Eletividade, temporariedade e responsabilidade são características de uma República, isto é, não figura “O Estado sou eu” [“L’État cést moi”], ou vitaliciedade/hereditariedade/irresponsabilidade.

Através da democracia e da República, quando consolidadas, é que o povo conseguirá ser soberano

Os princípios fundamentais [forma de governo e regime político] são vigas mestras que formam a estrutura básica do Estado. Princípios esses, que são necessários para o povo exigir do Estado clareza quanto à o rol dos direitos fundamentais, ou direitos humanos, a estrutura política e a forma de organização do Estado para o Estado absolutista ceda lugar ao Estado Liberal de Direito.

Um elemento [pedra angular] importantíssimo para o Estado democrático é a finalidade. Na Carta Cidadã de 1988, a finalidade do Estado está esculpida no artigo 3º, que define os objetivos fundamentais.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II - garantir o desenvolvimento nacional;

 III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

República, quem tem  o poder? O povo ou os agentes políticos?

Na República [forma de governo], a legitimidade do poder está nas mãos do povo (capacidade eleitoral ativa). Assim, o cidadão que exerce a sua capacidade eleitoral passiva (ser votado), quando eleito se subjuga aos preceitos Constitucionais, às exigências do povo (plebiscito e ação popular, os remédios Constitucionais – no referendo, a participação do povo continua, mas não há a vontade explícita do povo, em muitos casos, apenas uma subjetividade, dos governantes, quanto aos desejos do povo) para aplicabilidade e aperfeiçoamento das garantias fundamentais da pessoa humana.

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Quanto ao exercício de poder, os representantes do povo (agentes políticos) são responsáveis pelos seus atos e respondem por atos (Lei n. 8.429/1992) que violem os princípios da Administração Pública:

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

Eletividade, temporariedade e responsabilidade são características de uma República, isto é, não figura “O Estado sou eu” [“L’État cést moi”], ou vitaliciedade/hereditariedade/irresponsabilidade. Na República, a figura [personalidade] do governante não se confunde com a própria figura do Estado [vontade do povo], ou seja, os agentes políticos devem se subjugar e agir conforme ditames da Lei Maior (CF/1988), pois ela foi forjada pela força do povo.

Democracia, o poder do povo

 “É o governo do povo, pelo povo e para o povo"!

A frase, imortalizada por Abraham Lincoln, conglomera a definição de democracia [regime político]. Sendo o povo (capacidade eleitoral ativa), a fonte primária do poder soberano, e responsável pelas condutas (atos administrativos) dos agentes públicos na condução do Estado e de suas próprias vidas, de sua indolência, aos atos praticados pelos agentes públicos, quando subversivos aos ditames da Carta Cidadã, nada mais lhe restará senão a miséria dilacerante em sua vida. De democracia, o Estado pode virar absolutista.

O povo e o Poder Constituinte

Numa democracia, a titularidade do Poder Constituinte [originário ou reformador] é a do povo (capacidade eleitoral ativa). Trata-se de “constitucionalismo perverso” – expressão utilizada por Boaventura de Souza Santos -, isto é, o povo (indiferentemente de estratificação socioeconômica) é o detentor de legitimidade para impor sua vontade, sua convicção ao Poder Constituinte (originário ou reformador). Ao Poder Constituinte só resta à obediência à vontade do povo, não sendo possível qualquer disposição contrária ao posicionamento [vontade e convicção] do povo.

Todavia, tanto a convicção quanto à vontade do povo devem se assentar nos direitos humanos, pois, do contrário, o Estado pode se consagrar como déspota.

Referência:

1 - Constitucionalismos Perversos. Boaventura de Sousa Santos. Publicado na Visão em 8 de Dezembro de 2005. Disponível em: < http://www.ces.uc.pt/opiniao/bss/145.php >.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria