O presente trabalho faz uma análise bibliográfica sobre as implicações da Ética, da Moral e do Direito atuando conjuntamente no seio social, mas não abandonando assim a autonomia presente em cada uma, na ética e no Direito como ciências e na moral.

RESUMO

O presente trabalho faz uma análise bibliográfica sobre as implicações da Ética, da Moral e do Direito atuando conjuntamente no seio social, mas não abandonando assim a autonomia presente em cada uma, na ética e no Direito como ciências e na moral. Para um melhor entendimento sobre o tema primeiro definiu-se a significação de cada um dos temas, de modo que pode-se entender a origem etimológica e atualmente utilizada por eles.

Palavras-chave: Ética; Moral; Direito

INTRODUÇÃO

Para dar início ao estudo acerca da Ética, da Moral e do Direito, cabe a conceituação do que seja cada um , como meio de suporte para entender-se as peculiaridades e semelhanças deles e entre eles.

Fazendo-se uma análise da origem etimológica da palavra ética, descobre-se que o “ethos”, seria o hábito ou comportamento pessoal. Decorrente da natureza ou de convenções sociais ou da educação. Desse modo, só se pode compreender o que é a ética a partir do conjunto de ações humanas, ou seja, a ética só existe como fruto das ações humanas, como afirma Eduardo C. B. Bittar (2010, p.25): “(...)O fino equilíbrio sobre a modulação e a dosagem dos comportamentos no plano da ação importa à ética.”

Nesse sentido, pode-se já fazer uma breve ligação com a moral, de modo que são as ações morais que dizem respeito à ética, entendendo-se por ação moral aquela que é feita com habitualidade pelo ser humano, independente de possuir conteúdo ou não, mas que o confere a característica de ser considerado um ser único e capaz de governar-se, ou seja, é uma linha tênue entre a capacidade de definir e deliberar sobre sua própria personalidade (consigo mesmo, com familiares, com a sociedade, etc.) e a liberdade que todo ser humano possui (chamada por alguns de livre-arbítrio). Caracterizada como conjunto de normas sócias construídas ao longo da história por uma sociedade que tem o objetivo de formar sistemático conjunto de normas que orientem a vida social.

Em relação ao Direito, como conjunto sistemático de normas que dirigem a sociedade, com a finalidade de estabelecer a harmonia e a paz social, pode-se de antemão abstrair sua íntima relação com a ética e a moral, ou melhor, a ação moral, como sendo o objeto de estudo daquela, pois aduz-se genericamente, que possuem praticamente o mesmo intuito, no entanto, se utilizam de métodos e formas diferentes, por vezes, como por exemplo, o modo coercitivo utilizado pelo Direito se houver transgressão de normas, que em regra é a privação de liberdade. Diferentemente do que ocorre ante uma infração de normas morais, sociais e éticas, até podendo ser por repreensão, mas não no modo do Direito.

A ÉTICA E AS NORMAS MORAIS

            Para dar início ao estudo sobre estes dois temas, cabe a observação da origem etimológica distinta deles. O vocábulo “ética” vem do grego “ethos” significando “modo de ser” ou “caráter”. Já “moral” é termo advindo do latim “Morales” e significa “relativo a costumes”.

            Em linhas gerais pode-se dizer que a Ética é um conjunto de saberes adquiridos através da análise do comportamento humano numa tentativa de explicar as regras morais racionalmente, científica e teoricamente, ou seja, é uma reflexão das ações morais. No entanto, isso não significa dizer que esta ciência seja puramente normativa, a saber, estude exclusivamente a deontologia (dever-ser) da moral, até porque as normas morais não são apenas abstrações teóricas, ao contrário, são concretizações das experiências vividas no meio social, num dado momento histórico.

            A Moral, por sua vez, pode ser definida como a sistematização de regras inseridas e vividas no cotidiano das pessoas, de modo que cada cidadão as usem, os orientando e direcionando para o que seja certo ou errado, bom ou mau, enfim, moral ou imoral.

            Na prática, vê-se que as duas tem caminhos e fins muito semelhantes e, a partir da interação que possuem dão suporte para a formação do bom convívio social através das preceptíticas ético-morais.

A ÉTICA E O DIREITO

Assim como há normas morais e éticas incidindo na sociedade, há também as normas jurídicas com grande e importante implicação na vida social. Estas normas atuam conjuntamente no meio social, ou seja, não há necessidade de exclusividade pois todas tem autonomia perante as outras como bem fala o professor doutor Eduardo Bittar:

“Com essa observação, quer-se simplesmente dizer que é possível a constituição de uma especulação ética independente de uma ciência do direito, uma vez que a incidência daquela recairá sobre as ações eticamente relevantes, e a incidência desta será sobre as ações declaradas e constituídas como juridicamente relevantes. Por vezes, as ações são coincidentemente ética e juridicamente relevantes, o eu não prejudica a autonomia das referidas ciências, nem faz confundir o campo do jurídico com o campo da ética.”

            Mesmo assim por vezes essas normas convergem e divergem, pois como há normas que de tão relevante no mundo ético acabam tornando-se preceitos jurídicos, como, por exemplo, normas processuais que admitem a mentira como meio de o réu defender-se. Nota-se, desta feita, que andam juntas e são de inquestionável cumplicidade (embora sejam divergentes algumas vezes), tornando até impossível ao jurista penetrar no mundo jurídico totalmente alheio ao mundo ético, bom como ao pesquisador torna-se inviável o estudo sem ter conhecimento das normas legais vigentes.

REGRAS JURÍDICAS E REGRAS MORAIS

Neste tópico cabe a análise desses dois sistemas, que também se perfazem na sociedade hora de maneira conjunta hora não, mas não implicando isto somenos importância como sistêmico conjunto de regras com semelhanças e divergências, como bem retrata o eminente Eduardo C. B. Bittar:

“Costuma-se, mesmo, tratar o te ma dizendo-se que: a experiência moral e a norma moral são anteriores, sobretudo tendo-se em vista o cronológico surgimento das regras de direito relativamente às regras da moral; a norma moral é interior, prescindindo de qualquer fenômenos exterior, como geralmente sói ocorrer com o fenômeno jurídico; a norma moral não é cogente, pois não pode dispor do poder punitivo de uma autoridade pública para fazer valer seus mandamentos, recorrendo-se, normalmente a sanções diferenciadas  das jurídicas (consciência; rejeição social; vergonha...)[...].”

            Com estas considerações pode-se afirmar que doutrinariamente falando, há o direito moral e o direito imoral, aquele como sendo a norma jurídica condizente com a norma moral e este sendo a norma que apesar de formalmente váloda não tem cunho moral, mas nem por isso deixa de existir no mundo jurídico.

            Elencando-se as características destes, há de se delimitar suas semelhanças e diferenças. Como essência de cada um pode apontar que ao direito pertence a coercibilidade, bilateralidade e heteronomia. Já em relação à moral, o contrário, a incoercibilidade, unilateralidade e autonomia.

            O Direito por ser munido de meios mais formais para sua consecução deve utilizar-se, por exemplo, da força cogente do Estado, este como detentor do jus puniendi e sendo o único que tem legitimidade de impor as sanções cabíveis. Somente se pode alegar um direito diante de alguém contra quem este direito se oponha, trazendo, assim, a bilateralidade intrínseca ao direito. Desta feita é inquestionável a sua aplicação à todo, sem distinção no seio social.

            Quanto à moral, por ser adquirida internamente, ou seja, prescinde de qualquer fenômeno exterior para originar-se, também ela não carece de fenômenos externos para se concretizar daí afirmar-se a sua unilateralidade. Como meio punitivo desta, usa-se outros que não o deu ma autoridade criada especificamente para isto, então se diz que é incoercível. A sua aplicação, muito embora não seja algo isolado, é pessoal por isso é considerada autônoma.

CONCLUSÃO

Dando conclusão aos trabalhos, o que se pode reiterar nesta pesquisa foi tão somente a importância fundamental que os três sistemas possuem para a vida em sociedade, de forma que não se vive sem a construção, por mínima que seja de normas éticas (valoradas pela ação moral), que, em linhas gerais para se agir eticamente é preciso: ter conduta livre e autônoma; ação dirigida pela convicção pessoal e ser insuscetível de coerção; assim como de normas morais (sendo consideradas aquelas individualmente criadas por cada um como sendo princípios próprios) e normas jurídicas (aquelas com aspecto e caracterização mais formais e com força cogente) para o harmônico convívio social.

REFERÊNCIAS

BITTAR, Eduardo C. B. Curso de ética Jurídica : Ética geral e profissional. 7. ed. – São Paulo : Saraiva, 2010.

PALERMAN, Chaïm. Ética e direito 2. Ed – São Paulo : Martins Fontes, 2005.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria