Sofremos com a falta de ética, alias, a sociedade vem sofrendo, e essa sociedade pode ser também a profissional, sendo que a ética é insubstituível para a nossa conduta no ambiente de trabalho, no qual você agi de uma forma correta, visando um bem comum,

                                          

SUMÁRIO:  1-Introdução; 2- Ética na Relação de Trabalho ; 3- Conclusão; 4- Referências.

RESUMO

     Sofremos com a falta de ética, alias, a sociedade vem sofrendo, e essa sociedade pode ser também a profissional, sendo que a ética é insubstituível para a nossa conduta no ambiente de trabalho, no qual você agi de uma forma correta, visando um bem comum, é através da ética que saberemos que tipo de pessoas somos e de que forma se organizamos na nossa área de trabalho. A ética encara a virtude da pratica do bem, que individualmente ou coletivamente, gera felicidades e analisa o desempenho e às normas comportamentais. O tema também pode falar o que as empresas exigem dos seus funcionários o nível de estrutura e funcionamento.

PALAVRAS- CHAVE: ÉTICA; PROFISSIONAL; TRABALHO; CONDUTA.

  1. INTRODUÇÃO:

       Na área do Direito, quando falamos em ética jurídica, entendemos como ‘’ ética profissional’’, como se fosse um conjunto de regras, que devem ser cumpridas, visando a boa convivência com os outros humanos, no caso, outros profissionais, usando a nossa liberdade com sabedoria e consciência, bem como a boa imagem do profissional e sua categoria.

          A ética profissional é um conjunto de valores e atitudes positivas, a ética no ambiente de trabalho, é de muita importância, vai transparecer o profissional que tu és, sendo que atitudes corretas geram outros benefícios, como o bom funcionamento das atividades da empresa e das relações de trabalho entre os funcionários.

       O que devemos saber que essa ética tem uma base, que a nossa educação, e que o amor é o alicerce, que faz  manter a nossa ética e dignidade de pé, é o que os nossos ancestrais nos ensinam e nos passam, e que devemos levar para o resto da nossa vida, o dom de amar a si mesmo e ao congénere.

  1. ÉTICA NA RELAÇÃO DE TRABALHO:

           Para ter uma boa convivência no ambiente de trabalho você precisa ser honesto, ser humilde, tolerante e flexível. Ser ético na maioria das vezes, é ter que abrir mão de certas coisas, e nós somos seres humanos, erramos, mas temos que ter a postura de assumir o nosso erro e saber perder.

           No ambiente de trabalho, temos que aceitar as ideias de nossos colegas, mesmo que não queria, mas não custa escutar e tentar de alguma forma resolver o problema, algumas ideias são favoráveis, mas, outras vezes não, como críticas, como fofocas, que na área de trabalho, quando trabalhamos com equipe, grupos, várias pessoas, isso é normal acontecer, qualquer trabalho existe isso, mas temos que, ouvir e avaliar a situação sem julgamentos precipitados ou baseados em suposições.

          Tentar ser parcial, nunca culpa seus colegas, não falar pelas costas, se não gostou de algo que alguém fez, chame no particular, para ter uma conversa, não na frente de outros, não humilhe ninguém, mantenha sua postura respeitando sua privacidade.

          O que podemos fazer para ter uma postura ética como profissional:

  1. Saber ouvir.
  2. Saber chamar atenção de alguém.
  3. Não faça fofocas.
  4. Saber trabalhar em equipes.
  5. Não humilhar as pessoas.
  6. Ter cuidado com apelidos e brincadeiras.
  7. Ter pontualidade.
  8. Não abusar do poder.
  9. Educação e respeito ao próximo.
  10. Buscar crescimento profissional.

          Fazendo isso, agindo de maneira correta, você só tem a crescer e ter sucesso, dentro do seu trabalho como em sociedade, com comportamentos agradáveis, que torne o ambiente de trabalho harmonioso, mantendo o bom humor.

Nas relações interpessoais, parece existir uma tendência à existência de confiança com um elemento cognitivo: as pessoas confiam por terem ‘boas razões’ para confiar no outro. Neste aspecto, a geração de confiança por um indivíduo, grupo ou organização passa por avaliações empíricas ou concretas do comportamento pregresso, avaliação de atributos e características de outra parte, relacionadas com as habilidades, a competência, a previsibilidade de comportamento, levando em conta ainda aspectos afetivos (COWLES, 1996; MORROW JR., HANSEN e PEARSON, 2004; PEARSON, 2004).

         Vale  ressaltar, a questão da confiança, tem que mostrar ser uma pessoa confiante, que confia no seu profissionalismo e que mostra confiança para pessoas e que também confiam nelas.

Conclusão

        Não devemos esquecer dos deveres profissionais, que é o essencial para o crescimento dentro de uma empresa, como já foi mencionados, escolher uma profissão que goste, que faça por prazer, dessa forma, já vai ser meio caminho andado, não vá por outros ou por visar dinheiro ou vantagens em cima de terceiros, escolha uma profissão que tenha uma ligação sensível com a mesma.

        Temos o dever de conhecer bem a profissão, não conta só o gostar ou aceitar um cargo sem ter o preparo para exercê-lo, que poder causar vários danos. Buscar a beleza na execução de um serviço, é uma obrigação do profissional, tem sim que ter perfeição, e isso, depende do conhecimento do mesmo.

REFERÊNCIAS

SÁ, Antônio de Lopes. Ética Profissional. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2005.

LISBOA, Lázaro Plácido. Ética Geral e Profissional e Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1997.

MEDEIROS, Carlos Albert Freire. Comprometimento organizacional: um estudo de suas relações com características organizacionais e desempenho nas empresas hoteleiras. 2003. Tese de doutorado. São Paulo: FEA/USP, SP



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria