Diante da complexa legislação tributária 95% das empresas brasileiras recolherem mais tributos que o devido

Ficou conhecido nessa semana o advogado mineiro Vinicios Leoncio, que compilou numa publicação todas as legislações tributárias adotadas por municípios, Estado e União, um trabalho de 23 anos. Resultado: o livro possui 41 mil páginas, 7,5 toneladas e 124 mil m² de papel presos a sete pinos. Um objeto de 2,1 metros de altura.

O objetivo do advogado é enviar a publicação para Brasília e deixa-lo em frente ao Congresso Nacional em forma de protesto à complexa legislação tributária. De acordo com IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário) em 25 anos (1988-2013) foram editadas 309,1 mil normas tributárias, uma média de 31 por dia.

Numa visão conspiratória sobre o mundo, essa complexidade tributária poderia ser considerada elaborada de propósito pelos legisladores, com a finalidade hedionda de confundir o contribuinte. A justificativa disso se dá nos resultados de um estudo, também do IBPT: 95% das empresas brasileiras recolherem mais tributos que o devido.

Em casos de revisão de impostos elaborados pela Studio Fiscal em empresas de médio e grande porte, foi identificado o recolhimento errôneo de valores equivalentes a mais de 50% do faturamento. Figurativamente, é possível comparar isso a um vírus alojado na empresa e debilitando sua saúde financeira.

Nessa situação, o empresário acaba obrigado a aumentar o valor final do seu produto, encarecendo toda a cadeia de produção até chegar ao consumidor que vê seu poder de compra deteriorado. O incorreto recolhimento de tributos diminui consideravelmente a competitividade da organização, impedindo o investimento em melhorias estruturais ou no produto, tornando-a uma vitima potencial ao fracasso, diante do mercado acirrado atual.

Por isso, é de suma importância que a empresa invista em planejamento tributário de longo prazo. Além de recuperar os tributos já pagos a maior, o mapeamento fisco-tributário garante ao gerente estratégias decisivas e fundamentais para saúde financeira organizacional. Somente assim, as organizações estarão mais preparadas para lidar e se blindar antes a nossa hedionda legislação tributária.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria