A prisão de pessoas ligadas ao Mensalão, no dia de hoje, permite uma série enorme de debates e de questionamentos de todo tipo.

A prisão de pessoas ligadas ao Mensalão, no dia de hoje, permite uma série enorme de debates e de questionamentos de todo tipo. Um desses pontos, por exemplo, permite-nos pensar que o Estado de Direito deve ser uma ferramenta para a Justiça. Entretanto, para que isto ocorra, direito e ética devem ter um prisma comum. Esta relação também se chama de Justiça Política.

Quando se observa o direito no interior da sociedade capitalista, nota-se – especialmente na leitura longitudinal da história – que a produção do direito, assim como de todos os setores fundamentais da vida civil, deve-se a um processo contraditório. Nesta espécie de Hermenêutica Política, pode-se afirmar inicialmente que o direito nasce do conflito (a exemplo da necessidade de se fixar a tripartição dos poderes, depois, a fixação do Estado de Direito).

Há uma teleologia política inerente e que deve superar a mera subsunção ou exegese da lei, tendo-se por base que o direito nasce do conflito. Desse modo, se fosse possível resumir o núcleo comum da normatização, dir-se-ia que o objetivo do direito é garantir a diversidade na adversidade. O cerne da relação entre direito e sociedade, portanto, está no fato de que o conflito é o cerne da luta pelo direito. A questão, neste caso, seria pensar nos mecanismos que levassem a um mínimo equilíbrio do sistema político e jurídico.

De todo modo, independentemente de a sociedade estar em crise ou não, o fato social é gerador do direito – com força coercitiva e generalizante – mesmo porque no grupo social (ou na sociedade complexa) não poderia ser diferente, sobretudo se temos a interação social por princípio e objetivo da convivialidade. Ubi societas, ibi ius – se considerarmos o direito como fato social, senão, não.

O que nos diferencia, no bojo das sociedades complexas, como sociedades de risco e contraditórias, diante das análises funcionalistas, é o entendimento de que o fato social só se converte em direito (para além dos costumes) quando o núcleo de convivência não desbasta o conflito. Longe de ser uma relação social homogênea, a série de conflitos não solucionados impõe a necessidade de organização heterônoma da norma jurídica.

Por outro lado, quando os conflitos são assimilados, os costumes e as regras sociais conseguem garantir equilíbrio social e regularidade ao Estado de Direito. Portanto, a principal função do Estado de Direito, especialmente no pós-2ª Guerra Mundial, é atuar no processo civilizatório. Neste caso, a função precípua do direito, por um lado, é subsumir a violência natural, presente nos conflitos políticos e sociais; por outro, tem o direito a prerrogativa teleológica. Não deixa de ser uma forma ontológica, histórica de se visualizar a luta pelo direito desde o embate também contraditório, mas complementar, entre a liberdade negativa e positiva como freios ao Poder Político.

Todavia, restam indagações:

  • Seria possível equacionar, no interior de um Estado de Justiça Política (que não fosse o Estado Ético, de Hegel), uma necessária hermenêutica política combinada com a teleologia jurídica?
  • No mundo globalizado, os Parlamentos estão aptos para congregar, expressar esta coletivização dos conflitos que vemos no fenômeno social da Multidão?
  • Faz sentido falar hoje em dia de uma judicialização da luta de classes?
  • O Judiciário brasileiro estaria preparado para enfrentar os desafios do pluralismo jurídico?
  • Em meio ao Estado Democrático de Direito Social, ainda se pode ver como Carl Schmitt no seu realismo jurídico que “o soberano é quem detém os meios de exceção”?

Como processo civilizatório, que não deixa de reconhecer a força da contradição, o direito acena ao futuro como recurso, médium, de obtenção e de validação da luta pela Unidade na Diversidade da Humanidade. Sem debater os procedimentos formais do processo, para o Brasil republicano, o julgamento do Mensalão, muito mais do simbólico, é reparador da injustiça sistêmica de uma sociedade feita pela relação amigo-inimigo.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria