Como é sabido, nas vendas mercantis a prazo é obrigatória a emissão, pelo vendedor, de uma fatura ou NF-fatura, para apresentação ao comprador.

Daí surge a faculdade do vendedor em emitir a segunda via dessa fatura ou NF-fatura, antes do vencimento da obrigação ou da primeira prestação, conferindo a esse título força de circulação com efeito comercial, ou seja, a duplicata mercantil.

As duplicatas mercantis, atualmente, são regidas pela Lei 5474 de 18 de julho de 1968, sendo seus requisitos de validade previstos no artigo 2º da referida Lei.

O prazo para remessa da duplicata ao comprador é de 30 dias a partir da sua emissão, observadas disposições do artigo 6º da Lei 5474/68.

Uma vez recebida a duplicata pelo comprador, quando o pagamento do título não for a vista, este terá o prazo de 10 dias para devolvê-lo ao vendedor com o aceite ou, desde que autorizado a reter o título até o vencimento, emita declaração, por escrito, de aceite.

Contudo, o comprador, também, poderá deixar de aceitar a duplicata, quando ocorrer umas das hipóteses previstas no artigo 8º da Lei 5474/68, transcrito a seguir, devendo dentro de 10 dias após a apresentação do título, devolvê-lo com declaração por escrito, contendo as causas da falta do aceite.

Art . 8º O comprador só poderá deixar de aceitar a duplicata por motivo de:

I - avaria ou não recebimento das mercadorias, quando não expedidas ou não entregues por sua conta e risco;

II - vícios, defeitos e diferenças na qualidade ou na quantidade das mercadorias, devidamente comprovados;

III - divergência nos prazos ou nos preços ajustados.

Assim, diante da enorme utilização das duplicatas mercantis nas transações comerciais, muitas são as divergências que podem surgir quanto ao aceite e possibilidade de cobrança judicial.

O artigo 13º da Lei da Duplicatas prevê que a duplicata poderá ser protesta por falta de aceite, de devolução ou de pagamento, sendo que o portador que não efetuar o protesto da duplicata, em forma regular e dentro do prazo da 30 (trinta) dias, contado da data de seu vencimento, perderá o direito de regresso contra os endossantes e respectivos avalistas.

Nesse sentido, não raras são as demandas judiciais para a cobrança da duplicata, que devem observar o processo aplicável aos títulos executivos extrajudiciais, conforme estabelecido pelo artigo 15º da Lei das Duplicatas:

Art 15 - A cobrança judicial de duplicata ou triplicata será efetuada de conformidade com o Processo aplicável aos títulos executivos extrajudiciais, de que cogita o Livro II do Código de Processo Civil ,quando se tratar:

l - de duplicata ou triplicata aceita, protestada ou não;

II - de duplicata ou triplicata não aceita, contanto que, cumulativamente:

a) haja sido protestada;

b) esteja acompanhada de documento hábil comprobatório da entrega e recebimento da mercadoria; e

c) o sacado não tenha, comprovadamente, recusado o aceite, no prazo, nas condições e pelos motivos previstos nos arts. 7º e 8º desta Lei.

§ 1º - Contra o sacador, os endossantes e respectivos avalistas caberá o processo de execução referido neste artigo, quaisquer que sejam a forma e as condições do protesto.

 § 2º - Processar-se-á também da mesma maneira a execução de duplicata ou triplicata não aceita e não devolvida, desde que haja sido protestada mediante indicações do credor ou do apresentante do título, nos termos do art. 14, preenchidas as condições do inciso II deste artigo.

Verifica-se, portanto, que o protesto não é requisito para a execução judicial de duplicatas aceitas, sendo requisito apenas para as duplicatas não aceitas, que deverão estar acompanhadas, ainda, do comprovante de entrega e recebimento das mercadorias, e desde que o sacado não tenha recusado o aceite no prazo e condições legais.

Assim, no caso das duplicatas não aceitas e quando não estão preenchidos os requisitos do inciso II, do artigo 15º da Lei 5474/68, a cobrança judicial deverá observar o procedimento ordinário previsto no Código de Processo Civil, para que assim sejam averiguadas as alegações invocadas para o não aceite da duplicata, nos termos estabelecidos pelo artigo 16º da Lei das Duplicatas.

Art 16 - Aplica-se o procedimento ordinário previsto no Código de Processo Civil à ação do credor contra o devedor, por duplicata ou triplicata que não preencha os requisitos do art. 15, incisos l e II, e §§ 1º e 2º, bem como à ação para ilidir as razões invocadas pelo devedor para o não aceite do título, nos casos previstos no art. 8º.

Em ambos os procedimento de cobrança, execução ou ordinário, em atenção ao artigo 17º da citada Lei, o foro competente será a praça de pagamento constante do título, ou outra de domicílio do comprador e, no caso de ação regressiva, a dos sacadores, dos endossantes e respectivos avalistas.

É importante destacar, ainda, os prazos prescricionais para a pretensão executiva das duplicatas, estabelecidos pelo artigo 18º da Lei 9474/68, transcrito a seguir:

Art 18 - A pretensão à execução da duplicata prescreve:

l - contra o sacado e respectivos avalistas, em 3(três) anos, contados da data do vencimento do título;

ll - contra endossante e seus avalistas, em 1 (um) ano, contado da data do protesto;

 Ill - de qualquer dos coobrigados contra os demais, em 1 (um) ano, contado da data em que haja sido efetuado o pagamento do título.

§ 1º - A cobrança judicial poderá ser proposta contra um ou contra todos os coobrigados, sem observância da ordem em que figurem no título.

§ 2º - Os coobrigados da duplicata respondem solidariamente pelo aceite e pelo pagamento.

Por todo o exposto, diante da grande importância do conhecimento do tema estudado para as relações comerciais empresariais, restaram demonstrados todos os requisitos para a cobrança judicial das duplicatas mercantis aceitas ou não aceitas.  


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria