Pelo entendimento firmado, não é qualquer conduta supostamente ilegal que gera dano moral, devendo o ato impugnado ser apto, em tese, a causar repercussões danosas na vida do requerente.

Não é incomum, na prática previdenciária, nos depararmos com ações que visam a condenação do INSS ao pagamento de indenização por danos morais em razão do indeferimento administrativo do pedido. Em casos assim, o (a) requerente que consegue obter um benefício na via judicial após ter seu pedido negado por uma agência da previdência social, requer o pagamento de indenização pelo INSS, alegando que o indeferimento gerou prejuízos morais que devem ser reparados.

No entanto, no entender da Turma Regional de Uniformização da 1ª Região, tal condenação é incabível.

Tal posicionamento foi firmado na última sessão de julgamento da Turma Regional de Uniformização da 1ª Região, ocorrido em 31 de outubro de 2014. Tratava-se de pedido de uniformização de jurisprudência regional interposto pelo INSS contra acórdão da Turma Recursal do Amazonas, que houve por bem negar provimento ao recurso inominado da autarquia previdenciária, mantendo a sentença que condenou o INSS ao pagamento de indenização por danos morais ante a não concessão administrativa do benefício. Em razão da divergência com o posicionamento da 3ª Turma Recursal do Estado de Minas Gerais, a qual sedimentou posição no sentido de que que a eventual demora da autarquia-previdenciária em decidir os requerimentos que lhe são encaminhados pelos segurados ou indeferi-los, configura apenas um mero dissabor, ausente, portanto, o dano moral, é que foi interposto o Pedido Regional de Uniformização.

A Turma Regional, acolhendo o pleito do INSS, entendeu que inexistindo provas nos autos que a parte autora tenha sofrido dano à sua honra, ou ainda, perturbação psicológica, dor intelectual ou moral, sofrimento grave, depressão, não logrando o segurado comprovar as privações materiais narradas pelo indeferimento administrativo do benefício, não há que se falar em condenação ao pagamento de indenização por danos morais. Segundo a Corte, eventual demora além das expectativas da parte autora para receber pagamentos sem comprovação de vexame, humilhação ou abuso, caracteriza mero dissabor, aborrecimento, não identificado como dano moral.

Assim, segundo o entendimento firmado pela TRU da 1ª Região, não é qualquer conduta supostamente ilegal que gera dano moral, devendo o ato impugnado ser apto, em tese, a causar repercussões danosas na vida do requerente. Tal decisão segue o mesmo caminho trilhado pelo Superior Tribunal de Justiça, o qual possui reiterada jurisprudência no sentido de que não é qualquer dissabor ou constrangimento que deve ser alçado ao patamar de dano moral, devendo este ser visto e entendido como uma dor, um vexame, um sofrimento ou humilhação, fugindo à normalidade e que interfira intensamente no comportamento psicológico da pessoa, causando-lhe sofrimento, angustia, desequilíbrio em seu bem estar e a sua integridade psíquica. Ou seja, deve haver um dano a reparar, o que não ocorre no caso do indeferimento administrativo do pedido pelo INSS, conforme entendimento da Corte de uniformização.

A Turma Regional de Uniformização da 1ª Região é responsável por julgar pedidos de uniformização de interpretação de lei federal quando há divergência entre decisões de Turmas Recursais na Primeira Região sobre questões de direito material. Isto é, cabe a ela unificar o entendimento adotado pelas Turmas Recursais dos Estados que formam a 1ª Região, que, por sua vez, julgam em grau de recurso as causas relacionadas aos juizados especiais federais. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria