Talvez já tenha ouvido falar sobre o direito do esquecimento ou ainda não, e sequer se preocupa com isto.

Deveria pelo menos saber e até um pouco se preocupar.

Em 2013 já tratamos desta assunto, discorrendo sobre um julgamento do Superior Tribunal de Justiça e o direito ao esquecimento, acesse aqui.

Agora, um dado real e deste mês: Até o início de Setembro, o Google recebeu mais de 120 mil pedidos de esquecimento, referindo-se a mais de 470 mil sites.

O que isto significa?

Significa que num mundo onde estamos cada vez mais conectados, cada vez mais postando em redes sociais nossas opiniões, indignações e num mundo onde atacar virtualmente empresas, personalidades e por aí a fora existe e não podemos controlar isto, o Google busca tudo isto e coloca de bandeja no buscador ao alcance de alguns cliques… Ou seja, um dia a sua empresa teve uma falha e ela foi exposta em redes sociais, etc. A falha já foi corrigida, mas se você digitar a marca da sua empresa o google vai achar artigos acerca disto, notícias, etc… Será que a penalidade nunca acaba? Sempre vai ser lembrado pelo erro, mesmo que corrigido?

Aí vem o direito a ser esquecido, quer dizer, que o Google vai esquecer as notícias sobre aquele erro, no exemplo dado.

Obviamente não é tudo que pode ser esquecido, há algumas regras para isto, tanto no Brasil como na Europa, contudo, a reflexão que fica é:

Como estou posicionado (empresa) nos buscadores? Quando digito meu nome encontro o quê? Em uma internet vasta e complexa, como quero ser localizado?

É amigo leitor… Não basta estar na internet, ter site, blog, redes sociais… Tem que estar monitorando, verificando como o consumidor da nossa empresa nos vê.

Isto faz toda diferença na hora da contratação do serviço.

#Ficaadica


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria