A inscrição no PAT, além de beneficiar o trabalhador, beneficia a empresa com a possibilidade de dedução do valor no Imposto de Renda e possibilidade de eximir-se da integração do valor de refeição no salário-contribuição.

O Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT - foi instituído pela Lei 6.321 de 14 de abril de 1976 e regulamentado pelo Decreto nº 5 de 14 de janeiro de 1991.

O PAT tem o intuito de melhorar a condição da alimentação do trabalhador, bem como proporcionar melhores valores nutricionais na refeição.

Além de proporcionar ao trabalhador melhores condições de nutrição, a inscrição no PAT confere à empresa benefícios tributários, a saber: dedução no Imposto de Renda e possibilidade de não inclusão da parcela paga no salário in natura.

Nos parágrafos 1º e 2º do artigo 1º da Lei 6.321/76, temos estabelecida a regulamentação sobre a dedução no imposto de renda, onde, é possível deduzir do lucro tributável sobre a renda o dobro das despesas comprovadamente realizadas no período base.

Ainda, as despesas não deduzidas no exercício financeiro atual poderão ser deduzidas nos dois exercícios subsequentes.

Sobre a dispensa da prestação paga do salário contribuição, a vantagem é a não inclusão do valor pago na base da Contribuição Previdenciária (INSS).

Quando da inscrição no PAT, a empresa que paga a refeição para o empregado pode eximir-se de recolher Contribuição Previdenciária sobre as referidas parcelas, sem prejuízo do desconto de parte do valor em folha de pagamento.

A Súmula nº 241 do Tribunal Superior do Trabalho – TST sugere que, quando a empresa não está inscrita no PAT e, em conjunto,  mesmo não desconta um percentual do valor da refeição fornecida em folha de pagamento, está sujeita a integrar o valor pago referente à refeição ao salário contribuição. A seguir, Súmula 241-TST:

TST - Súmula nº 241: "Salário-utilidade - Alimentação: O valor para refeição, fornecido por força do contrato de trabalho, tem caráter salarial, integrando a remuneração do empregado, para todos os efeitos legais”.

Sobre a questão de desconto referente alimentação, a jurisprudência corrobora nosso entendimento, onde os valores descontados são legais, desde que a empresa seja inscrita regularmente no PAT:

TRT02 – RO – ACÓRDÃO: 20140510006 – EMENTA: A reclamada comprovou a sua participação no PAT, pelo que não há de se falar em devolução dos valores descontados a título de vale alimentação, referentes à participação do trabalhador, consoante artigo 2º, parágrafo 1º do Decreto nº 5 de 14.01.1991. DATA: 18/06/2014

Ainda, coaduna com nosso entendimento e com o previsto no artigo 3º da Lei 6.321/76 que não é considerado salário-contribuição, prestação paga a título de refeição, desde que a empresa esteja inscrita no PAT:

TRT02 – RO – ACÓRDÃO: 20140459868 – EMENTA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. NATUREZA INDENIZATÓRIA. O fornecimento de alimentação subsidiada à reclamante não tem natureza salarial, conforme previsto nas normas coletivas firmadas pelo Sindicato da categoria profissional e a reclamada. O auxílio-alimentação decorreu de norma coletiva e de norma interna da reclamada, há muito tempo revogadas. Desde 1991 a reclamada está regularmente inscrita no Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) de forma que o benefício não tem natureza salarial, conforme entendimento consagrado pela Orientação Jurisprudencial nº 133 da SDI-1 do TST. DATA: 27/06/2014.

Concluindo, a inscrição no PAT, além de beneficiar o trabalhador, beneficia a empresa com a possibilidade de dedução do valor no Imposto de Renda e possibilidade de eximir-se da integração do valor de refeição no salário-contribuição.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria