A aceitação é o ato pelo qual o herdeiro aceita a posição, anuindo ser beneficiário. A renúncia é o ato pelo qual o herdeiro manifesta sua vontade de se demitir dessa posição, declarando expressamento, que não quer aceitar a herança.

1. Considerações Gerais:

Para afirmar a aceitação, deverá ser dito para o Estado dentro do processo de inventário que será direcionado ao juiz. Exemplo: Se João morre, a Saisine transfere no minuto seguinte de sua morte, a posse e a propriedade dos bens de Marcos para seus descendentes. Mas os filhos devem ir ao fórum abrir o processo de inventário e manifestar sua aceitação, confirmar que aceita a condição de herdeiro. O aceito é a transformação do caráter provisório que a saisine colocou. A pessoa não está aceitando a herança, ela está aceitando SER HERDEIRO.

A lei não estabelece prazo para a aceitação. Não havendo entre nós prazo legal para adir, segue-se que, enquanto não for o herdeiro lançado de um prazo, que pelo interessados lhe seja judicialmente assinado, conserva o direito de declarar-se pela aceitação ou repúdio e de transmiti-lo por seu falecimento. 

Desse modo, enquanto não intimado a manifestar-se em prazo certo, o herdeiro tem a faculdade de aceitar a herança a todo tempo, até que se consuma a prescrição de dez anos. Esgotado o prazo do ius deliberandi, extingue-se a faculdade de optar e a situação permanece inalterada, ou seja, a herança está adquirida, sem possibilidade de alterar-se o statu quo.

Não se pode aceitar ou renunciar a herança em parte; ou se aceita tudo ou não aceita nada. O que se aceita é a condição de herdeiro e de legatário, e não os objetos dentro da herança ou do legado. Entretanto, pode aceitar ser herdeiro legítimo, mas não testamentário; pode aceitar ser legatário, mas não herdeiro.

Art. 1.808 – CC: Não se pode aceitar ou renunciar a herança em parte, sob condição ou a termo.

§ 1º - O herdeiro, a quem se testarem legados, pode aceitá-los, renunciando a herança; ou, aceitando-a, repudiá-los.

Se for herdeiro legítimo e testamentário, deverá manifestar duas vezes a aceitação ou a renúncia. Pode renunciar uma e aceitar a outra condição; ou aceitar ambos e recusar ambos.

§ 2º - O herdeiro, chamado, na mesma sucessão, a mais de um quinhão hereditário, sob títulos sucessórios diversos, pode livremente deliberar quanto aos quinhões que aceita e aos que renuncia.

2. Aceitação:

a) Quanto a Forma:

  • Aceitação Expressa: quando a manifestação está escrita. Essa forma não é muito usada. 
  • Aceitação Tácita: comportamento processual do herdeiro. Exemplo: juntou documentos, informou os bens, nomeou advogado etc. É a mais usada.
  • Aceitação Presumida: quando nada manifestar, se for omisso, a aceitação se dá pela presunção.

b) Quanto ao Agente:

  • Aceitação Direta: é aquela feita expressamente; manifestada pelo até então herdeiro.
  • Aceitação Indireta: é aquela feita por quem não tem vocação hereditária, no caso o sucessor do herdeiro; pelo mandatário e por gestor de negócios; pelo tutor ou curador de heranças; e a feita pelos credores (penhorar cota hereditária).

Falecendo o herdeiro antes de declarar se aceita a herança, o poder de aceitar passa-lhe aos sucessores, a menos que se trate de vocação adstrita a uma condição suspensiva, ainda não verificada. Exemplo: o herdeiro que foi nomeado sob a condição de obter o primeiro lugar em determinado concurso, ou vencer determinada disputa (testamentário). Nesse caso, os mencionados direitos eventuais consideram-se como se nunca tivessem existido. Trata-se da sucessão hereditária do direito de aceitar. O herdeiro que falece antes de aceitar morre na posse de um direito. A morte do herdeiro antes da aceitação impede a transmissão aos seus sucessores de herança ainda não aceita. Transfere-lhes, todavia, o direito de aceitá-la ou repudiá-la. Não apenas os direitos sucessórios se transmitem, mas igualmente o prazo para deliberar.

A aceitação por mandatário e por gestor de negócio é controvertida. Tanto a adição como a renuncia podem ser feitas por procurador; para esta ultima requerem poderes especiais. Dá-se a gestão de negócios quando uma pessoa, sem autorização do interessado, intervém na administração de negócio alheio, dirigindo-o segundo o interesse e a vontade presumível de seu dono. A intervenção é motivada por necessidade ou por utilidade, com a intenção de trazer proveio pra o dono. Em principio, nada obsta a que a aceitação da herança seja feita pelo gestor de negócios, para evitar prejuízo ao herdeiro, mesmo sem autorização deste. Todavia, tal hipótese se configurará somente quando a não aceitação imediata puder prejudicar o herdeiro, uma vez que a ausência de aceitação, esgotado o prazo, apenas atinge a faculdade de optar.

A aceitação pelo tutor ou curador de heranças, legados ou doações, representando o incapaz mediante autorização judicial, é permitida. Compete também ao tutor, com autorização do juiz aceitar por ele heranças, legados ou doação, ainda que com encargos.

A aceitação pelos credores afasta a possibilidade de haver renuncia lesiva a estes. Se tal ocorrer, podem aceitar a herança em nome do renunciante, nos autos do inventário não encerrado, mediante autorização judicial, sendo aquinhoados no curso da partilha. Se houver saldo, será entregue aos demais herdeiros e não ao renunciante. A aceitação de prejuízos aos credores do renunciante faz, portanto, com que a renuncia não produza efeitos até o montante necessário para a satisfação do débito. As vezes, a renuncia da herança por parte do herdeiro pode consistir em fraude aos seus credores. Assim, por exemplo, se o de cujus deixa vultoso patrimônio a três filhos, que é prontamente aceito por dois deles mas não pelo terceiro, que o repudia porque não possui bens penhoráveis, contraiu dividas de elevado valor e percebe que o seu quinhão na herança paterna será absorvido pelo credor, pode este requerer ao juiz que o autorize e aceitá-lo em nome do renunciante, evitando, assim, a consumação da fraude. A habilitação dos credores se fará no prazo de trinta dias seguintes ao renunciante, que perdera condição hereditária.

c) Características da Aceitação:

  • É negocio jurídico unilateral;
  • Podem praticá-la apenas as pessoas capazes de agir (os incapazes devem ser representados ou assistidos);
  • Há de ser negócio puro (não se subordina a condição ou a termo nem pode ser parcial);
  • Indivisível e incondicional;

d) Irretratabilidade da Aceitação: são irrevogáveis tanto os atos de aceitação como os de renuncia da herança, deixando patenteado que tais negócios unilaterais fixam, definitivamente, na pessoa do autor, a qualidade de herdeiro ou legatário, bem como a propriedade de sua quota na herança, ou nas coisas legadas.

e) Anulação da Aceitação: a aceitação pode, entretanto, ser anulada se, depois de manifestada, apurar-se que o aceitante não é herdeiro, como na hipótese de ser chamado um ascendente e verificar-se posteriormente a existência de um descendente vivo, ou quando se toma conhecimento da existência de um testamento que absorva a totalidade da herança, não havendo herdeiros necessários. Nesse caso, declarada a ineficácia da aceitação, devolve-se a herança àquele que a ela tem direito, como se aceitação inexistisse. Mas, se o inventário já houver sido encerrado e homologada a partilha, só por ação de petição de herança poderá o interessado reivindicar o que lhe cabe.

3. Renúncia:

A renúncia da herança é negocio jurídico unilateral, pelo qual o herdeiro manifesta a intenção de se demitir dessa qualidade. É o ato pelo qual o herdeiro declara expressamente, que não quer aceitar, preferindo conservar-se completamente estranho à sucessão. O herdeiro não é com efeito, obrigado a receber a herança. Ele age como se nunca tivesse sido herdeiro, e como se nunca lhe houvesse sido deferida a sucessão.

A renúncia da herança deve constar expressamente de instrumento público ou termo judicial. Não pode ser tácita, portanto, como sucede com a aceitação. Também não se presume. O termo nos autos é a maneira mais simples e menos dispendiosa, bastando que registre o comparecimento da parte e assinale ter este declarado o firme propósito de renunciar pura e simplesmente à herança. Poderá ser assinado pela própria parte ou por procurador com poderes especiais. A vontade manifestada em documento particular não é válida.

a) Tipos de Renuncia:

  • Abdicativa: é a renuncia em si; querer ficar fora sem maior envolvimento. É a própria função da matéria, ficar alheiro a sucessão aberta em favor do herdeiro ou legatário. Nesse caso, sua parte vai para quem a lei indicar. Normalmente para os que estão na mesma classe que o renunciante. Exemplo: João morre e deixa todo seu patrimônio para seus três filhos, Huguinho, Zezinho e Luizinho. Supondo que Huguinho renuncia, sua parte vai para que os que estão na mesma classe que o renunciante, no caso Zezinho e Luizinho. Caso não exista alguém na mesma classe, vai para a classe subsequente, no caso, os netos de João. Na falta da classe subsequente, vai para os ascendentes, depois cônjuges e depois colaterais.
  • Translativa: é renunciar e transferir para alguém. É o que se entende por doação. Lembrando que a doação requer o pagamento do imposto “inter vivos” de 4% em cima do valor da doação. O beneficiário será quem o renunciante quiser, com ou sem vocação, dentro ou não do processo.

Se um pai renunciar e por conta disso os seus filhos ficaram sem a herança do avô, os mesmos não poderão contestar a decisão do pai, pois como herdeiro, ele tem o direito de renunciar a sua parte da herança. A renúncia é ato irrevogável. A renúncia pode ficar anulada em decorrência de erro ou vícios, mas nunca voltar atrás sem mais nem menos.

b) Restrições Legais ao Direito de Renunciar: para que o direito de renúncia possa ser exercido, alguns pressupostos são necessários. Vejamos:

  • Capacidade jurídica plena do renunciante (não basta a capacidade genérica, sendo necessária também a de alienar) Exemplo: a renúncia efetivada pelo incapaz não terá validade;
  • A anuência do cônjuge; exceto se o regime de bens for o da separação absoluta.
  • Que não prejudique os credores.

c) Efeitos da Renúncia: a renúncia acarreta na exclusão, da sucessão, do herdeiro renunciante, que será tratado como se jamais houvesse sido chamado e também no acréscimo da parte do renunciante à dos outros herdeiros da mesma classe. Depois de renunciado, FICA PROIBIDO O DIREITO DE REPRESENTAÇÃO.

Ineficácia e Invalidade da Renúncia: pode ocorrer pela suspensão temporária dos seus efeitos pelo juiz, a pedido dos credores prejudicados, que não precisa ajuizar ação revocatória, nem anulatória, a fim de se pagarem. Dá-se a invalidade absoluta quando não houver sido feita por escritura pública ou termo judicial; e relativa quando proveniente de erro, dolo ou coação.

                                                                        

4. Referências Bibliográficas:

- GONÇALVES, Carlos Roberto – Direito Civil Brasileiro; Volume 7 – Editora Saraiva; Ano 2011.



Informações sobre o texto

O artigo tem por objetivo auxiliar estudantes de direito, oferecendo maior amplitude do tema mencionado, bem como oferecer um material baseado na obra de Carlos Roberto Gonçalves - Direito Civil Brasileiro, para melhor entendimento.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria