Você sabe o que é o Movimento Desenvolvimento Limpo? Este artigo explica este conceito, relacionando-o com o Direito Ambiental.

1                  O Desenvolvimento Correlacionado ao Direito Ambiental e a Responsabilidade Penal

1.1            Conceitos de Desenvolvimento

Primeiramente, faz-se necessário trazer conceitos base para adentrar na discussão sobre como o direito ambiental e a responsabilidade penal incidem no pensamento desenvolvimentista.

a)                  Conceito de Desenvolvimento

O conceito de desenvolvimento apresentado pelo Dr. Marco Antonio Vasconcelos e o Dr. Manuel Enriquez Garcia em seu livro, Fundamentos de Economia, é:

“as alterações da composição do produto e a alocação de recursos pelos diferentes setores da economia, de forma a melhorar os indicadores de bem estar econômico e social (pobreza, desemprego, desigualdade, condições de saúde, alimentação, educação e moradia)”.[1]

b)                 Conceito de Desenvolvimento Sustentável

De acordo com Roberto Pereira Guimarães e Susana Arcangela Quacchia Feichas, em seu texto, Desafios na Construção de Indicadores de Sustentabilidade, esclarecem:

Segundo Guimarães (1998), as raízes modernas do conceito de desenvolvimento sustentável encontram-se na Conferência de Estocolmo em 1972, quando, pela primeira vez, chamou-se atenção para os impactos negativos do processo de desenvolvimento no meio ambiente e no tecido social, ocasião na qual tomadores de decisão do mundo inteiro foram alertados sobre a existência de outras dimensões do desenvolvimento, para além da dimensão econômica. Entretanto, atualmente, a definição mais aceita de desenvolvimento sustentável é a que ficou consagrada no Relatório Brundtland, de 1987, e foi difundida durante a realização da Rio-92, podendo ser resumida à seguinte sentença: “atender às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades” (WCED, 1987, p. 9).[2]

A diferença do desenvolvimento sustentável e do desenvolvimento comum é a real preocupação com o equilíbrio, a harmonia entre o avanço e o futuro potencial de satisfação das necessidades da população.

c)                  Conceito de Ecodesenvolvimento

O conceito de ecodesenvolvimento é explicitado no artigo do Professor do Depto de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Catarina Gilberto Montibeller Filho:

“O conceito de Ecodesenvolvimento foi introduzido por Maurice Strong, Secretário da Conferência de Estocolmo (Raynaut e Zanoni, 1993), e largamente difundido por lgnacy Sachs, a partir de 1974 (Godard, 1991).

Na definição dada por Sachs, citada por Raynaut e Zanoni (1993, p. 7), para um determinado país ou região o Ecodesenvolvimento significa o "desenvolvimento endógeno e dependente de suas próprias forças, tendo por objetivo responder problemática da harmonização dos objetivos sociais e econômicos do desenvolvimento com uma gestão ecologicamente prudente dos recursos e do meio".[3]

1.2            Como o Direito Ambiental Influi na Discussão de Desenvolvimento

Levando em consideração tanto a necessidade de desenvolvimento quanto a preservação do meio ambiente, como que o Estado deve agir, deve ser disposta as normas da legislação vigente, tendo em vista o caráter promocional da Constituição Federal, como se deve dar a conjuntura desses dois problemas, de um lado o Estado necessitando o desenvolvimento de forma a melhorar os indicadores de bem estar econômico e social e de outro a preocupação com os impactos ambientais que este levará.

Avaliaremos neste presente estudo como o Direito Ambiental incide nas decisões desenvolvimentistas, tendo uma função promotora ou repressiva, de forma positiva ou negativa e a partir daí analisar como o Estado deve reagir diante da necessidade de responsabilizar pessoas físicas e jurídicas ao praticar atos contrários a proteção do meio ambiente.

a)                  O Direito Ambiental e os Benefícios ao Desenvolvimento

O crescimento do Estado, ao logo das décadas vem cada vez mais se preocupado com os impactos ambientais que este pode causar, o crescimento de cidades, da população, da economia e da condição social demanda cada vez mais recursos naturais.

Entretanto, o Brasil tem crescido de forma desenfreada e sem controle, abusando de emissões de gases, desmatamento, poluição fluvial e outros impactos ambientais que deveriam ser analisados muito antes de dar grandes passos desenvolvimentistas, o desenvolvimento industrial principalmente de indústrias pesadas como siderúrgicas e químicas acompanham problemas para a qualidade do ar e da água.

No Brasil, um problema que persiste a longo dos anos é o desmatamento com as “queimadas” e corte de arvores para plantio visando o crescimento do agronegócio, responsável assim pela degradação do solo, diminuição na qualidade da água,  impactando, consequentemente, a fauna, a flora, e a biodiversidade.

Conjuntamente ao grande crescimento industrial e o desenvolvimento econômico, diante da necessidade gritante do meio ambiente, surgiram, também, projetos para contribuir de forma sustentável, propondo meios mais “limpos” para o desenvolvimento e assim buscar proteger o bem difuso transindividual que é o meio ambiente.

Um dos principais projetos é o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que tem como princípio básico e objetivos principais:

“diminuir o custo global de redução de emissões de gases lançados na atmosfera e que produzem o efeito estufa (GEE) e, ao mesmo tempo, também apoiar iniciativas que promovam o desenvolvimento sustentável em países em desenvolvimento.

Esses objetivos simultâneos refletem a necessidade de ação coordenada entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, que, apesar de posicionamentos distintos, dividem o objetivo comum de reduzir o acúmulo de GEE.

O principio básico do MDL é simples. Ele permite que países desenvolvidos invistam nos países em desenvolvimento em oportunidades de redução de baixo custo e que recebam créditos pela redução obtida nas emissões. Os países desenvolvidos podem então aplicar esses créditos nas metas fixadas para 2008-2012, reduzindo assim os cortes que teriam de ser feitos nas próprias economias.

Como muitas das oportunidades de redução de emissões são mais baratas em países em desenvolvimento, isso aumenta a eficiência econômica para alcançar as metas iniciais de redução de emissões de GEE. Como a contribuição das emissões de GEE para as mudanças climáticas é a mesma, independentemente de onde elas ocorram, o impacto no meio ambiente global é o mesmo.”[4]

O MDL está no art. 12 do Protocolo de Kyoto onde neste traça metas, oprojeto busca de forma inteligente diminuir o impacto ambiental mundial, tendo como princípio básico o entendimento que o ambiente é uno, independente dos países desenvolvidos possuírem tecnologia mais avançada em questão de proteção ambiental, o impacto ambiental produzido por um país em desenvolvimento atingirá, também, os países desenvolvidos, assim busca o investimento dos países desenvolvidos nos em desenvolvimento buscando uma proteção una.

No protocolo de Kyoto como pressuposto a respeito do MDL determina que em projetos que diminuam a emissão de carbono deverá também promover o desenvolvimento sustentável em países em desenvolvimento, demonstrando também o caráter desenvolvimentista do Protocolo, tentando equilibrar dois pontos importantíssimos atualmente.

Infelizmente o Brasil nem sempre mantém os objetivos ambientais e sociais no mesmo nível dos econômicos, principalmente por influencias de decisões políticas, as regras ambientais acabam se flexibilizando e como consequência o meio ambiente e o desenvolvimento voltam a perder o equilíbrio.

O crescimento desenfreado sem trajetórias alternativas pode acarretar em grandes prejuízos para o meio ambiente, para isso, projetos e políticas publicas devem caminhar no sentido de adequar o crescimento desenvolvimentista aos ditames da sustentabilidade, os objetivos parecem antagônicos porém o objetivo é o mesmo, o meio ambiente como bem jurídico difuso transindividual é direito de todos, proporcionando-nos qualidade de vida, objetivo idêntico ao desenvolvimento que busca através do avanço em diversas categorias melhorar a qualidade de vida, portanto, mesmo as vezes sendo interesses antagônicos o objetivo é o mesmo, logo devem se harmonizar buscando uma trajetória mais adequada para ambos.

O MDL busca equilibrar os dois lados, tanto do desenvolvimento quanto do meio ambiente, um estudo realizado das oportunidades selecionadas de redução de impactos no Brasil, China e Índia, propôs as seguintes mudanças: “Ciclo combinado de turbinas de gás; melhoria da tecnologia de carvão; recuperação e uso de metano na exploração do carvão; co-geração de eletricidade de indústrias químicas; gaseificação da madeira combustível com resíduos de celulose; co-geração de eletricidade baseada em bagaço; grande variedade de possíveis melhoras na eficiência de caldeiras, motores e outros equipamentos; processos modernos de economia de energia nas indústrias de cimento, ferro e aço; ampliando fontes de energia biomassa; energia eólica; aplicações solar-termal e solar-fotovoltaicas; hidroeletricidade em pequena escala; bombas de irrigação movidas a energia eólica; plantações silvícolas para celulose, lenha e carvão; manejo sustentável de florestas em terras públicas e privadas e projetos comunitários agroflorestais.”[5]

Tal proposta de adaptação colabora com a proteção do meio ambiente onde revoluciona a área de geração de energia convencional, combustíveis, aplicação industrial, bens renováveis e proteção florestal, assim melhorando a eficiência e visualizando, em longo prazo, o aprimoramento de fontes alternativas de energia, mesmo com a dificuldade de investimentos por trás do projeto.

Os benefícios para o desenvolvimento sustentável associados aos potenciais projetos já citados acima do MDL são: (i) em relação à qualidade do ar, muitas opções alternativas de geração e co-geração de energia levam a reduções substanciais de partículas de CO2 e SO2 , fuligem e NOx; Tecnologias renováveis como a eólica e a solar eliminam completamente esses poluentes. (ii) em relação à qualidade da água, as fontes de energia solar e eólica oferecem ganhos indiscutíveis em comparação com alternativas convencionais. O uso da tecnologia do digestor anaeróbio em áreas industriais poderia simultaneamente tratar água servida e fornecer gás natural. (iii) em relação a disponibilidade de água, A administração de floresta sustentável poderia proteger contra a escassez de água especialmente se praticada numa área extensa. (iv) em relação a conservação do solo, o manejo sustentável de florestas poderia ter um impacto positivo significativo na conservação do solo, especialmente se praticado numa área extensa. Novas plantações silvícolas podem reduzir a erosão do solo, dependendo do uso da terra disponível. Na China, as plantações de “redes de árvores” nas planícies podem reduzir a erosão pelo vento. Projetos de reflorestamento em bacias hídricas-chave podem impedir assoreamento.[6]

Portanto, fica demonstrado que em relação aos benefícios oferecidos pelo direito ambiental ao desenvolvimento são extremamente plausíveis e visivelmente necessários tendo em vista a ameaça que o desenvolvimento, mal controlado, pode causar ao meio ambiente, o empecilho verificado é o grande custo que as adaptações podem vir a suceder, entretanto, mesmo em longo prazo, os benefícios surgirão tanto economicamente quando ambientalmente.

A idéia do MDL é muito valida, entretanto um ponto que também poderia ser abordado pelos projetos, além do investimento dos países desenvolvidos utilizando sua tecnologia para a melhor proteção do meio ambiente em países em desenvolvimento, é necessário o investimento em desenvolvimento de tecnologia nacional, ou seja, capacitar os países em desenvolvimento de pesquisar e desenvolver tecnologias para a proteção e não somente a entrada de tecnologia estrangeira, isso, em longo prazo, possibilitaria além a autopreservação sem a necessidade de investimentos externos, a possibilidade de troca de conhecimento tecnológico entre os países podendo a cada dia mais aprimorar os conhecimentos de preservação ambiental em conjunto do desenvolvimento econômico e social.


[1] VASCONCELOS, Marco Antonio; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. São Paulo: Saraiva, 1998, p. 205.

[2] GUIMARÃES, Roberto Pereira. FEICHAS, Susana Arcangela Quacchia. Desafios na Contrução de Indicadores de Sustentabilidade. São Paulo: 2009. p. 308.

[3] FILHO, Gilberto Montibeller APUD. SACHS, Ignacy. Espaços, Tempos e Estratégias do Desenvolvimento. São Paulo: Vértice, 1986. p. 7.

[4]MOTTA, Ronaldo Seroa da. FERRAZ, Claudio. YOUNG, Carlos E. F. AUSTIN, Duncan. FAETH. Paul. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e o Financiamento do Desenvolvimento Sustentável no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. p. 1.

[5]MOTTA, Ronaldo Seroa da. FERRAZ, Claudio. YOUNG, Carlos E. F. AUSTIN, Duncan. FAETH. Paul. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e o Financiamento do Desenvolvimento Sustentável no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. p. 7.

[6]MOTTA, Ronaldo Seroa da. FERRAZ, Claudio. YOUNG, Carlos E. F. AUSTIN, Duncan. FAETH. Paul. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e o Financiamento do Desenvolvimento Sustentável no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. p. 9.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria