Breve explanação acerca dos conceitos de pessoa e personalidade jurídica no âmbito do Direito Civil.

De acordo com Pontes de Miranda, "pessoa é o titular de direito, o sujeito de direito"[1]. Dessa forma, no entendimento de Nestor Duarte: "Pessoa é o ente que pode ser sujeito de relações jurídicas"[2].

Maria Helena Diniz traz a acepção jurídica do termo “pessoa” como “o ente físico ou coletivo suscetível de direitos e obrigações, sendo sinônimo de sujeito de direito. Sujeito de direito é aquele que é sujeito de um dever jurídico, de uma pretensão ou titularidade jurídica, que é o poder de fazer valer, através de uma ação, o não cumprimento do dever jurídico, ou melhor, o poder de intervir na produção da decisão judicial[3].

Ainda segundo Pontes de Miranda:

“(...) ser pessoa é apenas ter a possibilidade de ser sujeito de direito. Ser sujeito de direito é estar na posição de titular de direito. Não importa se, se é munido de pretensão e ação, ou exceção. Mas importa que haja direito. Se alguém não está em relação de direito, não é sujeito de direito: é pessoa; isto é, o que pode ser sujeito de direito, além daqueles direitos que o ser pessoa produz. O ser pessoa é fato jurídico: com o nascimento, o ser humano entra no mundo jurídico, como elemento do suporte fático em que o nascer é o núcleo.

(...)

a personalidade é a possibilidade de se encaixar os suportes fáticos, que pela incidência das regras jurídicas, se tornem fatos jurídicos, portanto, a possibilidade de ser sujeito de direito.

(...)

Personalidade é o mesmo que (ter) capacidade de direito, poder ser sujeito de direito.”[4]

O Código Civil brasileiro, em seu artigo 1º prescreve:

“Art. 1º Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil.”

 Assim, levando-se em consideração a capacidade da pessoa de adquirir direitos e contrair deveres, temos a ligação entre os conceitos de pessoa e personalidade.

Apenas no período clássico do direito romano, e de forma mais efetiva no perído pós-clássico, com a necessidade da união de esforços para o alcance de objetivos comuns e evolução mercantil, é que foi vislumbrada a possibilidade de subjetivação de entes abstratos.

Entretanto, a ideia de pessoa jurídica que conhecemos hoje, sujeito de direitos e obrigações, com personalidade e patrimônio próprios, distintos de seus membros, surgiu a partir do século XIX, tendo como precursor Savigny, seguido por Ihering, Windscheid, Otto Gierke, entre outros.

 Existem diversas teorias acerca da natureza da pessoa jurídica, sendo a percursora a teoria da Ficção Legal de Savigny, que diz que apenas o homem pode ser sujeito de direito, e, portanto, para que determinadas entidades possam exercer direitos patrimoniais, surge uma criação artificial da lei , uma ficção[5].

Maria Helena Diniz é contrária a essa teoria da Ficção Legal:

“Não se pode aceitar essa concepção, que, por ser abstrata, não corresponde à realidade, pois se o Estado é uma pessoa jurídica, e se se concluir que ele é ficção legal ou doutrinária, o direito que ele emana também o será.”[6]

Em relação a tal teoria Calixto Salomão Filho ressalta que “a ficção é para ele (Savigny) um meio de afirmar o caráter artificial de tal atribuição, sem negar a realidade própria dos agrupamentos humanos aos quais é atribuída a personalidade jurídica[7].

Para Ricardo Negrão “a personalidade jurídica é uma ficção jurídica, cuja existência decorre da lei. É evidente que às pessoas jurídicas falta existência biológica, característica própria das pessoas naturais. Entretanto, para efeitos jurídicos e, leia-se, para facilitar a vida em sociedade, concede-se a capacidade para uma entidade puramente legal subsistir e desenvolver-se no mundo jurídico. Sua realidade, dessa forma, é social, concedendo-lhe direitos e obrigações[8].

Conforme Plácido e Silva personalidade jurídica é a “denominação propriamente dada à personalidade que se atribui ou se assegura às pessoas jurídicas, em virtude do que se investem de uma qualidade de pessoa, que as tornam suscetíveis de direitos e obrigações e com direito a uma existência própria, protegida pela lei. É, assim, uma especialização terminológica da personalidade civil para designar as pessoas constituídas por força da lei, em distinção à personalidade física, próprias às pessoas naturais[9].

O Código Civil de 1916 trazia em seu artigo 20 que “as pessoas jurídicas têm existência distinta da dos seus membros”, ou seja, tem-se a separação entre patrimônios e responsabilidades dos sócios e da empresa.

Segundo Haroldo Valladão, “a personalidade é o conceito básico da ordem jurídica, que a estende a todos os homens, consagrando-a na legislação civil e nos direitos constitucionais de vida, liberdade e igualdade[10].

Temos que a pessoa jurídica é resultante de uma união de esforços para um fim comum, não se confundindo sua personalidade com a personalidade dos sócios.

Coforme Marçal Justen Filho:

“ a personificação societária envolve uma sanção positiva prevista pelo ordenamento jurídico. Trata-se de uma técnica de incentivação, pela qual o direito busca conduzir e influenciar a conduta dos integrantes da comunidade jurídica. A concentração de riqueza e a conjugação de esforços inter-humanos afiguram-se um resultado desejável não em si mesmo, mas como meio de atingir outros valores e ideais comunitários. O progresso cultural e econômico propiciado pela união e pela soma de esforços humanos interessa não apenas aos particulares como ao próprio Estado.”[11]

O Código Civil de 2002 assegura em seu artigo 52 a proteção dos direitos da personalidade à pessoa jurídica, subsistindo o princípio clássico trazido pelo Código de 1916:

“Art. 52. Aplica-se às pessoas jurídicas, no que couber, a proteção dos direitos da personalidade.”

O professor Washington de Barros Monteiro ensina que:

“A personalidade jurídica não é uma ficção, mas uma forma, uma investidura, um atributo que o Estado defere a certos entes, havidos como merecedores dessa situação. A pessoa jurídica tem, assim, realidade, não a realidade física (peculiar às ciências naturais), mas a realidade jurídica, ideal à realidade das instituições jurídicas. No âmbito do direito, portanto, as pessoas jurídicas são dotadas do mesmo subjetivismo outorgado às pessoas físicas”[12].

E, ainda, segundo J. Lamartine Corrêa de Oliveira:

“sempre entendemos ser a pessoa jurídica realidade análoga ao ser humano. Como a pessoa humana, é um ser dotado de individualidade permanente, pois que a entrada e saída de sócios ou associados ou de administradores não lhe altera o ser, dotado de independência externa, porém não substancial, como a pessoa humana, que existe per se, mas acidental, pois que depende, para existir, dos seres humanos, que estão sob (sub stant) sua existência”[13].

A atribuição de personalidade à pessoa jurídica possibilita o alcance de resultados mais consistentes, uma vez que a junção de forças financeiras e físicas aliadas ainda à separação das responsabilidades é de grande importância ao fomento da atividade mercantil.

Entretanto, há quem se utilize dessa separação de patrimônio e de responsabilidades para fraudar credores, fazendo da personificação um instrumento para encobrir a prática de atos lesivos.

Amador Paes de Almeida ensina que, “não obstante o rigorismo legal, com certa freqüência acobertam-se os sócios na autonomia patrimonial da pessoa jurídica para fins ilícitos, abusivos ou fraudulentos, buscando proveito próprio em detrimento dos direitos de terceiros[14].

Conforme entendimento de J. Lamartine Corrêa de Oliveira, tem-se a crise da pessoa jurídica toda vez que esta for utilizada para fins que não se coadunam com os princípios do ordenamento jurídico, de modo que doutrina e legislação reajam para que tal ato consista na suspensão da separação entre pessoa-membro e pessoa jurídica, visando a solução do caso. É a técnica da desconsideração[15].

Dessa forma, fez-se necessária a criação de previsão legal para relativizar a separação patrimonial e de responsabilidades entre sócio e sociedade, fazendo com que seja possível a retirada dos efeitos da personificação.


[1] MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado, p. 209. Rio de Janeiro: Borsói, 1972.

[2] DUARTE, Nestor . Arts. 1º a 232 Parte Geral. In: PELUSO, Cezar (Coord.). (Org.). Código Civil comentado: doutrina e jurisprudência. V. 1, 3ª ed., p. 15. Barueri, SP: Manole, 2009.

[3] DINIZ,Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Teoria Geral do Direito Civil. Vol. 1, p. 242. Saraiva: São Paulo. 2011

[4] MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado, p. 207-209. Rio de Janeiro: Borsói, 1972.

[5] Savigny, Traité de droit romain, §85.

[6] DINIZ,Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Teoria Geral do Direito Civil. Vol. 1. Pág. 244. Saraiva: São Paulo. 2011

[7] COMPARATO, Fábio Konder.SALOMÃO FILHO, Calixto. O poder de controle na sociedade anônima. 5ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008, p. 329.

[8] NEGRÃO, Ricardo. Manual de Direito Comercial e de Empresa, Vol. 1. 7ª ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p. 263.

[9] SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. 27ª ed. Atualizadores: Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. Forense: Rio de Janeiro, 2008, p. 1038.

[10] VALLADÃO, Haroldo. Capacidade de Direito, in Enciclopédia Saraiva do Direito. V. 13, p. 34. São Paulo: Saraiva. 1977.

[11] JUSTEN FILHO, Marçal. Desconsideração da personalidade societária no direito brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1987, p. 49.

[12] MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil, Parte Geral. Página 109. São Paulo: Saraiva, 1958.

[13] OLIVEIRA, J. Lamartine Corrêa de. A dupla crise da pessoa jurídica. Página 18. São Paulo: Saraiva, 1979.

[14] ALMEIDA, Amador Paes de. Execução de bens dos sócios: obrigações mercantis, tributárias, trabalhistas: da desconsideração da personalidade jurídica (doutrina e jurisprudência). 8ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 194.

[15] OLIVEIRA, J. Lamartine Corrêa de. A dupla crise da pessoa jurídica. São Paulo: Saraiva, 1979.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0