E eis que o livro “Guerra Mundial Z” , de Max Brooks, trouxe algumas inspirações para uma sociedade devastada, cuja necessidade primária é a de reconstrução das nações.

Fragmentos extraídos de um contexto onde foram necessárias escolhas trágicas para a sobrevivência da humanidade.

Diante de um situação apocalíptica imaginada pelo autor, algumas sugestões de reorganização social chamaram a atenção:

1. A decisão política de que, diante da complexidade da catrástofe vivida, da crescente limitações dos recursos e para garantir a sobrevivência da sociedade como um todo, uma parcela desta mesma sociedade deveria ser sacrificada.

A imagem usada para ilustrar essa situação é a de sobreviventes de um naufrágio num bote salva-vidas que simplesmente não tinha espaço para todos.

Tentar salvar a todos implicaria no uso de todos os meios a disposição do Estado, o que conduziria, inevitavelmente, a um ponto de “ruptura”. Desta forma, o sacrifício se impõe face ao dilema “não posso salvar todo mundo, concentrarrei meus esforços e salvarei quem achar necessário para a manutenção da sociedade”. A decisão partiu da elite política – o governo, numa tentativa de preservação de sua legitimidade e da própria sociedade, utilizando-se o seguinte princípio:“A primeira baixa do conflito deve ser o sentimentalismo”.

2. A inversão da valorização das posições sociais: o evento apocalíptico atingiu, em sua maioria, sociedades pós-industriais, com ênfase no setor de serviços e extrema especialização dos cargos de trabalho. A falência das infraestruturas que mantinham o Estado (transportes, comércio, energia) e a necessiade da manutenção da sociedade fez crescer de importância as profissões primárias.

A reestruturação organizacional da sociedade levou a uma reeducação laboral, onde os profissionais que não eram considerados essenciasi passaram a ser treinados em funções básicas, mas dentro contexto, fundamentais: carpinteiros, mecânicos, pedreiros, costureiras, agricultores.

3. No sistema penal (tendo em vista a necessidade de não se perder a capacidade de mão-de-obra), os crimes não são punidos com prisões ou execuções; volta-se a aplicar punições físicas públicas, utilizando-se o constrangimento da humilhação pública para coibir a criminalidade.

4. A inquietação com os núcleos de resistência não assistidos pelo Estado; a preocupação, na fase de reocupação territorial, de lidar com a resistência desses grupos.

5. A importância do esforço administrativo-logístico: tendo em vista a redução da obtenção de recursos naturais, uma vez que o acesso a maior parte dos territórios estava comprometido, surge a necessidade da obtenção de matéria-prima (uso da propriedade privada, reciclagem) voltados para atender, prioritariamente, a esforços de guerra/sobrevivência considerados vitais.

 

Esta é uma obra de ficção, mas algumas medidas de reestruturação social mostram-se interessantes para lidar com as demandas sociais de uma sociedade cada vez mais complexa, colocada frente a um colapso total.

Voltando para nossa realidade e partindo para reflexões, há de se rever o que constitui prioridade na sociedade organizada, pois “não há como salvar a todos”: limitações de recursos e aplicação para as demandas sociais; a forma de punição – como é possível um estado democrático permitir velhas leis, criadas no âmbito autoritário de continuarem vivas?; e o planejamento estratégico, eminentemente administrativo -  deve-se olhar apara a boa governança e abdicar de práxis altamente burocrática, também ranso de um estado ditatorial.

Enquanto não houver consciência política das pessoas constitucionais para alavancar a democracia, serão as elites - os agentes transformadores e aqui entendidos como todos aqueles com acesso a formação e informação, os que impulsionarão a roda democrática.

O braço institucional deverá ser reforçado, pois responsável pela concretização dos direitos, mas não a partir de uma perspectiva “solipsista”, o que retomaria o velho autoritarismo, mas dentro de uma visão dialógica de construtivismo.

Não basta a proliferação de vozes pela liberdade... será a solidariedade o grande responsável para mover a construção e reconstrução do estado dentro do  sentido democrático.

Afastar o hiperindividualismo e o egoísmo é o grande desafio a se enfrentar, porque o outro está procupado consigo. Como faço para o outro se preocupar comigo? Espero que não seja preciso um apocalipse zumbi para isso...


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria