Trata da visão de Michael Shermer sobre as relações harmônicas entre Democracia e Ciência.

   Em um vídeo curto, Michael Shermer, de forma sucinta, mas certeira expõe a proximidade e harmonia existentes entre o regime democrático de governo e a ciência com seus procedimentos e princípios. [1]

            Segundo o expositor, as democracias são mais abertas para a ciência, não somente pelo ideal de liberdade que as norteia, mas porque são intrinsecamente “um tipo de experimento científico”. Nelas podemos alterar as “variáveis” periodicamente e realizar novos “experimentos”.

            O princípio que embasa a democracia é que na verdade ninguém sabe uma fórmula mágica para governar um país. Dessa forma é preciso aprender a operar com a incerteza e com técnicas de “crowdssourcing”, ou seja, um processo de coleta de serviços, ideias, informações e conteúdos necessários, mediante a participação de um grupo eclético de pessoas e instituições. Por meio disso se pode chegar à verdade de modo pluralista, tendo em conta uma grande diversidade de “vozes” sociais e individuais. Neste ponto a ciência se assemelha à democracia, pois o pesquisador apresenta seus dados coletados e organizados, mas não opera em um “vácuo” e sim perante uma comunidade científica. E seus dados e conclusões serão sempre submetidos a uma livre discussão e crítica, além de propostas e realizações de novos experimentos. Tudo isso com o fito de chegar a uma solução ideal para o problema pesquisado.

            Portanto, não há dúvida alguma de que as democracias são melhores, senão mesmo o único campo realmente fértil para o desenvolvimento científico, tendo em vista seus princípios de debate livre e pluralista, bem como sua capacidade de adaptação e renovação, enfim sua dinâmica em contraponto à estática de regimes autoritários ou totalitários.

            É interessante ressaltar que Michael Shermer vem a público para expor o óbvio, mas isso, longe de ser uma atuação inócua, infelizmente constitui uma necessidade premente num mundo em que a democracia começa a ser corroída desde dentro por suas próprias liberalidades, cuja importância é olvidada por seus detratores que sequer têm a noção mínima de que somente podem se manifestar em suas críticas justamente porque estão num regime democrático.

            Shermer aponta para a existência de centenas de países democráticos e crê com razão na expansão dessa forma de governo. Não obstante, todo cuidado é pouco quando vivemos em tempos nos quais as coisas mais óbvias e até autoevidentes precisam ser explicadas e justificadas.

REFERÊNCIAS

SHERMER, Michael. Democracia e Ciência. Disponível em www.youtube.com.br , acesso em 06.12.2014.


[1] SHERMER, Michael. Democracia e Ciência. Disponível em www.youtube.com.br , acesso em 06.12.2014. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria