for uma escolha da mulher, não vejo problema algum. Hoje existe um certo preconceito contra a mulher que administra a própria casa. Antes existia contra a mulher que saía para trabalhar. Dá a impressão de que nada mudou, já que a mulher continua impossibilitada de fazer sua própria escolha sem ser recriminada por ela.

    Ademais, não acho que a profissão de alguém esteja vinculada necessariamente àquilo que a pessoa estudou, mas sim à função que ela de fato desempenha. Para mim, profissão não é título, é trabalho. Se quem pergunta estivesse interessado em saber quais cursos foram concluídos, perguntaria a formação ou gradução. Para a profissão, o que importa é a atividade desempenhada no dia-a-dia.
  18. Mariacarol
    21/07/2010 14:41

    Bom... nem iria me pronunciar quanto a este topico pois ja foi respondida a questao em debate.
    Porem nao pude deixar de notar como existem "elementos" que insistem em ser notados, e de fato sao... por sua repugnante e despresivel forma de expelir "toda sua sabedoria"

    Parabens aos demais*!!!!
  19. Muniz-PR
    23/07/2010 01:24

    FRANCO SARAIVA, com todo o devido respeito, mas como já perguntaram qual o problema de sua esposa identificar-se como do lar? Ou mesmo bacharel em direito? Uma coisa é querer advogar e não passar no exame da ordem, outra (como é o caso de sua esposa) é ser bacharel em direito e não ter intenção de advogar, seja por qual motivo for (outra carreira ou qualquer rumo que sua vida tenha tomado). Se ela nem tem intenção de advogar, qual interesse teria em se identificar como advogada? "Status"?
    Não quero saber demais da sua vida, apenas largo as perguntas para reflexão... Enfim, há mesmo discussão sobre o Exame da Ordem, o qual acho necessário pois é um "filtro" para tantas faculdades de direito (algumas inclusive de "fundo de quintal") que existem.
  20. ercilia o santos
    28/07/2010 09:20

    Querido Franco te digo uma coisa, a sua esposa pode mudar isso em sua vida, já que tal situação a incomoda estude junto com ela a jude a passar no exame da OAB ela consegue e com seu apoio será bacana, eu mesma era do lar comecei a estudar agora c 42 anos e tbm enfrentarei a prova e estou confiante em passar, então meu caro vamos a luta e seremos felizes....comece tentando, voltando a fazer um curso uma atualização, fazer as provas antigas da OAB e assim vai...bjs e sejam felizes.

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS