artigo sobre marketing jurídico

A vida como ela é…

Quando falamos em marketing jurídico, muitos confundem com propaganda.

Quando falamos em marketing jurídico, muitos querem fazer apenas o que não é permitido.

Esquecem que dentro da ética (mesmo sem mudar nada do que hoje é permitido) temos muitas possibilidades de marketing.

A começar em relacionamento.

Advogado que diz ser bem relacionado, mas odeia reuniões, não quer conviver com clientes, prefere apenas ver alguns clientes preferenciais.

Ledo engano. Relacionamento se cria com contatos diversos, com muitas pessoas falando do teu trabalho, do teu conhecimento, das tuas atitudes e verdades.

Aquele que prega algo e faz diferente não chega no sucesso, vive no problema que ele mesmo criou.

E como fazer o marketing jurídico?

No mínimo:

* Planejar atitudes concretas, como escrever artigos, dar entrevistas, estar presente na comunidade, elaborar folders, ter um cartão de visita bom, enfim, pensar em diversos meios de se tornar conhecido.

* Contatar ex-clientes para demonstrar novos produtos e/ou novidades que possam ser úteis a eles.

* Atender de forma pessoal ou estruturada (com pessoas treinadas e específicas) clientes, ex-clientes e possíveis clientes. Nada melhor que ser bem atendido para fechar um negócio, não?

Além disto, preocupe-se com a sua marca jurídica, que é, em primeira mão, o seu próprio nome.

É… a vida como ela é… Ou tomamos as rédeas do nosso negócio ou sucumbimos.

#Aescolhaésua


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria