Artigo sobre marketing jurídico eletronico

A vida como ela é…

A vida eletrônica parece uma vida perfeita… Pessoas sempre felizes, expondo seus melhores e debochando de outras.

No universo jurídico advogados postando sentenças, teses e participando de grupos…

Até parece…

O que vislumbramos são advogados postando teses jurídicas, sentenças, acórdãos, enfim, como se todos fossem advogados e compreendessem estas realidades.

Advogados que querem se “vender” a clientes e possíveis clientes, sem medir conseqüências de seus atos.

Advogados que usam as redes sociais apenas para falarem de si, política, ridicularizar outros ao invés de compreenderem o sentido das redes sociais.

Redes sociais devem servir para gerar relacionamentos e não para vender algo.

Redes sociais devem servir para conversas e debates de temas recorrentes em que o conhecimento jurídico pode ser útil.

Redes sociais devem servir para participar ativamente de grupos não ligados essencialmente ao direito e mostrar que o seu conhecimento é superior ao jurídico.

Enfim, a vida como ela é…

Pessoas que aparentam, mas não são, profissionais que tentam vender ao invés de se relacionar e redes sociais que perdem seu contexto, com pesar.

#Ficaareflexão


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria