Capa da publicação Não fiz o inventário. E agora?

Breves consequências de não fazer o inventário

Leia nesta página:

O inventário tem que ser aberto, isso é, entrar com ação ou procedimento extrajudicial de inventário no prazo de 2 meses. Pela Lei 14.010 de 2020, esse prazo será contado a partir 30 de outubro de 2020, para os falecimentos que ocorreram após o 1º de fevereiro de 2020.

Ressalva-se que o procedimento extrajudicial de inventário ocorrerá em cartório, como observa a Lei 11.441 de 2007, quando os herdeiros estiverem em consenso, não houver herdeiro menor de idade ou incapaz, e, em regra, quando não houver testamento. Recaindo a falta de algum desses requisitos, necessariamente, o inventário deverá ser judicial.

Voltando ao assunto, há uma infinidade de consequências em todos os campos do direito. Enumerarei algumas:

a. Caso o inventário seja aberto após aquele prazo de 2 meses a primeira consequência é uma multa sobre Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis e Doação – ITCD ou ITCMD.

b. outra consequência é que o cônjuge sobrevivente não poderá escolher livremente o regime de bens quando casar novamente. Uma vez que, enquanto não for feito o inventário, o regime do novo casamento do viúvo será obrigatoriamente o de separação total de bens.

c. a terceira consequência é que os herdeiros não poderão dispor dos bens, por exemplo, não poderá vender ou fazer qualquer negociação sobre as propriedades.

Lembrando, só é o dono quem está registrado. No caso do falecimento do dono, o imóvel será considerado uma espécie de condomínio entre todos os herdeiros, isso é, cada um tem uma parte sobre o bem. Assim, enquanto não fizer e finalizar o inventário não se pode negociar o bem.

d. a quarta consequência é que valores bancários, investimentos, FGTS entre outros, não poderão ser levantados.

e. por fim, não fazer o inventário gera possibilidade da herança vacante que, em suma, é quando os herdeiros perdem o direito sobre os bens e o patrimônio será incorporado município ou DF, dependendo onde se encontra.

ATENÇÃO: o presente artigo traz apenas informações e não pretende ser aconselhamento jurídico. Aconselhável a busca de um advogado para seu caso. Dúvidas ou sugestões? Entre em contato.

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Vicente Aleixo Rodrigues de Paula

Advogado atuante em divórcios e inventários extrajudiciais. No direito de trânsito, bem como contrato, principalmente prestação de serviços.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos