Análise números do judiciário

Recentemente saiu a justiça em números de 2013. Números que em qualquer análise demonstram que precisamos avançar muito para que a resposta do título deste artigo seja negativa.

Os números mostram em resumo:

92,2 milhões de processos ativos em 2013

82,9 milhões estão em primeiro grau (90% dos processos ativos)

Produção de 23,1 milhões ano.

Temos congestionado 72%  dos processos em primeiro grau e 26% em segundo grau (tribunais estaduais)

Fonte: http://www.youblisher.com/p/901294-GRUPO-DE-TRABALHO-OAB-RS-REFORMA-DO-PODER-JUDICIARIO-COLEGIO-DE-PRESIDENTES-2014-01/

Diante de uma realidade de pouco resultado frente a demanda (e não se diga que a culpa é da demanda, já que o principal demandante é o próprio Estado – vide: http://gustavorochacom.com.br/2013/02/25/acesso-a-justica-como-assim/) o processo eletrônico surge como o grande salvador da pátria que vai resolver os problemas do judiciário Brasileiro.

E pior, um processo eletrônico que vem associado a súmulas vinculantes.

O processo eletrônico na forma que temos hoje é um resultado de cópia do processo físico transferido para o meio eletrônico, o que ocasiona de forma absurda a situações que não temos como resolver e estão tirando o sono dos advogados e do próprio judiciário.

Além disto, não será apenas o processo eletrônico e súmulas vinculantes que engessam o judiciário de cima pra baixo (altamente questionável o como isto será benéfico para quem precisa de justiça) que poderão salvar o judiciário.

Investimentos maciços em pessoas, treinamento, tecnologia e uma abertura de mentalidade para que o meio eletrônico sejam pensados novamente, em conjunto com a OAB e com demais integrantes da justiça será mister para que possamos sair desta situação.

Sim, nós. Não podemos dizer que a culpa é do judiciário e ponto final. Precisamos encontrar um meio de auxiliar o judiciário a encontrar a solução, pois a advocacia é partícipe da justiça, nos moldes do artigo 133 da Constituição Federal.

Se queremos mudar a forma das leis, queremos mudar a situação de um judiciário quebrado em números, devemos fortificar a advocacia, fortificar as leis fazendo do processo eletrônico uma solução e não um paliativo, como hoje vivenciamos.

Legislação depende dos deputados federais, estaduais, vereadores e senadores.

Investimentos no judiciário depende dos deputados federais, estaduais, vereadores e senadores.

Mudanças efetivas dependem de vários outros fatores que passam também por deputados federais, estaduais, vereadores e senadores.

Então, tudo que queremos para um judiciário melhor, uma advocacia focada em justiça e um processo eletrônico mais do que apenas uma cópia mal feita do CPC, passa pelas eleições.

E daí eleitor, como vai ser?

Votar em qualquer um, em qualquer santinho do chão antes de chegar na urna ou buscar representantes da sua comunidade para ter alguém que possa e deva ser cobrado nos próximos 4 anos?

Ou aprendemos a ser uma democracia ou seremos sempre resultado da porquice de escolha que fizemos a cada 4 anos (com perdão ao porco que não tem culpa do adjetivo).

O judiciário está doente, além de inúmeras outras questões no Brasil que estão doentes ou moribundas também. Agora a mudança depende de mim, de ti, de nós. A mudança começa no voto, mas não acaba com ele. Além do voto, devemos exercer nossa cidadania cobrando quem foi eleito para agir conforme prometeu.

Ou aprendemos ou sofremos as consequencias.

#Aescolhaénossa


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria