Com o fim da vigência da Resolução CMN 2.303/96, não há mais respaldo legal a contratação da Tarifa de Emissão de Carnê (TEC) e da Tarifa de Abertura de Crédito (TAC), ou outra denominação para o mesmo fato gerador.

Em agosto de 2013, o Superior Tribunal de Justiça colocou fim na discussão sobre a legalidade da cobrança de algumas tarifas bancárias, são elas, Tarifa de emissão de carnê, Tarifa de Abertura de Crédito, Tarifa de Cadastro, Tarifa de Serviços de Terceiros e outras.

Ao julgar o recurso interposto o STJ pacificou o entendimento, segundo o qual, é ilegal a cobrança de TEC e TAC nos contratos de empréstimo e financiamento celebrados a partir de 01º de abril de 2008. Já a cobrança de Tarifa de Serviços de Terceiros foi considerada ilegal nos contratado firmados a partir de março de 2011. Vejamos o trecho da decisão:

“[...] Nos contratos bancários celebrados até 30.4.2008 (fim da vigência da Resolução CMN 2.303/96) era válida a pactuação das tarifas de abertura de crédito (TAC) e de emissão de carnê (TEC), ou outra denominação para o mesmo fato gerador, ressalvado o exame de abusividade em cada caso concreto. - 2ª Tese: Com a vigência da Resolução CMN 3.518/2007, em 30.4.2008, a cobrança por serviços bancários prioritários para pessoas físicas ficou limitada às hipóteses taxativamente previstas em norma padronizadora expedida pela autoridade monetária. Desde então, não mais tem respaldo legal a contratação da Tarifa de Emissão de Carnê (TEC) e da Tarifa de Abertura de Crédito (TAC), ou outra denominação para o mesmo fato gerador. [...]” (STJ, Relator: Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, Data de Julgamento: 28/08/2013, S2 - SEGUNDA SEÇÃO).

Os consumidores que pactuaram contratos de empréstimo ou financiamento após as datas assinaladas podem pleitear judicialmente a devolução em dobro das quantias desembolsadas com base no art. 42 § único do Código de Defesa do Consumidor, que assim prevê: “O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável”.

No tocante a cobrança da Tarifa de Cadastro ficou consignado que a sua cobrança é permitida, todavia somente pode ser descontada do cliente uma única vez no início do relacionamento bancário, por exemplo quando da abertura de conta, se este valor for diluído nas contraprestações, poderá o consumidor pleitear sua restituição em dobro.

As taxas administrativas, embora sejam expressamente previstas no contrato, não há de se negar que tal exigência constitui-se em aumento de juros de forma transversa, violando o disposto no art. 51, inciso IV, do CDC, na medida em que, estabelece obrigação sem a contraprestação, colocando o consumidor em desvantagem exagerada, incompatível com a boa-fé e a equidade.

Diante disso, o consumidor deve procurar um Advogado especializado na área para análise e revisão do contrato, o qual, constatando a ilegalidade da cobrança dos acessórios embutidos no contrato de financiamento, deverá ajuizar ação competente para devolução dos valores em dobro com correção monetária e juros, uma vez que infringem o disposto nos artigos 39, I, e 46 e 51, IV do Código de Defesa do Consumidor.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria